Faça uma busca
|
Publicado em: 24 de julho de 2021

Doação de sangue: saiba tudo sobre a ação que pode salvar vidas

Uma única doação pode ajudar a salvar até quatro vidas

Imagem: AnnaStills/iStock

Os hospitais precisam de milhares de doações de sangue para viabilizar diversos procedimentos médicos. No Brasil, em média, menos de 2% da população doa sangue, embora a OMS recomende que pelo menos 3% da população seja de doadores regulares. Por isso, é muito importante se manter informado sobre esse assunto. A seguir, veja como é feita a doação de sangue, quem pode doar e mais.

Como é feita a doação de sangue?

O processo de doação de sangue é bastante simples. Ao chegar ao posto de coleta, o doador fará seu cadastro e, depois, será encaminhado para uma triagem clínica a fim de saber se está apto ou não para doar. Se a pessoa se encaixar nos requisitos necessários, irá para a coleta de sangue.

Em uma doação, são colhidos cerca de 450 a 550 ml de sangue. As mulheres têm, em média, 4,5 litros de sangue e os homens, 5,6 litros. Sendo assim, o volume de sangue doado não ultrapassa 10% do total. Após a coleta, o doador recebe um lanche leve.

É importante seguir todas as orientações recebidas na ocasião. Os doadores devem repor o líquido bebendo muita água e sucos. Além disso, devem evitar beber álcool, fumar e fazer atividade física nas 12 horas que precedem a doação.

Mulheres podem doar sangue a cada intervalo de 90 dias, podendo fazer até 3 doações por ano. Homens podem fazer até 4 doações por ano, aguardando 60 dias de intervalo.

Critérios para a doação de sangue

Para a doação de sangue é necessário:

  • Ter idade entre 16 e 69 anos, desde que a primeira doação tenha sido feita até 60 anos (menores de 18 anos devem ter consentimento formal do responsável legal);
  • Pesar, no mínimo, 50 kg;
  • Estar devidamente alimentado (não consuma alimentos gordurosos antes da doação);
  • Ter dormido pelo menos 6 horas nas últimas 24 horas;
  • Apresentar documento de identificação com foto, emitido por órgão oficial (Carteira de Identidade, Carteira Nacional de Habilitação, Carteira de Trabalho, Passaporte, Registro Nacional de Estrangeiro, Certificado de Reservista e Carteira Profissional emitida por classe). Serão aceitos documentos digitais com foto.

Leia também: Transfusão de sangue: entenda o que é e quando fazer

Quem não pode doar sangue?

Não poderá doar sangue quem:

  • Tiver idade inferior a 16 anos ou superior a 69 anos;
  • Tiver peso inferior a 50 quilos;
  • For portador de hepatite B ou C;
  • For HIV-positivo;
  • Fizer uso de drogas ilícitas injetáveis;
  • Estiver com anemia no teste realizado imediatamente antes da doação;
  • Estiver com hipertensão ou hipotensão arterial no momento da doação;
  • Sentir febre no dia da doação;
  • Estiver grávida;
  • Estiver amamentando, a menos que o parto tenha ocorrido há mais de 12 meses.

Além desses, existem outros casos que impedem a doação de sangue, como o uso de alguns medicamentos específicos ou a realização de determinados procedimentos médicos. Para obter mais informações sobre os critérios para doação, acesse o Portal do Ministério da Saúde.

Plaquetas

Além da doação de sangue, também é possível doar plaquetas.
A doação de plaquetas também pode salvar vidas. (Imagem: AnnaStills/iStock)

As plaquetas são os menores elementos entre as células do sangue e têm papel importante na hemostasia, uma série de processos que mantêm o sangue circulando, agrupando-se para formar uma barreira física e impedir sua perda.

Pacientes com baixo número de plaquetas são propensos a equimoses e hemorragia interna, e, em casos graves, podem literalmente sangrar até a morte.

A maioria das doações de plaquetas é usada para evitar o sangramento em pacientes com incapacidade temporária de produzir suas próprias plaquetas; como aqueles que têm câncer ou leucemia, ou em pacientes com doenças autoimunes nas quais as plaquetas são destruídas pelo próprio sistema.

É comum que os pacientes recebam as chamadas “doações de sangue total”, nas quais plaquetas de três doações diferentes são reunidas em uma bolsa.

Em geral, centros que promovem a doação de sangue também realizam a coleta de plaquetas. Os processos de doação de plaquetas e de sangue são bastante parecidos. Para saber mais acerca desse processo, acesse a página do Instituto Nacional de Câncer - INCA.

Quais tipos de sangue são compatíveis?

Existem vários sistemas para identificar diferentes grupos sanguíneos. O sistema ABO é o mais conhecido e o mais importante no que se refere à doação de sangue. Nele, o tipo sanguíneo de cada pessoa é determinado geneticamente, e o seu tipo, A, B, AB ou O, depende dos tipos sanguíneos de seus pais.

Nem todos os tipos sanguíneos são compatíveis, e a sua mistura pode causar aglutinação do sangue. Em geral, a pessoa desenvolve anticorpos contra os antígenos que não possui. Assim, se uma pessoa tiver antígenos tipo A na superfície das hemácias, terá anticorpos contra o tipo B (aglutininas anti-B) no plasma.

Caso receba transfusão de sangue tipo B, os anticorpos começarão a destruir as hemácias transfundidas, possibilitando consequências fatais. Por isso, o sangue do grupo A nunca deve ser administrado em alguém do grupo B.

As pessoas com sangue do tipo A não podem receber sangue do tipo B e vice-versa. As que têm tipo O são doadoras universais, pois não há antígenos a serem atacados.

As pessoas do grupo AB são os melhores receptores, pois não têm anticorpos contra outros tipos sanguíneos. Veja a compatibilidade de tipos sanguíneos abaixo.

Quais são os riscos da doação de sangue?

A política de seleção de doadores busca proteger a saúde de doadores e receptores, com diretrizes específicas de seleção. Antes da doação, é feita uma triagem, na qual o doador deve responder a uma série de questões para saber se está apto a doar.

Se há preocupação com a saúde de um doador ou de um possível receptor, o doador pode ser excluído permanentemente ou afastado por um período definido.

Em suma, a doação de sangue não envolve grandes riscos. Na verdade, a maioria das pessoas se sente bem ao fazê-la. Teoricamente, poderia causar anemia, mas o nível de hemoglobina é determinado antes de cada doação.

Algumas pessoas têm medo de contrair infecções ao doarem sangue, mas o equipamento usado (agulhas e tubo) é estéril e novo. A chance de contrair uma infecção é quase nula.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close