Você não acha que o sorriso da sua mãe é a coisa mais linda do mundo? Coloque, então, um sorriso no rosto dela com esta seleção especial de histórias engraçadas de Dia das Mães!

Para matricular seu filho na nossa escola, uma mãe preencheu diversos formulários. Com relação à pergunta “Língua falada em casa”, ela respondeu: “Em geral, boa – a menos que eu fique irritada.”

Patricia Drake

Sentindo-se indisposta, minha irmã pegou o termômetro do armário de remédios e o colocou na boca.
– Ah, Julie, este é o termômetro do cachorro – avisou minha mãe.
Julie cuspiu o termômetro.
– Eca, isso esteve na boca do Fitzie?!
Mamãe hesitou um pouco antes de responder:
– Não exatamente.

Janet Gallo

Quando se trata de criar, filhos, acredito em dar e receber. Eu dou ordens e eles as recebem.

Bernie Mac na People

Tenho um filho de 13 anos e uma filha de 1 ano e 7 meses, e no meu trabalho sempre perguntavam a idade dos dois e quando respondia, perguntavam: a menina foi um acidente? Então, um dia, cansada sempre da mesma pergunta, passei a responder que no momento da gravidez eu estava deitada e não andando de automóvel.

Laurena Silva

No caminho para um jantar na casa dos meus pais, olhei para minha filha de 15 anos e perguntei:
– Essa saia não é um pouco curta demais?
Ela revirou os olhos e me deu um daqueles olhares “Ah, mãe”.
Quando chegamos, minha mãe nos recebeu à porta, abraçou minha filha, virou-se para mim e disse:
– Elizabeth! Você não acha que essa blusa é um pouco decotada demais?

Elizabeth Scott

Grávida de nove meses, de gêmeos, dirigi-me ao balcão de carnes do supermercado e comecei a procurar a peça perfeita. O açougueiro apareceu, vindo dos fundos, e perguntou:
– Posso ajudá-la?
– Não, obrigada – respondi. – Só estou dando uma olhada.
Um minuto mais tarde, ele retornou.
– Posso ajudá-la?
– Não, só estou dando uma olhada – repeti.
Alguns minutos depois, ele voltou a aparecer, fazendo a mesma pergunta irritante.
– Só estou olhando – avisei, impaciente.
– Nesse caso – disse ele, delicadamente –, a senhora poderia recuar um pouquinho? Sua barriga está apertando a nossa campainha.

Shirley Kraselsky

Quando nos mudamos para outro estado, minha mulher e eu decidimos dirigir cada um o seu carro. Nathan, nosso filho de 8 anos, perguntou preocupado:
– E como vamos fazer para não nos separarmos?
– Vamos dirigir devagar, aí um carro segue o outro – assegurei.
– Sim, mas e se a gente se separar? – insistiu ele.
– Bem… então acho que nunca mais vamos nos ver de novo – ironizei.
– Então tá, nesse caso eu vou com a mamãe.

James C. Bush

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!