Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Artigo exclusivo para assinantes!
Cadastre-se para continuar lendo!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 3 de fevereiro de 2021

Estresse e infertilidade: existe uma relação entre os dois?

Estudo revela que mulheres estressadas têm 29% menos probabilidade de engravidar se comparadas às demais.

Imagem: iStock

Você está tentando engravidar, mas até agora não obteve sucesso? Pois saiba que uma das razões para a infertilidade pode ser o estresse. Isso é o que revelou uma pesquisa publicada no final de 2020 no The Journal of Neuroscience.

O estudo foi realizado na Universidade de Otago, na Nova Zelândia, tendo a frente o professor Greg Anderson.

O que revelou o estudo?

Imagem: Irina Shatilova/iStock

Realizado por meio de testes laboratoriais, os cientistas descobriram que as células nervosas localizadas perto da base do cérebro (os neurônios RFRP) tornam-se mais ativos em situações estressantes. E assim, suprimem o sistema reprodutivo, sobretudo nas mulheres, dificultando a gestação.

Para chegar ao resultado, os cientistas monitoraram a atividade das células RFRP por meio de técnicas transgênicas de ponta. E viram que quando elas aumentavam, os hormônios reprodutivos eram suprimidos. De maneira semelhante ao que acontece durante o estresse, ou durante a exposição ao cortisol, o hormônio do estresse.

O professor Greg Anderson já pesquisa o papel dos neurônios RFRP no controle da fertilidade em mamíferos há mais de uma década, buscando compreender se esses neurônios podem ser de fato os causadores da queda da fertilidade durante períodos de estresse crônico

“Agora mostramos que os neurônios RFRP são de fato o elo perdido entre o estresse e a infertilidade. Eles se tornam ativos em situações estressantes – talvez por sentir os níveis crescentes de cortisol – e então suprimem o sistema reprodutivo”, apontaram os pesquisadores.

Futuras pesquisas pretendem estudar bloqueadores de RFRP

remedios para emagrecer
Imagem: AndreaObzerova/iStock

Com os resultados dessa pesquisa, o próximo passo agora será elaborar estudos focados na produção de drogas inibidoras da ação dos neurônios RFRP. E assim, verificar a possibilidade de evitar a infertilidade induzida pelo estresse.

Essa pode ser vir a tornar-se mais uma terapia para mulheres que lutam contra a infertilidade e têm dificuldades na gestação. 

Atualmente, pesquisadores de todo o mundo se debruçam na relação entre estresse e infertilidade. Anos atrás, um estudo feito por cientistas norte-americanos já apontava essa relação.

“O estudo norte-americano apontou que o estresse pode dobrar o risco de infertilidade nas mulheres. Ele foi publicado na revista Human Reproduction e realizado com mulheres com idade entre 18 e 40 anos, que não tinham problemas conhecidos de infertilidade, e haviam começado a tentar engravidar, mas que não obtiveram sucesso após 12 meses. Eles mediram os níveis de alfa-amilase, uma enzima na saliva que indica estresse”, aponta Arnaldo Cambiaghiespecialista em ginecologia e obstetrícia com certificado de atuação na área de reprodução assistida e responsável técnico do Centro de Reprodução Humana do IPGO.

Como controlar o estresse e não prejudicar a infertilidade?

yoga para aliviar dores nas costas
Imagem: stefanamer/iStock

De acordo com Arnaldo Cambiaghi, mulheres com altos níveis de estresse têm 29% menos probabilidade de engravidar se comparadas às demais. Desse modo, é importante buscar alternativas saudáveis e seguras para controle do estresse. 

A prática de yoga, por exemplo, pode ser uma aliada. Além trazer diversos benefícios para o corpo também traz para a mente, reduzindo o estresse, a ansiedade e até mesmo a depressão. 

“O conselho dos cientistas, da primeira pesquisa, e que serve para agora, enquanto não temos uma forma medicamentosa segura de conter o estresse, foi muito simples: que as mulheres conseguissem de 20 a 30 minutos no dia a dia para fazer algo simples, como caminhar ou mesmo praticar ioga ou meditação, para relaxar”, finaliza o médico.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados