Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 19 de dezembro de 2018

Como evitar problemas causados por calçados

Quase 80% das pessoas com 75 anos ou mais têm problemas nos pés, e calçados inadequados são a causa principal.

Imagem: EKramar/iStock

Nossos pés são a base estrutural do corpo e, além do peso, sustentam nosso bem-estar. Até pequenos problemas nos pés, se não tiverem tempo de sarar, podem provocar deficiência contínua e estilo de vida inativo (com os riscos a ele associados), além de quedas e lesões.

Mas estudos indicam que pelo menos metade da população danifica essas âncoras da saúde com calçados inadequados. Sapatos demasiadamente estreitos ou apertados provocam calos e joanetes. Outra característica básica da moda feminina, o salto alto, está associada a calos, bolhas e unhas encravadas. O melhor é reservá-lo para ocasiões especiais e optar por saltos mais largos ou anabela em vez de salto agulha.

Já os calçados de bico fino apertam os dedos e podem forçá-los a se dobrarem em vez de ficarem planos. Isso provoca os dedos em martelo, deformidade de um ou mais dedos menores que torna o movimento doloroso ou difícil.

Leia também: 7 dicas de podólogos para cuidar melhor dos seus pés

O verão traz outro problema: o excesso de uso de chinelos de dedo ou sandálias moles demais. Essas sandálias protegem os pés da areia quente da praia e de verrugas e micoses na piscina, mas não são adequadas para usar o dia inteiro. Não oferecem estabilidade aos tornozelos e aumentam a probabilidade de entorses. Também não dão apoio aos arcos, o que aumenta o risco de fascite plantar, a inflamação dolorosa da faixa de tecido que se estende dos calcanhares aos dedos.

Os diabéticos devem ter ainda mais atenção à escolha do calçado. Sua probabilidade de sofrer de má circulação nas extremidades é maior, e a cura de qualquer lesão fica lenta e complicada. Eles também são suscetíveis a lesões dos nervos que os impedem de sentir dor antes que um problema nos pés se torne grave.

Como reconhecer calçados bons para os pés? Eles são confortáveis, sem nenhuma pressão sobre as articulações, sem apertar os lados e sem deixar que o calcanhar escorregue.

“Devem ser largos, ter espaço na ponteira para os dedos, ser de material que respire, como couro ou lona, e o salto não deve exceder 2,5 centímetros”, diz Emma McConnachie, que trabalha no Colégio de Podiatria em Londres. “Sapatos de cadarço que cheguem ao meio do pé oferecem o melhor tipo de sustentação.” Na dúvida, peça orientação a um ortopedista.

POR SAMANTHA RIDEOUT

Teste seu qi médico

Antes de ir embora, que tal pôr à prova o seu conhecimento médico? Basta completar a frase abaixo corretamente!

[wp_quiz id=”23668″]

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados