Os benefícios do exercício físico são muitos, principalmente para quem tem diabetes. Junto com uma boa dieta, as atividades físicas podem ajudar a controlar essa condição. Há duas formas principais de diabetes. A do tipo 1, doença autoimune chamada diabetes insulinodependente, pode surgir em qualquer idade. Mas, costuma ser diagnosticada antes dos 16. Seu portador precisa de injeções de insulina pelo resto da vida, por caneta ou bomba.

O tipo 2 costuma se desenvolver em adultos e ser controlada por medicação. O controle também pode acontecer por meio da combinação de remédios, dieta e exercícios. O exercício aeróbico regular e o treino com peso oferecem benefícios de longo prazo aos dois tipos. Entretanto, a curto prazo, qualquer exercício pode complicar o controle do tipo 1. Assim, vá devagar no início. Na dúvida, conheça mais profundamente a diferença entre um tipo e outro.

Comece com aeróbica. Escolha uma atividade fácil de incorporar ao seu estilo de vida. Inicie com 5 minutos diários e, conforme a aptidão física melhore, devagar, aumente as sessões para um total de 20-30 minutos, 3-5 vezes na semana. Depois, leve em conta as orientações a seguir, dependendo do tipo de diabetes.

Os benefícios do exercício físico

Diabetes Tipo 1

  • Se usar insulina, é vital buscar orientação médica antes de começar a se exercitar. Essa medida é importante, pois a atividade pode abaixar logo os níveis de glicose no sangue.
  • Adotar um programa de exercício pode exigir a redução da dose usual de insulina. Pergunte ao médico a respeito e como cronometrar o exercício após a injeção.
  • Não aplique insulina nem perto nem em nenhum músculo a ser trabalhado durante a atividade física. Caso contrário, pode alterar o efeito da insulina. Existem vários tipos de insulina, veja quais.
  • Monitore o nível de glicose antes, depois e, se necessário, durante o exercício. Dependendo de como reagir às atividades, é possível que você precise ingerir carboidrato extra. As melhores opções são bebidas energéticas ou tabletes de glicose, de absorção imediata.
  • Uma queda súbita nos níveis de glicose pode levar à hipoglicemia. Os sintomas incluem tremedeira, suor, visão borrada e fala arrastada. O açúcar extra, na forma de tabletes de glicose, cubos de açúcar ou balas de gomas, costuma proporcionar alívio. Mas em casos graves a pessoa talvez perca a consciência e demande tratamento emergencial. Para entender melhor os sintomas do diabetes, clique aqui.

Carregue sempre uma identificação de diabético e um carboidrato extra. Garanta que as pessoas a seu lado saibam o que fazer numa emergência. Muitos diabéticos são tratados com glucagon. Esse hormônio eleva a glicose e desperta um pessoa inconsciente. Deve ser ministrado por alguém treinado para seu uso, em geral um familiar.

Diabetes Tipo 2

  • Também é importante buscar orientação médica caso você tenha diabetes tipo 2 e esteja tomando medicação. Embora não corra tanto risco de uma hipoglicemia, junto com certos remédios orais o exercício pode baixar a glicose no sangue a níveis perigosos.
  • Tente se exercitar quando os níveis de glicose no sangue estiverem no máximo. Em geral, isso ocorre 2 horas após uma refeição. Agende a próxima refeição ou lanche para logo após um exercício vigoroso. Monitore esses níveis antes e depois do exercício. Se persistirem baixos, fale com seu médico sobre um ajuste na dosagem da medicação.
  • Se estiver controlando o diabetes sem medicação, não há risco de hipoglicemia. Assim, não é preciso tomar precauções ao se exercitar. Entretanto, ainda é recomendável consultar seu médico e um nutricionista para garantir uma dieta adequada.
  • Pesquisas provam que incluir treino com peso nos exercícios pode favorecer o controle do diabetes tipo 2 e trazer outros benefícios relevantes. Isso melhora muito o controle glicêmico e a sensibilidade à insulina e auxilia na composição corporal. Além disso, aumenta a massa muscular à custa de gordura. Isso é vital, já que as pessoas com diabetes tipo 2 perdem músculo muito mais rápido do que as demais.

Antes de inciar seus exercícios, fique alerta aos seus limites. É importante que você conheça o seu corpo e até onde pode ir. Além disso, procure o seu médico e busque as orientações específicas para o seu caso. Dessa forma, você aproveitará as atividades da melhor forma possível e se beneficiará delas.