Faça uma busca
|
Publicado em: 25 de fevereiro de 2021

Especialista dá dicas de como transformar a dor em aprendizado

Mauricio Patrocinio, especialista em felicidade e relacionamentos interpessoais, lista algumas dicas para converter a dor em algo muito mais poderoso e benéfico

Imagem: Crédito: fizkes

Assim como a alegria, a dor é inerente à vida e traz com ela lições muito importantes e que servem como guias para dar novos passos e rumos à trajetória de uma pessoa.

Todo mundo já experimentou a dor em algum ou até mais de um momento na vida. E é muito comum, nesses instantes, transformá-la em sofrimento, tomá-la como uma bebida amarga e, muitas vezes, eterna e se desesperar, tentando fugir dela a qualquer custo e fazendo com que se sofra ainda mais.  

“É natural fugirmos da dor, nos esquivarmos dela. Ela é algo que existe para nossa própria sobrevivência”, explica Mauricio Patrocinio, especialista em felicidade, escritor, palestrante, comunicador, autor dos livros “Por que as pessoas não são felizes?” e “Relacionamentos enriquecem”, empreendedor e CEO da NewAge no Brasil.

mauricio patrocinio transformar dor em felicidade
Mauricio Patrocinio é escritor e palestrante.

“Imagine como seria se não sentíssemos dor? Sabe aquela topada que a gente dá na mesinha da sala ou na quina da cama? Dói muito. Essa dor é para tomarmos mais cuidado da próxima vez”, completa.

Não há nada que impeça mais a felicidade que a dor e, seja qual for a situação, é preciso saber como lidar emocionalmente com ela, ao invés de simplesmente lutar para esquecê-la ou superá-la. Pensando nisso, Mauricio lista a seguir seis conselhos eficazes para lidar com o sentimento:

6 passos para transformar a dor em aprendizado

melhorar a vida
Imagem: iStock

1. A memória da dor é maior que a memória do prazer

Não é necessário lembrar do prazer para sobreviver. Com isso, o cérebro, naturalmente, esconde a sensação dos prazeres que as pessoas tiveram na vida e traz muito mais à tona as dores.

“Está aí o cuidado que temos que ter: precisamos fazer um esforço maior para lembrarmos das conquistas que tivemos, dos momentos bons, com alegria. Este exercício estimula a produção de serotonina, neurotransmissor responsável pelo bem-estar -- um dos elementos que chamo de ‘quarteto da felicidade’”, explica o especialista.

2. A dor atrai - cuidado!

Quando alguma situação não vai bem, a tendência natural é a de, muitas vezes, as pessoas se “vitimizarem” diante dela.  Ao terminar um relacionamento, saem contando para todos, até mesmo os detalhes.

O trabalho não anda bem e contam isso para o mundo, falam dos chefes, dos conflitos com os colegas, das dificuldades. Elas têm um problema na família e ligam para o mundo para contar sobre ele. O conselho de Mauricio Patrocinio é: tomar cuidado com o que falam.

“Sim, é bom desabafar para um amigo verdadeiro ou até em uma terapia. Porém, quando ficamos presos neste modo, podemos nos viciar na atenção que recebemos e nos tornarmos os ‘coitadinhos’ em busca de carinho, atraindo ainda mais dor e sofrimento para a nossa vida”, explica. 

3. Para evitar a dor, às vezes fugimos do prazer

“A gente pode também entrar em um modo ‘sabotagem’. Quando terminamos um relacionamento de forma dolorida, corremos o risco de evitar novos relacionamentos com as mais diversas desculpas para evitar aquela dor que tivemos. Quando um empreendimento fracassa de forma dolorida, corremos o risco de evitar arriscar novamente para não sofrermos mais. Esta sabotagem está nos mais diferentes âmbitos”, conta Patrocinio. 

O fato é que, muitas vezes, um segundo relacionamento pode ser melhor que o primeiro, quando se permite aprender com os erros do primeiro, trazendo a responsabilidade para si ao invés de, apenas, pensar na culpa do outro.

“Empreendedores de sucesso, por exemplo, fracassam duas, três ou mais vezes antes de ter sucesso. Permita-se e liberte-se das más experiências e transforme apenas em experiência positiva”, aconselha.

4. Só se machuca quem vive

Ninguém quer sentir dor, mas a verdade é que só sente dor quem vive.

“Se não fazemos nada, não saímos de casa, não buscamos o novo sempre e, teoricamente, não corremos o risco de sofrer a dor da perda. No entanto, a dor de desperdiçar uma vida na mesmice pode ser muito maior. Olhe pra você, pense no que te dá prazer, quais são seus sonhos, busque o que impulsiona sua felicidade”, estimula Mauricio.

5. Só temos saudades do que amamos

É fato: as pessoas só sentem falta daquilo que é ou de quem foi importante para elas. Só sentem saudade daquilo que as faz ou fez bem. E é, realmente, muito difícil lidar com essa perda, mas é necessário se esforçar para lembrar sempre com carinho e gratidão por aquilo de bom que passou.

“A gente sofre sim a perda. Perder um ente querido é uma dor muito grande. No entanto, apenas temos saudades de quem amamos. Dói sim, e muito, mas temos que fazer um esforço com gratidão por termos vivido com essas pessoas”, comenta.

6. Não há mal que não traga um bem.. tudo é aprendizado

Sempre que algo ruim acontecer, pense: o que preciso aprender com isso?

“Não se coloque em uma posição de que você merece sofrer, que tem o dedo podre, que é castigo... Na verdade, somos nós quem nos castigamos com nossas próprias escolhas, muitas vezes, ou a falta delas. Cada situação que acontece conosco, certamente, traz um aprendizado e uma boa experiência, permitindo continuarmos neste grande jogo que se chama vida” finaliza Mauricio.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close