Faça uma busca
Saúde & Bem-estar

Aids: esclareça suas dúvidas sobre a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida

Você sabe o que é a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida? Entenda as diferenças entre Aids/Sida e HIV. Saiba como prevenir, formas de transmissão e os tratamentos disponíveis.

Escrito por:

Thaynara Firmiano

Redator
Descubra tudo que você precisa saber sobre a infecção pelo vírus HIV e seu desenvolvimento para Aids.
Vasyl Dolmatov/iStock
Publicado em: Última atualização:

A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida, mais conhecida como Aids, ou Sida, é o último estágio da infecção por HIV. Quando o tratamento não é realizado, ou feito de maneira incorreta, pode acarretar na queda drástica dos linfócitos. Uma diminuição drástica dessas células de defesa do organismo que chegue a menos de 200/µL leva ao diagnóstico da Aids. 

Leia também: Adultos também podem desenvolver Síndrome Inflamatória Multissistêmica ligada à Covid-19

HIV e Aids, qual a diferença?

Uma pessoa pode viver anos e anos com o vírus do HIV, sem maiores complicações e sem desenvolver a Aids. Isso porque hoje em dia os medicamentos antirretrovirais são extremamente eficientes e contribuem para que o soropositivo tenha uma vida normal. 

Em caso do tratamentos feitos de forma errada ou não realizado, as chances da infecção se desenvolver são grandes. Com a Aids, as chamadas infecções oportunistas tendem a se tornar mais frequentes e perigosas. Logo, o sistema imune pode ficar extremamente fragilizado, o que possibilita que até mesmo bactérias comuns ao organismo possam causar maiores problemas.

Formas de transmissão

Entenda a diferença entre Aids e HIV e sabia quais são as formas de transmissão.
(Imagem: Nito100/iStock)

O HIV é uma IST (infecção sexualmente transmissível), o que torna o sexo sem camisinha a maior forma de transmissão da doença. No entanto, o sexo sem proteção não é o único modo de se infectar pelo vírus. O contato com secreções e sangue infectados, compartilhamento de agulhas, corte por meio de materiais perfuro-cortantes infectados também são formas de infecção por HIV. 

Outra forma de transmissão do vírus HIV é a transmissão vertical. Ela se dá através do contato do bebê com o sangue ou mucosas infectadas da mãe portadora do vírus. Essa infecção pode acontecer durante a gestação, no parto ou no aleitamento. 

Diagnóstico e prevenção

O diagnóstico da doença acontece por meio do teste de sorologia, que pode ser realizado pelo SUS. Há também testes rápidos, cujo resultado fica pronto em 30 minutos. É possível saber onde fazer o teste através do Disque Saúde (136).

No caso de gestantes que testam positivo para o HIV, existe 99% de chance de a criança nascer sem ser infectada. Para isso, é necessário realizar o tratamento com os medicamentos antirretrovirais durante a gestação. Desse modo, os antirretrovirais não só funcionam como um tratamento para as mães, mas como prevenção para os bebês.

Saiba mais sobre o diagnóstico e a prevenção da infecção pelo vírus do HIV e da Aids; entenda a importância do tratamento.
(Imagem: klebercordeiro/iStock)

Leia também: Saiba tudo sobre Doença Fibrocística da Mama

As formas de prevenção do HIV são simples. Utilizar proteção durante as relações sexuais, mesmo em sexo oral. Em sexo com penetração, fazer uso de lubrificantes à base de água para diminuir o risco do rompimento da camisinha. Além do não compartilhamento de seringas e/ou outros materiais perfuro-cortantes.

Para a prevenção da infecção vertical, é necessário bem mais que o uso dos medicamentos antirretrovirais. É imprescindível que o parto seja uma cesariana e que a mãe seja instruída com relação à amamentação. A criança não pode ser amamentada com o leite da mãe infectada. 

A importância do tratamento

O tratamento do HIV se efetua através do uso de um coquetel de medicamentos antirretrovirais. Durante o tratamento, é muito importante fazer um acompanhamento para saber a carga viral, que ao chegar em indetectável, possibilita ao paciente uma vida saudável. 

Leia também: Mistério médico: sintomas estranhos

Como dissemos anteriormente, as consequências são graves quando o tratamento não ocorre. Após o avanço da infecção para a Aids, o paciente soropositivo pode desenvolver doenças cardíacas e patologias cerebrais, como demência e encefalopatia. Outra consequência comum é a síndrome consumptiva, que causa diarreia crônica e perda de peso. 

Atenção:

Para ter o diagnóstico correto dos seus sintomas e fazer um tratamento eficaz e seguro, procure orientações de um médico.

Siga nossos perfis no FacebookInstagram e Pinterest para ficar por dentro das novidades.