Todo mundo conhece pelo menos uma pessoa que tem medo ou até mesmo pânico de voar de avião mas não assume. A maioria dessas pessoas faz questão de fingir que está tudo ótimo antes de entrar no avião. Até que vem uma pequena turbulência e a pessoa já acha que vai bater as botas.

Confira abaixo o relato verdadeiro da humorista Anne Roumanoff e dê algumas boas risadas.

Sempre fico calma  em aviões, extremamente calma. Sempre faço uma oração silenciosa antes da decolagem. “Senhor, proteja este avião e todos os seus passageiros. Que não haja ninguém do Estado Islâmico a bordo, que o copiloto não fique deprimido e que o comandante não saia da cabine para ir ao banheiro. Se houver um problema e se alguém sobreviver, só queria avisar ao Senhor que eu e minha família estamos nas poltronas 12A, 12B e 12C. Obrigada desde já.”

Em altitude elevada, engulo tudo o que põem na minha frente. O controle de calorias some pela janela. Afinal, se aquela for minha última refeição, quero aproveitar ao máximo. É por isso que devoro avidamente uma bandeja morna de frango com gosto de peixe.

Turma da Mônica e Corpo Humano

Assim que há um sacolejo, vasculho o rosto da aeromoça atrás de sinais de pânico, depois olho pela escotilha para ver se a asa não está em chamas.

– Caramba, turbulência sacode mesmo – diz minha filha de 6 anos. – Não está com medo, mamãe?

Respondo com confiança:

– É claro que não, querida. O avião é o meio de transporte mais seguro do mundo. Mamãe está calmíssima.

Quando o avião pousa, minha filha se entusiasma:

– Oba! Pousamos!

– Está vendo? É o meio de transporte mais seguro do mundo. Assim, a partir de agora, quando estivermos voando, faça o favor de ficar tão calma quanto a mamãe.

– Mas, mãe, se estava tão calma, por que você comeu minha comida e fez oito orações?

Por Anne Roumanoff

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!