Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 30 de novembro de 2019

Memória fotográfica: é possível adquiri-la?

Técnicas e exercícios mnemónicos não são suficientemente capazes de desenvolver uma memória fotográfica.

Imagem: Deagreez/iStock

O neurologista russo A. R. Kuria pediu um dia a Solomon Venuaminoff – um jornalista que o consultara como doente pela primeira vez na década de 1920 – que repetisse uma longa série de palavras que lhe lera anteriormente. As palavras não faziam sentido, não formavam uma frase, estavam ordenadas ao acaso e os significados nada tinham em comum. Não havia motivo lógico para alguém se lembrar delas.

Aprenda a proteger sua memória!

O jornalista respondeu: “Sim, sim.. foi uma série que o senhor me apresentou… quando estivemos em sua casa.. O senhor estava sentado à mesa e eu na cadeira de balanço… Seu terno era cinza.”

E Veniaminoff repetiu a longa lista de palavras desordenadas e disparatadas precisamente na mesma ordem em que as ouvira na ocasião anterior. Foi um espantoso feito de memória – especialmente porque a “ocasião anterior” ocorrera 16 anos antes.

Memória fotográfica

Uma memória fotográfica como essa chama-se idítica (da palavra grega que significa “o mesmo”). Apenas raras pessoas nascem com memória idítica e ninguém pode ser treinado para tê-la. Há, todavia, sistemas para melhorar a capacidade de recordar que são um tanto eficazes. Mas todas baseiam-se em artifícios (recursos mnemónicos), tais como rimas ou frases simples, para registrar na mente fatos e informações aborrecidos. 

No século passado, uma gramática pretendia facilitar assim a aprendizagem dos advérbios de tempo: “Sempre, nunca, já, agora. Quando, logo, tarde, cedo. Amanhã, jamais, outrora.” Recitar o epitáfio

Que repouse sempre plácido

Ele juntou água ao ácido

O outro, ácido à água

Não sofreu dano nem mágoa

ajudou muitos estudantes de química norte-americanos a recordarem como não provocar uma séria explosão ao diluir ácidos, 

Também recordamos coisas que revolvemos na mente antes de adormecermos, mas talvez o fato mais decepcionante a respeito de aprender seja, contrariando a crença popular, não absorvermos informação enquanto dormimos. Se assim fosse, os que adormecem nas aulas teriam as notas mais altas. 

Como anda a sua memória? Faça o teste e descubra

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados