Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 15 de abril de 2021

Obesidade: ajuste na composição da microbiota intestinal pode ajudar

Doutor em Genética e Biologia Molecular explica como é possível usar a tecnologia para perder peso

Imagem:

A mais recente Pesquisa Nacional de Saúde do IBGE, divulgada pelo instituto no fim do ano passado, mostrou que 96 milhões de brasileiros, o equivalente a 60,3% da população adulta do país, estão com excesso de peso. A obesidade nada mais é que o acúmulo de gordura corporal, resultando em risco mais elevado de doenças clínicas e morte prematura.

Leia também: Mortes por Covid-19 — países com alto índice de obesidade são os mais afetados

A obesidade já é considerada uma epidemia global. De acordo com estatísticas da OMS, há cerca de 1 bilhão de gordos e 350 milhões de obesos no mundo, e cerca de 2,5 milhões de mortes ocorrem todos os anos por conta desses males. E agora, na pandemia, os números aumentaram consideravelmente, o que faz com que mais do que nunca seja necessário reavaliar os próprios hábitos durante a quarentena para que não haja prejuízos à saúde.

Adultos, crianças e até idosos podem sofrer com as consequências da obesidade. Por isso, é muito importante conhecer suas causas, consequências e estratégias de prevenção e tratamento. Continue acompanhando para ficar por dentro desse tema.

Causas da obesidade

Alimentos remosos
Imagem: iStock

Embora a genética seja um fator de risco para a obesidade, o fator determinante é a ingestão de mais calorias do que seu corpo converte em energia, pois o excesso fica armazenado sob a forma de gordura. Assim, o consumo de alimentos processados ricos em calorias estão diretamente associados à obesidade. Além disso, diversas pesquisas mostram que as pessoas hoje comem mais do que há 40 anos.

Graças aos fast-foods, houve uma “distorção da porção”. Isto é, as pessoas se acostumaram a comer porções cada vez maiores, independente da fome, uma vez que a diferença de preço costuma ser irrisória. o fato de comer com pressa também pode causar essa ingestão exagerada de alimentos. E isso porque quando comemos rápido demais não damos ao nosso cérebro a oportunidade de receber os sinais hormonais que avisam que o estômago está cheio.

A falta de exercícios físicos também impacta na forma física. Com uma alimentação inadequada, não há gasto de calorias ingeridas. E assim, ocorre o acúmulo de gordura.

Um estudo publicado na principal revista internacional especializada em gastroenterologia, a BMJ Journal Gut, também mostrou que indivíduos obesos criaram uma “assinatura de obesidade” dentro de seu microbioma intestinal, que moldou o funcionamento do metabolismo.

“Esse efeito pode aumentar a dificuldade de perder peso e facilitar a recaída após a perda de alguns quilos, mesmo com uma dieta normal. Essa ‘assinatura’ é definida por mudanças nas populações bacterianas que podem contribuir para mudanças no metabolismo através de fatores genéticos e ambientais”, explica o Doutor em Genética e Biologia Molecular, Luiz Felipe Valter.

Consequências da obesidade

sindrome metabólica
Imagem: iStock

Como já comentamos, a obesidade pode gerar diversos efeitos nocivos à saúde. Dentre eles, destacamos:

  • Aumento do risco de doenças cardíacas e diabetes;
  • Dores nas articulações;
  • Câncer;
  • Perda da audição;
  • Doença de Alzheimer e
  • Transtornos gastrointestinais. 

Microbiota intestinal pode ajudar no emagrecimento

Imagem: iStock

O microbioma intestinal é composto por inúmeros microrganismos que podem conviver com o ser humano sem causar qualquer tipo de doença ou malefício ao bem-estar. Pelo contrário, auxiliam desde o nascimento à manutenção de funções fisiológicas. O que muita gente não sabe é que a sua composição pode ter um papel na regulação do peso corporal e é possível ajustá-la com uma dieta adequada. 

“Os hábitos alimentares são fator determinante do tipo de bactérias que temos ou teremos no intestino. Pesquisas científicas têm mostrado que uma dieta que consiste em alimentos altamente processados tem sido associada a menor diversidade de microrganismos intestinais. Essa dieta não saudável impede que os grupos bacterianos benéficos se desenvolvam no intestino. Logo, uma microbiota intestinal saudável e equilibrada resulta em um desempenho normal das funções fisiológicas, ajudando na perda de peso”, explica Luiz Felipe Valter.

Esses estudos mostram que indivíduos que seguem uma dieta rica em fibras e pobre em gorduras (basicamente vegetariana) têm níveis mais elevados de bactérias probióticas fermentadoras, em comparação a indivíduos que tenham uma dieta moderna, rica em gorduras e pobre em fibras.

“A alta disponibilidade de fibras no intestino eleva a produção de substâncias benéficas, como o butirato, que induz a proliferação de bactérias com ação anti-inflamatória. Já pessoas com dieta baseada somente em alimentos industrializados e baixo consumo de fibras provavelmente não conseguirão multiplicar e manter as bactérias benéficas ao intestino”, explica o doutor em Genética e Biologia Molecular.

Bactérias benéficas para a perda de peso

Conheca 5 bacterias que fazem bem ou que estao no caminho para curar diversas doencas.
Imagem: iStock

Luiz Felipe Valter explica que há duas principais bactérias relacionadas à perda de peso.

“Há ao menos outros dois estudos científicos (publicados pela editora Springer Nature, líder global em disseminação de pesquisas, e pela especialista em microbiologia de alimentos Frontiers in Microbiology) que apontam a existência de duas bactérias intestinais que estão relacionadas à prevenção do ganho de peso e são frequentemente encontradas em pessoas magras (com índice de massa corporal (IMC) menor do que 18,5):  Akkermansia muciniphila e Christensenella minuta“. É possível aumentar a abundância dessas bactérias por meio do consumo de cranberries, chá preto, óleo de peixe e sementes de linhaça, explica.

Além disso, há diferenças nas composições da microbiota intestinal de pessoas saudáveis e obesas.

“Indivíduos com acúmulo excessivo de gordura corporal – cujo Índice de Massa Corporal (IMC) é maior ou igual a 30 kg/m2, de acordo com a Organização Mundial da Saúde – apresentam um desequilíbrio entre bactérias protetoras e agressoras no intestino com a produção de efeitos nocivos ao organismo, a chamada disbiose”, conta doutor em Genética e Biologia Molecular.

Tecnologia promete ajudar

Os sintomas parecem apesar dos vítus não serem os mesmos
créditos: Pixabay/Pexels

Atualmente, já há tecnologias que permitem ‘fotografar’ o intestino para direcionar dieta.

“Essas tecnologias são capazes de ajudar profissionais da nutrição a conhecer quais bactérias estão colonizando o intestino. E, assim, indicar a alimentação mais apropriada para cada pessoa. O monitoramento do microbioma intestinal pode ser realizado através do sequenciamento de DNA a partir de amostra de fezes. Essa ‘fotografia’ precisa e ampla da saúde do intestino é resultado da combinação do sequenciamento genético de DNA aliado a análises de bioinformática”, explica Luiz Felipe Valter.

É um método que traz informações que não podem ser acessadas por exames laboratoriais convencionais. E assim, permite a identificação não só de um organismo, mas de toda a comunidade bacteriana intestinal. Com o resultado, o profissional de saúde tem condições de elaborar uma dieta mais acertada para controlar a obesidade.

Fonte: Luiz Felipe Valter de Oliveira, doutor em Genética e Biologia Molecular e CEO da startup de biotecnologia BiomeHub.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados