Alguns casais administram o lar com as contas bancárias separadas. Já outros, encerram suas contas individuais quando se casam e passam a viver com uma única conta conjunta. Outros ainda usam uma abordagem híbrida: conta conjunta para despesas da casa, contas individuais para gastos pessoais.

Ainda não tem certeza se precisa de liberdade e autonomia ou de um sistema “um por todos, todos por um”? Não se apresse. Não há problema em juntar as finanças aos poucos, à medida que vão adquirindo confiança e experiência. Vão devagar, principalmente se os estilos financeiros forem muito diferentes.

Confira as outras dicas para juntar os orçamentos e organizar as finanças de casal da melhor forma possível:

Passo 1

Nomeie um “diretor financeiro”. A maioria dos casais deixa a execução das decisões financeiras para o parceiro que tenha mais afinidade com números e paciência para burocracias. É uma medida inteligente que otimiza o pagamento de contas e o controle de investimentos.

Mas vocês ainda vão precisar fazer “reuniões de negócios” para falar de dinheiro e estabelecer diretrizes futuras. Alguns especialistas sugerem que se faça isso todos os meses; para outros, reuniões trimestrais são suficientes.

Passo 2

Crie um sistema que ambos possam entender e usar. Designe um local na casa para guardar toda a papelada financeira, inclusive comprovantes, recibos, contas e extratos. Crie um sistema de arquivo que funcione para vocês.

Casais acostumados ao computador ou celular podem decidir fazer isso eletronicamente, usando software de gerenciamento financeiro que baixa extratos de financeiras e bancos, permite o pagamento de contas on-line e acompanha suas despesas com atrativos visuais, mostrando gráficos e tabelas. Também já existem aplicativos que permite o compartilhamento do orçamento. O que é melhor? O que der certo para vocês.

Passo 3

Registre tudo. Escreva um “manual do usuário” simples para o seu sistema – incluindo números de contas bancárias, empréstimos e cartões de crédito; senhas para operações on-line e tudo o mais que você poderia guardar na cabeça: datas de depósito direto de salário, datas de pagamento, etc. Faça disso um hábito.

E o mais importante: cheguem a um acordo antes de tomar qualquer decisão.

Leia também: Casamento e dinheiro – como manter a harmonia

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!