A famosa poupança ainda é o investimento mais popular do país. Mas os especialistas  vêm afirmando que ela não é mais a melhor opção para fazer o seu dinheiro render. Isso porque, nos últimos anos, o governo mudou o cálculo dos juros pagos na poupança, reduzindo o retorno do investimento. Dessa forma, os especialistas em investimentos passaram a recomendar investir no tesouro direto. Mas será que é mesmo uma boa ideia? Confira abaixo como funciona o tesouro direto e se é a melhor opção para você.

O que é tesouro direto e como funciona

O tesouro direto é um sistema online do Tesouro Nacional em parceria com a Bolsa de Valores de São Paulo que disponibiliza Títulos Públicos para a venda na internet, ou seja, papeis da dívida do governo que pagam juros para quem os compra. Na prática, investir no tesouro direto significa que você está fazendo um empréstimo para o governo e, por isso, ele vai te pagar juros.

Você não precisa comprar um título inteiro, pode comprar apenas uma fração (parte) dele. E o valor mínimo necessário para isso é apenas R$ 30,00. No sistema online você seleciona quanto quer aplicar e ele calcula a fração de título que você está comprando. É automático, muito simples e bem acessível.

Existem três tipos de títulos à venda: com juros pré-fixado, com juros pós-fixados e com juros atrelados à Taxa Selic. Todos esses juros são bem mais altos do que o da poupança. E, no caso dos títulos com juros pré-fixados, você já sabe o valor que vai receber ao final da aplicação.

Turma da Mônica e Corpo Humano

Além disso, o tesouro direto é considerado um investimento de baixíssimo risco, sendo muito seguro e ideal para investidores de perfil conservador. Não sabe qual é o seu perfil de investidor? Descubra no link.

Cuidado com as taxas e impostos

Diferente da poupança, que demora 30 dias para render, os títulos de tesouro direto tem rentabilidade diária. Assim, a cada dia ele rende um pouco. Ele também tem liquidez diária, ou seja, você pode sacar o valor investido na hora que quiser. Contudo, é importante considerar os impostos: se o resgate for feito nos primeiros 30 dias após a compra, incidirá o IOF  (Imposto sobre Operação Financeira) que é regressivo, iniciando com alíquota de 96% da rentabilidade no primeiro dia e terminando com 0% no trigésimo dia. Portanto, espere pelo menos 30 dias para fazer um primeiro saque.

O Imposto de Renda descontado na fonte, ou seja, no dia que você resgata o investimento, também incide apenas sobre o lucro e é regressivo. Dessa forma, quanto mais tempo investido, menor o imposto, e maior a rentabilidade.

Se você não realizar o saque não se preocupe, no vencimento o sistema deposita o investimento na sua conta do agente de custódia. Então você poderá solicitar a transferência para a sua conta ou reinvestir. Também é possível programar o reinvestimento automático.

Além disso, são cobrados dois tipos de taxas: uma taxa paga ao agente de custódia que pode ser anual ou cobrada no ato da compra do título e, outra taxa paga para a Bolsa de Valores, que administra o Tesouro Direto. A segunda corresponde a 0,3% ao ano, sobre o total investido e é cobrada proporcionalmente ao tempo que o valor ficou investido. Prefira corretoras que não cobrem taxa de custódia. Mas, de qualquer forma, essas taxas são muito baixas e não afetam significativamente o investimento.

Como investir no tesouro direto

Você não precisa obrigatoriamente de um banco para investir no tesouro direto, já que pode fazer a compra dos títulos diretamente no site do Tesouro Direto. Mas precisa estar cadastrado em um agente de custódia (uma corretora), que funcionará como um intermediário entre você e o Tesouro Nacional.

Você irá depositar o valor que deseja numa conta do agente de custódia para que ele repasse ao Tesouro no prazo da liquidação da operação. Se preferir, pode fazer a operação de compra ou resgate no site do agente de custódia, se ele for habilitado no Tesouro Nacional para isso. O agente de custódia fará seu cadastro no site e você terá uma senha se quiser operar sozinho.

Existem cerca de 70 agentes de custódia no Brasil, dentre eles corretoras de bancos e corretoras independentes. No site do Tesouro Direto você encontra a listagem completa com a taxa de administração cobrada por cada uma. Algumas não cobram taxas. Em geral, as taxas mais baixas são cobradas pelas corretoras independentes e as mais caras chegam a 2%.

Conclusão

Dessa forma, mesmo com a cobrança das taxas e incidência de imposto, investir no tesouro direto rende muito acima do investimento na poupança. Comece a investir já e cuide da sua saúde financeira.

Por Samasse Leal

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!