Mudar de casa pode ser uma grande dor de cabeça, principalmente para quem não está acostumado a lidar com locação de imóveis. Mas, apesar das dificuldades, é possível alugar apartamento ou uma casa sem grandes transtornos. Para isso, o primeiro passo é se informar corretamente. Confira as dicas abaixo e não seja pego de surpresa!

O que é necessário para morar de aluguel

Para alugar apartamento ou uma casa para morar o candidato a inquilino possui dois desafios principais: comprovar que possui renda suficiente para pagar o valor do aluguel e dos encargos e apresentar garantia para ser usada caso não consiga pagar tudo em dia.

Em geral, o custo com aluguel e encargos deve corresponder a no máximo 30% da renda bruta mensal do candidato. Ou seja, o valor do aluguel e dos encargos, somados, deve corresponder no máximo a um terço do salário de quem deseja alugar um imóvel residencial. Ou dos candidatos, já que pode ser considerada a renda familiar e não apenas de uma pessoa. Desta forma, proprietários podem pedir que as pessoas que morem juntas sejam responsáveis pelo pagamento do aluguel e despesas assinem conjuntamente o contrato.

O locatário (que é o inquilino) também não pode ter o nome sujo. Ou seja, inscrito em cadastros de devedores como SPC e Serasa. Uma análise de crédito é o primeiro passo para a avaliação de um candidato na locação de um imóvel.

Além disso, o locador, que é o proprietário do imóvel (ou senhorio, como dizem os mais velhos) precisa aceitar a garantia oferecida por quem quer morar de aluguel.

O que fazer depois da aprovação

Sendo aprovado, o candidato deve exigir que seja feita uma vistoria do imóvel na data em que receber as chaves, a fim de comprovar o estado do imóvel, não podendo ser cobrado por defeitos e problemas que o imóvel já tenha e que não tenham sido causados por ele. E deve também pedir uma cópia da Convenção ou do Regimento Interno do Condomínio para evitar praticar algum ato que resulte em multas ou penalidades estabelecidas por assembleias de condôminos.

Quais os custos e encargos do locatário

Os encargos aos quais os locatários estão obrigados a pagar são: os valores do condomínio referentes às despesas ordinárias (como salários de empregados, pintura e manutenção de equipamentos e instalações de uso comum); valores dos impostos como IPTU; taxa de incêndio paga ao Corpo de Bombeiros anualmente; além de outras taxas como Foro e Taxa de Ocupação.

Os custos com serviços como telefone, internet, água, luz e gás canalizado devem ser contratados diretamente pelos locatários junto às empresas prestadoras dos serviços. Assim, as contas dos serviços ficam nos nomes dos inquilinos e não dos proprietários. No final do término do contrato, o ex-inquilino precisa solicitar as rescisões dos contratos ou transferências de endereço, dependendo do tipo de serviço.

Portanto, alugar apartamento ou casa para morar não é simples. O contrato de aluguel deverá prever todos direitos e as obrigações dos inquilinos e dos proprietários.