Quando menos se espera as crianças nos presenteiam com um pouco da sabedoria delas. Confira abaixo algumas das melhores frases dos pequenos e divirta-se!

 

Eu conversava pelo Skype com meu neto de 3 anos quando, de repente, ele anunciou:
– Pode sair do computador agora, vovó!

JUNE PEARSON

Um dia, fui tomar conta de meus primos, um de 4 anos, o outro de 5. Eles entraram juntos numa caixa e se jogaram escada abaixo. Depois de muito choro e alguns picolés para alegrá-los, perguntei o que estavam tentando fazer.
– A gente queria se machucar para ganhar picolé – responderam.

reddit.com

Eu: Precisamos providenciar uma colcha nova para você.
Filha de 8 anos: Mas eu adoro minha colcha. Gosto das flores dela.
Eu: Sei disso, mas está velha.
Filha de 8 anos: Papai também, mas não arranjamos um pai novo.

@TINYANDTIRED

Um dia, estava com minha filha Yasmim, de 11 anos, em uma loja de departamentos quando comecei a me sentir mal e me queixei:
– Ai… não estou me sentindo muito bem… Estou com dor de cabeça, deve ser pressão baixa.
Ela então respondeu, muito solícita:
– Mãe, você quer que eu te irrite para a sua pressão subir?

DANIELLE ROSÁRIO SGODA, Colombo (PR)

Hoje de manhã, minha filha de 3 anos deu um ataque porque achou que minha pele era de chocolate e ficou irritada porque não deixei que ela me comesse.

@DADDYDOINWORK

Holden, meu neto de 8 anos, gosta de resolver palavras cruzadas. Uns seis meses atrás, ele foi ao oculista para o exame anual. O médico não entendeu por que Holden não conseguia ler as letras, até que o menino explicou:
– Não estou achando nenhuma palavra aí!

LOIS NOEL

Minha tia voltou do hospital com a nona filha, provocando perguntas empolgadas dos outros filhos.
– O que o médico disse quando ela nasceu? – perguntou um.
– É uma menina! – respondeu minha tia.
– E o que ele disse quando nasci? – perguntou outro.
– É um menino, é claro!
E assim foi com cada criança. Finalmente, uma delas perguntou:
– O que o médico disse quando papai nasceu?
– Não sei – respondeu minha tia. – Teríamos de perguntar à vovó.
– Eu sei – disse com confiança um dos meninos. – É um pai!

KAREN MAENDEL

Anos atrás, eu trabalhava numa remota pousada de pesca no norte de Saskatchewan, no Canadá. Meus três filhos pequenos estavam comigo. O de 3 anos entrou correndo pela porta e quase esbarrou na mesa alta no meio da cozinha, arranhando a orelha na lateral da mesa. Ele parou de repente e começou a chorar e esfregar a orelha.
– O que foi? – perguntei.
– Minha orelha não olhou por onde ia! – gritou ele.

CHERIÈ SCARPINO