O Bitcoin nasceu como uma moeda virtual, mas se transformou em moeda de investimento, ganhando destaque nos últimos meses por conta de sua supervalorização. Estima-se que até o final de 2018 cerca de um milhão de brasileiros terão adquirido Bitcoins e que num médio prazo a unidade da moeda atinja o valor de 100.00 mil dólares.

Se você conhece essa inovação econômica tecnológica e sabe como participar do mundo virtual dos investimentos, deve saber também que essa alternativa envolve um risco alto.

E para decidir se deve ou não investir, é importante saber o que os especialistas falam, positiva e negativamente sobre esse assunto que está na moda. Afinal, nem tudo é perfeito ou 100% seguro. Então considere os seguintes pontos:

Prós de investir em Bitcoins

  • Alta rentabilidade no curto prazo (possibilidade de dobrar o valor do investimento em poucos meses).
  • Boa liquidez (possibilidade de transformar em dinheiro e receber) por dois motivos: muitos interessados na compra da moeda e possibilidade de usar como moeda de pagamento em lojas virtuais de aceitação.
  • Teve uma supervalorização desde que foi criada, acima de qualquer rentabilidade de qualquer investimento tradicional.
  • É um mercado de livre negociação, ou seja, o preço da moeda depende apenas de quanto as pessoas estejam dispostas a pagar por elas, não sofre influência de política interna ou externa ou dos resultados da atividade de uma empresa.
  • A forma de aquisição é fácil, desde que se tenha acesso a internet.
  • Não é necessário ter conta em banco, pode-se fazer um depósito direto, em dinheiro, na conta bancária do intermediador.
  • Se desvalorizar, você ainda pode usar os Bitcoins para fazer compras nos sites que aceitam como moeda de pagamento.

Contras de investir em Bitcoins

  • O risco é totalmente assumido por quem compra a moeda, não existem proteções como a do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), por exemplo.
  • Como a alta valorização e em curto prazo, existe um risco de ser criada uma bolha, ou seja, muitas pessoas comprarem e não conseguirem mais revender e a moeda perder valor e liquidez por conta da falta de demanda.
  • Não existe regulação e nem fiscalização por um órgão oficial ou por um governo, assim não existem regras de punição para hipóteses de fraudes e abusos que possam acontecer nas negociações e nem regras impondo transparência, limites e formas de negociação.
  • O Bitcoin não possui um lastro, ou seja, seu valor circula sem uma quantidade de dinheiro correspondente depositada num centralizador que garanta a troca. Você vai sempre depender da venda para outra pessoa que esteja disposta a pagar no mínimo o mesmo valor que você pagou e de as empresas continuarem aceitando como moeda de pagamento de produtos e serviços.

 

Essas informações não esgotam todos os pontos positivos e negativos relacionados a essa moeda virtual inovadora, que é diferente de tudo que já existiu no mercado de valores mobiliários e que envolvem uma tecnologia moderna de circulação, de emissão, questões de segurança, análises de rentabilidade e de risco. Ou seja, podem existir outros aspectos além destes que comentamos aqui, que são bem genéricos, e que tem por base o modelo que conhecemos de investimentos tradicionais.

Antes de decidir investir em Bitcoins pesquise, se informe, contate um intermediador para esclarecer todas as suas dúvidas, e não invista todas as suas economias na moeda. Considere-a como mais uma possibilidade de investimento para diversificar sua carteira.

Por Samasse Leal

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!