Quando o assunto é coronavírus, aprender a separar o que é fato de ficção é mais do que uma questão de bom senso, é também de saúde. Por isso, nós perguntamos a especialistas sobre os mitos mais comuns acerca do surto global de coronavírus, para que eles nos ajudem a desmistificar a quantidade de fake news que tem circulado sobre o assunto.

Mapa do coronavírus no mundo

O Covid-19 têm se espalhado rapidamente em diversos países e territórios do mundo. Até agora, mais de 2.6 milhões de pessoas já foram infectadas, e mais de 180.000 morreram na pandemia.

No Brasil, o número de mortes já ultrapassou 7.000 e a quantidade de infectados segue crescendo. Para acompanhar o número de casos em tempo real, você pode acessar esta ferramenta desenvolvida pela Microsoft.

“Não há alguma parcela da população que seja imune. E isso significa que qualquer um pode ser suscetível ao vírus”, explica a doutora Alexea Gaffney-Adams, especialista em doenças infectuosas. “Também pouco se sabe até agora sobre quanto tempo pacientes assintomáticos são contagiosos, o que faz com que a infecção seja ainda mais difícil de conter”.

Há muitas mensagens contraditórias e bastante falácias em torno dos porquês da Covid-19. Por isso, confira agora quais mitos sobre coronavírus que você deve parar de acreditar!

13 mitos sobre o Covid-19 que você deveria parar de acreditar:

grejak/iStock

Mito: testes feitos em farmácia são efetivos

Alguns países já estão disponibilizando testes realizados em farmácias para averiguar a presença do coronavírus. Entretanto, essa opção ainda está muito incipiente no Brasil, e a Anvisa informou que os resultados negativos não excluem totalmente a infecção por Sars-Cov-2 e resultados positivos não devem ser utilizados como evidência absoluta de infecção, devendo ser interpretados por um profissional de saúde.

Por isso, é preciso ter cautela. 

Veja aqui como os testes funcionam e quanto custam. 


BogdanVj/iStock

Mito: você pode pegar coronavírus por meio de suas encomendas

Isso é muito improvável.

“Se você lavar suas mãos antes e depois de pegar sua encomenda, você estará se protegendo”, diz o Dr. Adirim. “O coronavírus sobrevive no papelão por até 24 horas e em superfícies de plástico ou metal por até três dias.”

Por isso, você não precisa parar de fazer compras pela internet por medo de se contaminar. É só manter a higienização adequada das mãos.


Bigpra/iStock

Mito: as máscara nos protegem completamente do coronavírus

Essa questão não é tão simples.

E isso porque as máscaras protegem principalmente os outros das gotículas de sua respiração, e não o contrário. Recentemente, o Ministério da Saúde recomendou o uso de máscaras feitas em casa quando as medidas de distanciamento social forem difíceis de evitar (como ir ao mercado ou à farmácia, por exemplo).

Embora não seja uma máscara N95, melhor opção para proteger de vírus e bactérias, as máscaras ajudam a reduzir a exposição às gotículas. 

Aqui você pode conferir como produzir sua máscara de pano em casa.


appledesign/iStock

Mito: Coronavírus é o vírus mais perigoso e letal

Falso.

Mais de 80% dos infectados irão se recuperar. Isso é o que afirma a doutora Len Horovitz, de Nova York.

“Nem todo paciente precisa ir para o hospital também. Muitos se recuperam em casa”, diz.

Falta de ar ou desidratação severa são as principais razões para procurar ajuda médica.

App ‘Coronavírus – SUS’ tira dúvidas e ajuda no diagnóstico; saiba como usar