Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Artigo exclusivo para assinantes!
Cadastre-se para continuar lendo!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 28 de agosto de 2020

Celebrate your difference

Comemore sua diferença

Imagem: Youngoldman/ Istock

Ouça nosso audiocast e treine seu inglês enquanto confere uma história inspiradora sobre diferenças!


How to turn prejudice into pride

Celebrate your difference

By Damian Tarnopolsky 

Kelly Groh is different from his colleagues at the Regional Municipality of Waterloo, but in a way that’s not always obvious. All his life, Groh has been sensitive to noise and bright lights and has a hard time processing non-verbal cues. The reason for this only became clear seven years ago, when he was finally diagnosed with Asperger’s syndrome.

The 50-year-old systems analyst’s excellent memory and talent for processing complex data make him well suited to his job, and he managed well enough with office interactions after he began with the municipality 11 years ago—until the fall of 2011, when he returned from an extended medical leave.

During his first week back, confusion over a work task eventually led to two of his superiors finding him in his office with the lights off and his head between his knees. From Groh’s point of view, the ensuing conversation didn’t go well because his colleagues weren’t sensitive to his disability. “I can’t read people,” he explains, “so it’s hard for me to see if someone’s misunderstanding me.” The encounter escalated to Groh feeling trapped in the room and calling the police.

Finding ourselves in an environment where we’re not fully understood, or are unique in some way, can be uncomfortable and may result in feelings of shame or insecurity. However, by accepting our singularity and even turning it into an advantage, finding pride in difference is possible.

Accept yourself

When standing out from the group causes difficulty, it can be natural to think there’s something wrong with you. Leonard Felder, a psychologist and the author of Fitting in Is Overrated, learned this first-hand when his mother was diagnosed with cancer when he was 10.

“My family members told me it was considered strong to keep emotions inside,” he says, noting that this opinion that men and boys should be stoic was even more ingrained in the 1960s than it is now. Ultimately, he found himself unable to fit that mould— something he’s now thankful for because accepting himself as a sensitive child helped him later to become a compassionate therapist.

In his practice, Felder helps people see their divergence as an opportunity. “Instead of assuming your differences will be a hardship or a dead end, you can explore the ways they bring added insight,” he says.

Felder often shares the story of investment pioneer Charles Schwab. An undiagnosed dyslexic for most of his life, Schwab was embarrassed by his inability to write and think as others did. “Yet once he stopped judging himself for being different and started honouring his unique way of acquiring information and sorting it out in a more visual way, he flourished as an innovative thinker.”

For people who are struggling with their difference, Felder says seeking stories of someone who shares that quality and has turned it into a source of strength can help you do the same.

Find support

Growing up in England with Sri Lankan heritage, Devi Clark often visibly stood out from those around her. When she was 10, a friend even commented on her difference: “She said, ‘Before we met, I never thought I’d be friends with anyone brown.’” Although Clark now thinks her friend was admitting an error in her own assumptions, what Clark heard then was a rejection.

Part of her path to finding pride in nonconformity was founding the Outsiders’ Network in 2014, an online hub where anyone who feels they don’t belong can read stories and share their own. In a podcast, Clark notes that there are a lot of niche groups for particular kinds of outsiders—from those with mental health issues to those in a racial minority—but it’s useful to band together. “There are common experiences across all these groups with being stereotyped and misunderstood and wanting to be accepted,” she says.

Social psychological studies have shown that feeling rejected from a group triggers the same reaction from our brains as being physically injured, so a place for rest and recuperation can be essential. Or, as Felder puts it, “Make sure you have at least one other person know your truth and appreci­ate the journey you are on.”

Challenge others

In some cases, individuals who are dif­ferent must stand up for themselves in a more formal way. According to Gary Malkowski, Canada’s first Deaf parlia­mentarian and a current vice president at the Canadian Hearing Society, one of the challenges faced by people with dis­ abilities in the workplace is a lack of awareness. “Racism, sexism and ageism are all familiar terms. Not nearly as well known is the term ‘ableism,’” he says.

That gap in awareness has conse­quences: three years ago, the Canadian Human Rights Commission reported that between 2009 and 2013, nearly half of all the 41,728 human rights com­ plaints were filed on the ground of dis­ ability. In the case of deaf persons, the stigma and lack of accommodations related to their disability resulted in a 40 percent unemployment rate in 2015, according to a Canadian Association of the Deaf survey.

¿Querer es poder?

But challenging discriminatory attitudes is not something that can necessarily be done alone. “It may be more effective to seek legal redress, go through HR departments, contact an advocacy group for referral and assist­ance, or seek support from a legal com­ munity clinic or a Human Rights Legal Support Centre,” suggests Malkowski.

In Kelly Groh’s case, his experience eventually led him to file a case with the Human Rights Tribunal, where he testified that his coordinator wouldn’t allow him to take a washroom break during their conflict and felt that he was blocked from leaving his office. Given his disability, he believed the treatment wasn’t right—and after a legal process that lasted five years, the tribunal agreed. Groh was awarded compensation, but more importantly, his employer voluntarily began edu­cating staff about his disability to avoid similar situations in the future.

“In the long term, everyone will benefit,” says Groh. “I want organiza­tions to realize that people like me have something to offer.”


Tradução..

Como transformar preconceito em orgulho

Comemore sua diferença

Damian Tarnopolsky 

Kelly Groh é diferente de seus colegas da Municipalidade Regional de Waterloo, mas de uma maneira que nem sempre é evidente. Groh, durante toda a vida, foi sensível a barulhos e cores fortes, além de ter dificuldade de processar pistas não verbais. O motivo disso somente foi esclarecido sete anos atrás, quando ele finalmente recebeu o diagnóstico de síndrome de Asperger.

A excelente memória e o talento para processar informações complexas deste analista de sistemas de 50 anos tornou-o ideal para seu emprego, e ele conseguiu lidar suficientemente bem com as interações pessoais no escritório depois que começou a trabalhar na municipalidade há 11 anos – até o outono de 2011, quando ele voltou de uma licença médica prolongada.

Durante a primeira semana após a licença, uma confusão por causa de uma tarefa no trabalho acabou levando dois de seus superiores a encontrá-lo em seu escritório com as luzes apagadas e a cabeça entre os joelhos. De acordo com Groh, a conversa que se seguiu não foi boa, porque os colegas não foram sensíveis à sua deficiência. “Não consigo decifrar as expressões das pessoas”, explica ele, “portanto é difícil saber quando ocorre um mal-entendido.” A reunião resultou em Groh se sentindo encurralado e chamando a polícia.

Estar em um ambiente onde não somos completamente compreendidos, ou que seja peculiar de alguma forma, pode ser desconfortável e resultar em sensações de vergonha ou insegurança. No entanto, ao aceitarmos nossa singularidade e até a transformarmos em vantagem, é possível sentir orgulho das diferenças.

Aceite-se do jeito que é

Quando o fato de se destacar do grupo causa dificuldades, pode ser natural pensar que há algo de errado com você. Leonard Felder, psicólogo e autor de Fitting in Is Overrated, aprendeu, em primeira mão, sobre a supervalorização dos padrões sociais quando sua mãe recebeu o diagnóstico de câncer quando ele tinha 10 anos.

“Minha família me disse que manter as emoções para si era sinal de fortaleza”, diz ele, observando que o conceito de que meninos e homens devem ser estoicos era ainda mais arraigada nos anos 1960 do que agora. Por fim, ele sentiu que não conseguiria se encaixar naquele molde – algo pelo qual ele hoje agradece porque aceitar-se como uma criança sensível ajudou-o a mais tarde se tornar um terapeuta compassível.

Em sua prática, Felder ajuda as pessoas a verem suas divergências como oportunidade. “Em vez de considerar suas diferenças um sofrimento ou um beco sem saída, você pode explorar maneiras pelas quais elas lhe trazem novas descobertas”, sugere ele.

Felder frequentemente conta a história do pioneiro dos investimentos Charles Schwab. Sem ter recebido o diagnóstico de dislexia durante a maior parte de sua vida, Schwab sentia-se constrangido por sua inabilidade de escrever e pensar como as outras pessoas. “No entanto, uma vez que ele parou de julgar a si próprio por ser diferente e começou a honrar seu jeito único de adquirir informação e processá-la de maneira visual, ele floresceu como um pensador inovador.”

Para quem luta com suas diferenças, Felder diz que ir atrás de histórias de pessoas que transformaram essa mesma qualidade em uma fonte de força pode ajudá-lo a fazer o mesmo.

Procure apoio

Devi Clark, que cresceu na Inglaterra com suas raízes no Sri Lanka, visivelmente se destacava das pessoas ao seu redor. Quando tinha 10 anos, uma amiga chegou a comentar sobre suas características: “Ela disse: ‘Antes de nos conhecermos, jamais pensei em ser amiga de alguém com a pele marrom.’” Apesar de Clark hoje achar que a amiga estava admitindo uma falha de suas próprias convicções, o que ela sentiu na época foi rejeição.

Parte de sua trajetória em encontrar orgulho na não conformidade foi fundar, em 2014, a Outsiders’ Network (Rede de Estranhos), uma plataforma online onde qualquer um que se sinta deslocado pode ler histórias e compartilhar a sua própria. Clark observa, em um podcast, que existem muitos nichos para determinados tipos de “estranhos” – desde aqueles com problemas mentais àqueles em uma minoria racial – mas faz bem pertencer a um grupo. “Todos esses grupos partilham experiências comuns de estereótipos, incompreensão e desejo de ser aceito”, afirma ela.

Estudos psicossociais demonstraram que se sentir rejeitado por um grupo desencadeia a mesma reação no cérebro de uma lesão física, então pode ser essencial um local para descanso e recuperação. Ou, como Felder coloca, “Certifique-se de ter pelo menos alguém que conheça a sua verdade e aprecie a sua jornada.”

Desafie outras pessoas

Em alguns casos, indivíduos que são diferentes devem lutar por si próprios de maneira mais formal. De acordo com Gary Malkowski, primeiro parlamentar canadense surdo e atual vice-presidente da Sociedade Canadense da Audição, um dos desafios enfrentados no ambiente de trabalho pelas pessoas com deficiência é a falta de informação. “Racismo, sexismo e discriminação etária são termos familiares. Longe de ser conhecido é o termo ‘capacitismo’”, diz ele.

A lacuna deixada pela falta de conhecimento tem consequências: três anos atrás, a Comissão de Direitos Humanos do Canadá reportou que, entre 2009 e 2013, quase metade de todas as 41.728 denúncias relacionadas a direitos humanos tiveram sua base em alguma incapacidade.

No caso das pessoas com deficiência auditiva, o estigma e a falta de acolhimento resultaram em uma taxa de 40% de desemprego em 2015, de acordo com uma pesquisa da Associação Canadense dos Surdos.

Mas desafiar atitudes discriminatórias não é algo que necessariamente deva ser feito sozinho. “Pode ser mais efetivo buscar reparação legal, envolver o departamento de RH, contatar um grupo de defesa para encaminhamento e assistência, ou procurar apoio de um escritório jurídico comunitário ou de um Centro de Direitos Humanos e Apoio Jurídico”, sugere Malkowski.

How to make big decisions

No caso de Kelly Groh, a experiência pela qual ele passou o levou a entrar com um processo no Tribunal de Direitos Humanos, onde ele testemunhou que seu coordenador não permitiu que ele fosse ao banheiro durante o conflito e sentiu que impediam sua saída do escritório.

Por conta de sua deficiência, ele acreditou que o tratamento não foi correto – e após o processo legal que durou cinco anos, a corte concordou. Groh recebeu indenização, porém, o mais importante, seu empregador começou voluntariamente a educar os funcionários sobre sua deficiência a fim de evitar situações semelhantes no futuro.

“No longo prazo, todo mundo vai se beneficiar”, diz Groh. “Quero que as empresas entendam que pessoas como eu têm algo a oferecer.”

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados