Faça uma busca
|
Publicado em: 24 de maio de 2021

Colite ulcerativa: causas, sintomas e tratamento

Com causas desconhecidas, a doença pode se agravar se não for diagnosticada precocemente.

Imagem: ipopba/iStock

Você possui muitas dores abdominais e outros sintomas como fadiga, febre e diarreia? Você pode estar sofrendo de colite ulcerativa. A colite ulcerativa (CU), também conhecida como retocolite ulcerativa (RCU) é uma doença inflamatória intestinal séria que precisa de acompanhamento médico e somada à Doença de Crohn, forma uma das principais Doenças Inflamatórias Intestinais (DII).

O que é colite ulcerativa?

A colite ulcerativa é um tipo de Doença Inflamatória Intestinal crônica e não contagiosa. Ela surge quando o intestino grosso (parte do cólon, reto ou sigmoide) fica inflamado e ulcerado, ou seja, com alguma perfuração ou erosão.

Leia também: Como tratamentos naturais podem combater a úlcera gástrica

Essa úlcera causa crises de diarreia com sangue, dores abdominais e febre, entre outros sintomas. O indivíduo com CU tem mais probabilidade de desenvolver câncer de cólon a longo prazo do que pessoas que não têm.

Homem com dor abdominal
Dores abdominais são comuns em casos de colite ulcerativa. (Foto: tommaso79/iStock)

Quais as causas?

As causas da doença são desconhecidas. Porém, fatores hereditários, dieta ou estresse podem facilitar o desenvolvimento dela, apesar de não serem os seus causadores.

Uma causa possível, porém não comprovada, é o mau funcionamento do sistema imunológico. Ao tentar combater um vírus ou bactéria, o sistema imunológico pode atingir as células do trato digestivo caso haja uma resposta imune anormal.

Quais os sintomas da colite ulcerativa?

A CU pode acarretar vários sintomas em diversas esferas do organismo. As áreas de dor são nas articulações, abdômen ou reto. As crises de dor podem ser repentinas e graves, causando diarreia com muco e sangue.

Geralmente, as crises são graduais, e começam com uma vontade urgente de evacuar, cólicas abdominais e sangue nas fezes. Essas crises podem durar dias ou semanas e voltam a aparecer repentinamente.

Há diferença de sintomas caso a colite ulcerosa atinja o reto ou cólon sigmoide, ou se estenda para as partes mais altas do intestino grosso. No primeiro caso, as fezes podem ser duras e secas e a pessoa pode ou não apresentar outros sintomas leves, como febre.

Caso a doença se estenda para as partes mais altas do intestino grosso, os sintomas ficam mais latentes. As fezes podem ser muito moles e a pessoa pode sentir necessidade de evacuar muitas vezes ao dia. As dores abdominais são mais intensas e há espasmos retais que podem incomodar e doer.

Frequentemente, as fezes podem acompanhar sangue e pus. É possível que o indivíduo tenha febre, perda de apetite e perda de peso. Quando há muito sangramento, pode causar anemia por deficiência de ferro.

Agravantes:

A colite fulminante, ou tóxica, é uma complicação grave da CU. Quase 10% das pessoas com colite ulcerativa apresentam esse quadro após um primeiro ataque com progressão dos sintomas. O indivíduo pode ter hemorragia intensa, ruptura do cólon ou infecção generalizada. Pode haver danos aos nervos e músculos da parede intestinal, fazendo com que as contrações normais parem temporariamente (íleo paralítico), e o conteúdo do intestino não transite normalmente. Assim, há uma distensão abdominal.

À medida que a colite tóxica piora, o intestino grosso perde seu tônus muscular e começa a distender em poucos dias ou horas (megacólon tóxico), e causa febre alta dor abdominal. Às vezes, pode haver perfuração do intestino grosso e o desenvolvimento de peritonite.

O câncer de cólon é mais comum em pessoas que já convivem com colite ulcerativa há cerca de sete anos, para quem possui colite extensa. Esse tipo de câncer é identificado a cada ano em cerca de uma em 100 a 200 pessoas que possuem colite ulcerativa ampla de 8 a 10 anos.

mãos massageando região abdominal do corpo
Pessoas com colite ulcerativa podem desenvolver câncer do cólon. (Foto: Pornpak Khunatorn/iStock)

Como é feito o diagnóstico?

Exames para detectar a colite ulcerativa:

  • Exame de fezes;
  • Sigmoidoscopia;
  • Exame de sangue;
  • Diagnóstico por imagem;
  • Em alguns casos, colonoscopia.

O médico examina o exame de fezes para descartar a presença de parasitas, e, portanto, uma infecção bacteriana.

A sigmoidoscopia é o exame mais completo para confirmar o diagnóstico de colite ulcerativa. Se trata de um exame do cólon sigmoide utilizando um tubo de visualização flexível. O médico consegue visualizar diretamente a gravidade da inflamação e colher amostras de muco ou fezes para biópsia.

Mesmo entre as crises, quando não existem sintomas, o intestino raramente tem uma aparência normal, portanto, a análise das amostras coletadas em microscópio mostram uma inflamação crônica.

Geralmente, o médico não pede o exame de colonoscopia (somente se a pessoa já tiver colite ulcerativa de 8 a 10 anos, é pedido o exame a cada um ou dois anos), porém ele pode solicitar caso a inflamação passe do alcance do sigmoidoscópio.

Exames de sangue não indicam se a pessoa sofre ou não de colite ulcerosa, porém podem apontar anemia, aumento de glóbulos brancos (sinais que há uma inflamação), entre outros níveis de proteínas importantes pra o organismo.

Radiografias feitas com contraste podem indicar a gravidade e extensão da doença. Porém, só podem ser feitas caso a doença não esteja ativa, ou seja, durante uma crise, senão pode haver perfurações.

Como é feito o tratamento e qual o prognóstico?

A CU é uma doença crônica e reincidente, ou seja, existem perídodos sem sintomas que se repetem. Em cerca de 10% da população, a crise progride e leva a complicações mais sérias. Outros 10% se recuperam após uma única crise. As demais possuem um grau de recorrência da doença.

Medicamentos anti-inflamatórios:

São o primeiro passo para reduzir a inflamação, mas nem todos podem ser utilizados. Alguns recomendados são:

  • Aminossalicilatos (podem ser introduzidos de forma oral, supositório ou enema);
  • Corticosteroides (via oral, intravenosa ou por supositório).

Ambos possuem alguns efeitos colaterais, como perturbações digestivas, dores de cabeça, rosto inchado, excesso de pelos faciais, suores noturnos, insônia e hiperatividade. No caso da segunda opção, ainda podem ocorrer outros sintomas mais graves, como hipertensão, diabetes, osteoporose, fratura óssea, entre outros. Deve ser administrado em um curto período de tempo.

Imunossupressores ou imunomoduladores

São medicamentos que reduzem a ação do sistema imunológico do organismo. Algumas drogas são:

  • Azatioprina e mercaptopurina;
  • Ciclosporina;
  • Biológicos.

Todas elas, porém, possuem grandes efeitos colaterais sobre o fígado e pâncreas, danos nos rins e convulsões, e há um risco reduzido de câncer. Dessa forma, precisam de um acompanhamento rigoroso com um médico e algumas são para o uso a curto prazo.

mulher tomando remédio
Alguns medicamentos anti-inflamatórios ou imunossupressores podem ser receitados. (Foto: g-stockstudio/iStock)

Cirurgia

Uma cirurgia pode eliminar o problema. Cerca de 30% das pessoas com colite ulcerativa necessitam de cirurgia, e ela pode ser feita em caso de crises agudas com risco de vida. Porém, não somente nesses casos.

Se a situação for crônica e prejudicar a qualidade de vida do paciente, como o uso de diversas doses de corticosteroides, câncer e estreitamento do intestino grosso, também é indicada a operação de remoção completa do intestino grosso, reto e ânus (proctocolectomia total).

A cirurgia elimina totalmente o risco de câncer do cólon. No entanto, devido à remoção total do reto e ânus, é preciso fazer uma manobra de ileostomia, ou seja, expor o intestino delgado para fora da parede abdominal e acoplar uma bolsa plástica para coletar as fezes que saem.

Contudo, existem outras opções disponíveis, como, por exemplo, a proctocolectomia com anastomose íleo-anal com bolsa ileal. Nesse procedimento, o intestino grosso e parte do reto são removidos e um pequeno reservatório é criado para fora. Porém, como o paciente ainda possui músculos do esfíncter anal, ele ainda possui o controle total do intestino. Porém, dessa forma, não é eliminado o risco total de desenvolver câncer do cólon.

Pessoas que possuem distúrbios digestivos podem fazer tratamentos alternativos ou complementares, para controlar a inflamação e reduzir sintomas. Algumas terapias são:

  • Vacinas;
  • Suplementos nutricionais e de ervas;
  • Óleo de peixe;
  • Probióticos;
  • Acupuntura;
  • Dietas controladas.

É possível prevenir a colite ulcerativa?

O uso de medidas preventivas podem ser feitas para melhorar a saúde no geral. No caso de problemas intestinais, tentar eliminar alguns tipos de alimentos que podem ajudar a desenvolver colite ulcerativa é uma boa medida. Alguns alimentos são:

  • Produtos lácteos;
  • Alimentos com alto teor de gordura;
  • Fibras;
  • Alimentos condimentados.
homem praticando meditação a em parque
Práticas saudáveis como a meditação podem ajudar a prevenir a colite ulcerativa. (Foto: shironosov/iStock)

Além disso, uma boa opção é controlar o estresse e adotar práticas saudáveis para a mente.

  • Praticar exercícios físicos;
  • Meditação ou Yoga;
  • Psicoterapia.

Em todo o processo, o ideal é consultar um médico e nutricionista para saber o que fazer e quais medidas certas a adotar.

Colite ulcerativa X Doença de Crohn

As duas são as principais Doenças Inflamatórias Intestinais, e apesar de serem bem parecidas, possuem algumas diferenças. Enquanto a colite ulcerativa se limita a afetar o intestino, a Doença de Crohn atinge todo o trato gastrointestinal. Outra diferença é como essas inflamações afetam os tecidos. Na Doença de Crohn, são várias áreas do sistema gastrointestinal, enquanto na colite ulcerosa, toda uma área é afetada e pode se expandir.

Ambas também afetam camadas diferentes dos tecidos. A colite afeta a parte superficial do intestino, e a Doença de Crohn atinge as partes mais profundas, inflamando todo o tecido do sistema gastro.

A Doença de Crohn é mais comum em pessoas antes dos 30 anos, e a retocolite se dá, geralmente, em pessoas acima dos 30 anos, mais frequentemente em pessoas que já atingiram a faixa dos 50 a 60 anos.


Atenção:
Para ter o diagnóstico correto dos seus sintomas e fazer um tratamento eficaz e seguro, procure orientações de um médico ou farmacêutico.

A colite ulcerativa é um tipo de Doença Inflamatória Intestinal crônica e não contagiosa. Ela surge quando o intestino grosso (parte do cólon, reto ou sigmoide) fica inflamado e ulcerado, ou seja, com alguma perfuração ou erosão.

As causas da doença são desconhecidas. Porém, fatores hereditários, dieta ou estresse podem facilitar o desenvolvimento dela, apesar de não serem os seus causadores.

Uma causa possível, porém não comprovada, é o mau funcionamento do sistema imunológico. Ao tentar combater um vírus ou bactéria, o sistema imunológico pode atingir as células do trato digestivo caso haja uma resposta imune anormal.

A CU pode acarretar vários sintomas em diversas esferas do organismo. As áreas de dor são nas articulações, abdômen ou reto. As crises de dor podem ser repentinas e graves, causando diarreia com muco e sangue.

Geralmente, as crises são graduais, e começam com uma vontade urgente de evacuar, cólicas abdominais e sangue nas fezes. Essas crises podem durar dias ou semanas e voltam a aparecer repentinamente.

Há diferença de sintomas caso a colite ulcerosa atinja o reto ou cólon sigmoide, ou se estenda para as partes mais altas do intestino grosso. No primeiro caso, as fezes podem ser duras e secas e a pessoa pode ou não apresentar outros sintomas leves, como febre.

Caso a doença se estenda para as partes mais altas do intestino grosso, os sintomas ficam mais latentes. As fezes podem ser muito moles e a pessoa pode sentir necessidade de evacuar muitas vezes ao dia. As dores abdominais são mais intensas e há espasmos retais que podem incomodar e doer.

A sigmoidoscopia é o exame mais completo para confirmar o diagnóstico de colite ulcerativa. Se trata de um exame do cólon sigmoide utilizando um tubo de visualização flexível. O médico consegue visualizar diretamente a gravidade da inflamação e colher amostras de muco ou fezes para biópsia. Contudo há outros exames para detectar a colite ulcerativa:

  • Exame de fezes;
  • Sigmoidoscopia;
  • Exame de sangue;
  • Diagnóstico por imagem;
  • Em alguns casos, colonoscopia.

A CU é uma doença crônica e reincidente, ou seja, existem perídodos sem sintomas que se repetem. Em cerca de 10% da população, a crise progride e leva a complicações mais sérias. Outros 10% se recuperam após uma única crise. As demais possuem um grau de recorrência da doença.

O tratamento envolve o uso de medicamentos anti-inflamatórios, imunossupressores ou imunomoduladores e intervenção cirúrgica.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close