A todo momento, cientistas fazem descobertas ao redor do planeta. Confira algumas novidades da medicina:

Manter-se em forma

Pesquisadores da Dinamarca registraram os marcadores inflamatórios de mais de 11 mil voluntários. (A inflamação contribui para doenças cardíacas, cânceres e diabetes tipo 2.) Participantes com melhor função cardíaca e pulmonar, medida com um teste de exercícios, tinham maior probabilidade de ter menos inflamações e menos gordura concentrada na cintura (sintoma de transtorno metabólico), mesmo sendo obesos.

Isso indica que, embora o excesso de peso e a má forma física geralmente andem juntos, exercícios regulares podem melhorar a saúde metabólica, não importando quantos quilos se percam no processo.

Saiba mais: Síndrome metabólica: eliminar o estresse salva vidas

Lista que facilita o sono

Há duas escolas de pensamento sobre listar afazeres na hora de dormir. Uma delas diz que isso ajuda a descarregar as preocupações com tarefas inacabadas e adormecer. A outra sugere que isso faz a pessoa se concentrar mais nos deveres iminentes, o que mantém a mente ocupada e desperta.

Para resolver a questão, neurocientistas do Texas realizaram uma experiência num laboratório do sono, com um grupo de controle cujos participantes fizeram uma lista de tarefas terminadas em vez de tarefas futuras. Em média, os participantes que registraram o que tinham a fazer adormeceram mais depressa.

Problemas no oceano

O nível de poluição oceânica traz riscos à saúde dos nadadores, segundo uma revisão sistemática de estudos de países como Austrália, Reino Unido, EUA e Noruega. Dores de ouvido e de barriga e diarreia foram mais comuns nos que nadavam no mar.

Como não costumam ser graves, talvez valha a pena pesar o risco desses problemas em relação ao benefício de praticar exercícios, divertir-se, ficar ao ar livre e sentir a conexão com a natureza.

Por Samantha Rideout