Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 2 de maio de 2019

Saída do inferno de uma prisão iraniana, Azam Qarai encontra forças para ajudar outros

A vida após oito anos sob tortura em prisão iraniana

Imagem: SVT Nyheter

“Conheci um rapaz na Internet e ele ameaça contar aos meus pais que nos falamos. Se os meus pais descobrirem, podem me matar”, gritava a adolescente, com medo na voz.

Nesta manhã de verão de 2013, Azam Qarai, de 50 anos, põe calmamente as mãos sobre as da menina, que tremem sobre a mesa.

“Isto não é culpa sua, Adriana”, murmura. “Você tem o direito de falar com quem quiser. Não está certo ter de sentir medo dos seus pais. Mas por favor, acredita em mim, eles não te odeiam. Os teus pais cresceram com esses valores, e você não está só. Aqui você está em segurança. Vamos te ajudar.”

Azam Qarai é gestora de operações na Linnamottagningen, uma rede em Estocolmo que todos os anos apoia mais de 100 crianças e jovens com problemas derivados de violência e ameaças relacionadas com honra.

Leia mais: a catadora de lixo que ganhou o “Nobel Verde”

Quando chegou à Suécia em 1992, Azam Qarai inspirou profundamente no aeroporto. Sentiu-se livre pela primeira vez em muitos anos. Para trás ficavam oito anos de verdadeiro inferno, aprisionada no seu país natal, o Irão. Aos 18, em Teerão, a polícia apanhou-a com um manifesto de um partido de esquerda crítico do regime.

“A caminho da prisão, sentada no carro da polícia, olhei para as árvores pela janela”, recorda. “Estava convencida de que não voltaria a vê-las.”

Leia mais: a catadora de lixo que ganhou o “Nobel Verde”

Azam não teve julgamento. Em vez disso, o que se seguiu foram oito anos de tortura. “Era um puro inferno”, diz. Alguns dias na prisão deixaram uma impressão mais forte do que outros na sua memória. “Sabíamos que os que eram chamados para interrogatório ao almoço de quarta-feira não voltavam. Quarta-feira era dia de execuções e contávamos os tiros para saber quantas pessoas desapareciam nesse dia.”

Oito anos depois, Azam foi subitamente libertada. “Provavelmente pensaram que aqueles de nós que tinham sobrevivido estavam demasiado quebrados mentalmente para serem uma ameaça.” Com a ajuda de contrabandistas fugiu para a Suécia, onde vivia uma das suas irmãs.

“Elas não recebem o amor que eu recebi em casa, um amor que me enriqueceu e fortaleceu”

Com o apoio da irmã fez a sua caminhada de regresso à vida pouco a pouco. Estudar sueco foi o primeiro passo em direção à liberdade, depois arranjou as habilitações necessárias para a universidade e se formou em Estudos Sociais. Azam descobriu que agora tinha bastantes oportunidades e queria fazer o bem no seu novo país.

Em 1994, envolveu-se num pequeno projeto social que dava apoio psicossocial a jovens imigrantes com problemas familiares. “Quando conheci jovens mulheres que me disseram como eram tratadas em casa, senti que tinha de as ajudar. Elas não recebem o amor que eu recebi em casa, um amor que me enriqueceu e fortaleceu. Mas também, depois dos meus anos na prisão, eu sei o que é estar traumatizada.”

O pequeno projeto social cresceu e tornou-se uma grande rede para jovens de ambos os sexos. Nesta manhã de verão, no escritório de Azam, as mãos de Adriana pararam de tremer. A jovem olha para o rosto da mulher de cabelo curto à sua frente: “Tem razão”, diz. “Confio em você.”

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados