Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 1 de novembro de 2020

6 notícias boas para restaurar sua fé no mundo

Imagem: arthobbit/iStock

Pode parecer difícil encontrar notícias boas em tempos tão turbulentos quanto este que estamos vivendo agora. Mas, a verdade é que o mundo está repleto de pessoas fazendo coisas boas todos os dias. Confira abaixo 6 notícias que provam que estamos falando a verdade!


1. Redução do desperdício de comida

COMIDA

Todo dia, uma quantidade enorme de alimentos é jogada fora pelos supermercados, que descartam produtos que passaram da data de validade; restaurantes, cafés e padarias descartam refeições e alimentos por motivos semelhantes. Agora, um aplicativo chamado Too Good to Go reduz esse desperdício.

Criado em Copenhague, o aplicativo oferece a usuários de 14 países europeus acesso a produtos seguros dos participantes que ainda não tenham sido vendidos. O preço tem um bom desconto, de cerca de um terço do valor normal.

Lançado em 2016, o Too Good To Go já foi baixado por 22 milhões de pessoas nesses países. Os usuários podem ver que estabelecimentos próximos têm sobra de alimentos naquele dia e podem buscá-los na hora de fechar.

O aplicativo ajuda famílias com restrições orçamentárias, oferece uma estimativa de 100 mil refeições por dia e também ajuda a mitigar a mudança climática. “O desperdício de comida contribui com 8% das emissões globais de gases do efeito estufa”, diz Mette Lykke, presidente executiva da Too Good To Go. “Juntos, podemos combater o desperdício de alimentos e assegurar que produtos de qualidade não acabem no lixo. Nossa missão é um mundo onde a comida produzida seja comida consumida.”

2. Albatrozes rastreiam pesca ilegal

PESCA

Os albatrozes estão sendo usados para encontrar pesca ilegal no Oceano Índico, num estudo de pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa Científica da França (CNRS).

Estima-se que a pesca ilegal custe 19,5 bilhões de euros por ano no mundo inteiro, mas o monitora- mento dos barcos por satélite pode ser lento, caro e pouco preciso.

O grupo equipou 169 albatrozes com sensores que detectam o radar dos barcos. Os sensores podem con- firmar se o transponder do barco, que permite às autoridades rastreá-lo, está ligado. Geralmente, os aparelhos são desligados durante a pesca ilegal.

Henri Weimerskirch, líder da equipe do CNRS, diz que os albatrozes são rastreadores ideais: “Aves grandes, eles percorrem distâncias imensas e são muito atraídos por barcos de pesca.”

Em seis meses, a pesquisa descobriu que cerca de um terço das embarcações detectadas no sul do Oceano Índico não transmitia seu paradeiro. Weimerskirch diz que essa forma barata de vigilância pode complementar o monitoramento por satélite. “Mostramos que é possível”, afirma ele.

3. Robôs conferem os esgotos

ROBÔS

Inspecionar o esgoto é um serviço desagradável. Mas túneis subterrâneos, construídos há muito tempo, precisam de monitoramento constante para prevenir vazamentos graves.

“Lá é úmido, escorregadio e perigoso; há ratos de todos os tipos”, diz Hendrik Kolvenbach. Agora, ele e sua equipe do instituto suíço ETH Zurich projetaram um robô que pode livrar os seres humanos da tarefa.

A máquina de quatro patas, chamada ANYmal, tem três articulações que lhe permitem se deslocar na água e transpor obstáculos. Equipado com laser para mapear espaços tridimensionais, câmera estéreo para o posicionamento e sensores nos pés, o ANYmal arranha as paredes de concreto do esgoto e avalia, com exatidão, onde são necessários consertos.

4. Países se alinham para deixar o carvão no passado

ENERGIA

Áustria e Suécia são os países europeus a abandonar mais recentemente o carvão como fonte de energia; eles se unem à Bélgica, o primeiro a se livrar do carvão em 2016. Portu- gal também dará adeus ao carvão no próximo ano, antecipando a data, cuja previsão era 2023.

Várias outras nações europeias avançam rumo ao futuro sem combustível fóssil. O Reino Unido cumpriu uma etapa durante o isolamento imposto pela Covid-19: pela primeira vez desde o início da Revolução Industrial no século 19, o país passou dois meses sem energia baseada em carvão. Ao lado da França, Eslováquia, Irlanda e Itália, o Reino Unido espera eliminar o carvão em cinco anos. Os Países Baixos, a Finlândia, a Hungria e a Dinamarca planejam dar fim à energia baseada em carvão até 2030.

“Hoje, o carvão está em declínio terminal em toda a Europa”, diz Kathrin Gutmann, do grupo lobista Europe Beyond Coal, sediado no Reino Unido.

5. Rabos de cavalo nas tropas

CABElOS

A Noruega agora permite que os soldados usem rabos de cavalo e tranças sem distinção de gênero. Isso atende às queixas de um oficial; embora as soldadas pudessem prender o cabelo dessa forma, os homens de cabelos compridos tinham de usar coque ou rede.

Na verdade, rabos de cavalo nas forças armadas não têm nada de novo. Entre soldados e marinheiros de toda a Europa era comum exibir um rabo de cavalo curto até o início do século 19.

6. Avó cadeirante usa Lego para facilitar as compras

HERÓIS

Incapacitada por um acidente de automóvel ocorrido há 25 anos, Rita Ebel se irritava havia muito tempo com o número de lojas e cafés inacessíveis para cadeirantes. No ano passado, a avó de 62 anos, de Hanau, na Alemanha, encontrou uma solução simples: construir rampas de Lego.

Com a ajuda do marido, Ebel construiu dúzias de rampas de Lego sob medida para a entrada das lojas, encaixando centenas de tijolinhos plásticos coloridos. “Estou tentando sensibilizar um pouco o mundo para a locomoção sem barreiras”, explica Ebel. “De repente, qualquer um pode acabar numa cadeira de rodas, como aconteceu comigo.”

“É uma ideia brilhante”, diz Malika El Harti, que tem uma das rampas de Rita instalada na entrada de seu salão de cabeleireiro. “Dá para ver de longe que aqui se pode entrar sem nenhum problema.”

COMPILADO POR JAMES HADLEY

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados