Planos de saúde são essenciais para muitos brasileiros. No entanto, também comprometem boa parte do orçamento familiar. Mas como economizar com um serviço tão importante?

Como a saúde pública brasileira não é das melhores, a adesão aos planos de saúde crescem. Mas todo ano o reajuste e as tarifas também sobem.

Vale a pena contratar plano de saúde grávida?

Para ajudar na contratação de um plano de saúde, separamos 15 dicas práticas para economizar sem perder a qualidade nos serviços. Confira!

  • 1 – Faça um planejamento

    Como qualquer contrato, é fundamental avaliar o custo de um plano de saúde. Tenha um planejamento e evite se comprometer com valores que não poderá pagar ou que vão deixar o orçamento muito “apertado”.

    Marten Bjork/Unsplash.com
  • 2 – Pesquise os valores

    Há diversas empresas que oferecem planos de saúde. E, como qualquer mercado, a concorrência deve ser avaliada. Pesquise os valores e saiba qual plano de saúde atende melhor as suas necessidades sem comprometer tanto o orçamento familiar.

    Jirapong Manustrong/iStock
  • 3 – Plano de saúde coparticipativo

    Uma das vantagens do plano de saúde coparticipativo é que a mensalidade tende a ser menor. Além disso, este é um modelo indicado para pessoas que não têm doenças crônicas ou usam poucas vezes os serviços médicos.

    Neste plano, quando o serviço é usado, o cliente paga uma taxa, além da mensalidade, que pode ser um valor fixo ou um percentual dos procedimentos utilizados, como consultas, urgências médicas, exames e internações.

    megaflopp/iStock
  • 4 – Escolhendo o plano ideal

    Planos individuais ou familiares costumam ser mais caros que os planos empresariais ou coletivos.

    Mas fique atento. Nem sempre o mais barato é também o melhor. A dica aqui é comparar os serviços e analisar o plano ideal para o seu perfil.

    YakobchukOlena/iStock
  • 5 – Planos e acomodações

    Alguns planos de saúde podem ser mais caros, considerando as acomodações disponibilizadas. Se uma empresa oferece opções de enfermaria ou quarto privativo, por exemplo, a primeira alternativa será mais em conta. Neste caso, avalie se há alguma doença ou necessidade de internação com frequência.

    As enfermarias costumam atender de duas a três pessoas, com direito a visitas mas sem permissão para acompanhantes, diferente dos quartos.

    Adhy Savala/Unsplash.com
  • 6 – Cobertura do plano

    Ao contratar um plano de saúde, os preços podem variar, conforme a cobertura. Uma opção com atendimento nacional tende a ser mais custosa do que uma rede regional. Por isso, se o cliente não costuma sair de sua cidade com frequência, um plano de saúde regional pode ser mais indicado.

    Hush Naidoo/Unsplash.com
  • 7 – Cobertura supérfluas

    Os planos de saúde costumam oferecer pacotes com serviços que, às vezes, podem ser desnecessários para o cliente. Por exemplo, um homem solteiro não precisará da  obstetrícia. Por isso, o indicado é ficar atento ao contrato e aos serviços oferecidos, podendo retirar ou incluir serviços de acordo com o perfil.

    Online Marketing/Unsplash.com
  • 8 – Preço dos exames

    Para quem paga um plano de saúde com coparticipação, o ideal é pesquisar os preços dos exames antes de realizá-los. Isso porque o cliente terá que pagar uma parte do valor cobrado.

    Asawin_Klabma/iStock
  • 9 – Siga as recomendações médicas

    Para evitar problemas maiores e, no caso dos planos de coparticipação, mais custos, o ideal é sempre seguir as recomendações médicas. Assim, as complicações de saúde tendem a ser evitadas e o uso do plano e dos custos com o tratamento reduzidos.

    SARINYAPINNGAM/iStock
  • 10 – Portabilidade

    Conforme as novas regras de portabilidade dos planos de saúde, se você estiver insatisfeito com o serviço, o cancelamento não deverá ser realizado.

    O indicado é solicitar a portabilidade para outro plano, sendo ele da mesma empresa ou de outra. Se o plano for cancelado, ao contratar outro, o cliente terá que ingressar em um novo plano, devendo cumprir os períodos de carência ou de cobertura parcial temporária do novo contrato.

    Com a potabilidade, no entanto, os prazos cumpridos no plano vigente serão contabilizados no novo plano, não precisando seguir novamente.

    BrianAJackson/iStock
  • 11 – Leia a fatura do plano

    Assim como qualquer conta, a fatura do plano de saúde podem vir com serviços ou valores incorretos. Por isso, é necessário ficar atento à cobrança e evitar pagar por serviços não utilizados ou taxas indevidas.

    fizkes/iStock
  • 12 – Questione os procedimentos médicos

    Claro que devemos confiar no médico e nas suas recomendações. Mas, por vezes, um profissional pode solicitar procedimentos que poderiam ser mais baratos ou evitados. Por isso, sempre procure entender o que está sendo solicitado e qual a sua necessidade.

    nortonrsx/iStock
  • 13 – Imposto de renda

    Se parte do seu orçamento é comprometida com um plano de saúde, saiba que é possível declarar este gasto e garantir uma dedução no imposto de renda.

    IvelinRadkov/iStock
  • 14 – Faça exercícios

    Se o seu objetivo é gastar menos com despesas médicas, a prevenção é o melhor caminho. Por isso, faça exercícios físicos e mantenha sua saúde em dia.

    Victor Freitas/Unsplash.com
  • 15 – Alimentação saudável

    Além dos exercícios físicos, é importante manter uma alimentação saudável para evitar doenças e outros problemas de saúde. Assim, os gastos tanto com o plano quanto com os procedimentos médicos serão reduzidos.

    Dan Gold/Unsplash.com

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!