Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 22 de junho de 2021

Problemas no relacionamento? Terapia de casal pode ajudar, afirma psicólogo

Para o psicólogo Rafael do Vale, o que está por trás dos conflitos é quase sempre a falta de disposição para sentar e conversar

Imagem: Prostock-Studio/iStock

O número de divórcios feitos em cartórios de notas do país subiu 26,9% de janeiro a maio deste ano em relação ao mesmo período de 2020. Foram 29.985 separações nos cinco primeiros meses de 2021 contra 23.621 de janeiro a maio do ano passado, segundo os dados do Colégio Notarial do Brasil. A vida em isolamento, ou com distanciamento social, não tem sido fácil para os casais.

Para alguns, esse período, principalmente, tem sido um verdadeiro teste de sobrevivência para o relacionamento. Não à toa, a busca por técnicas terapêuticas, como a terapia de casal, cresceu consideravelmente neste período.

“A terapia de casal gera menos briga e mais carinho, bem como menos rotina e mais interação. Menos cara fechada também e mais beijos, menos achismo e mais conversa, menos celular e mais conexão na cama”, afirma o psicólogo Rafael do Vale.

Leia também: como encontrar o terapeuta de casal ideal

Como é feita a terapia de casal?

sessao de terapia de casal
Para o casal, a terapia é uma grande aliada em tempos de confinamento. (Imagem: fizkes/iStock)

A proposta da terapia de casal vem para aprofundar o autoconhecimento. Sobretudo para que cada um dos integrantes da relação possa entender o seu papel e de que forma pode agir para, também, colocar-se no lugar do outro.

“Vários pontos contribuem para que a relação não se afunde no abismo da separação indesejada. A fidelidade e a confiança são dois pilares essenciais. Na terapia de casal, as propostas também devem incluir a importância do conhecimento do comportamento nas relações interpessoais. Além disso, as formas de reconhecimento do amor entre os envolvidos. Muitas vezes, as pessoas precisam identificar os valores pertinentes aos seus papéis na relação e focar seus comportamentos com o objetivo de uma vida conjugal e familiar mais significativa”, explica o psicólogo.

Embora não haja números que demonstrem crescimento significativo no número de divórcios no Brasil durante a pandemia, a percepção, tanto de psicólogos quanto de advogados e relatos de amigos, é de que os conflitos conjugais escalaram desde o início do confinamento e de que o número de separações passou a estar em alta.

Queixas mais comuns

De acordo com o psicólogo Rafael do Vale, assuntos ligados à rotina da casa e da família, como a divisão das tarefas domésticas e a educação dos filhos, e questões ligadas à sexualidade, como ciúme e falta de vontade de ter relação sexual, estão entre os principais motivos que levam os casais a buscar ajuda psicológica, tanto antes do isolamento quanto agora.

“O que está por trás dos conflitos é quase sempre a falta de disposição para sentar e conversar. Com o tempo, essa falta de intimidade pode custar caro às relações. Ainda mais num período em que as pessoas estão mais sensíveis, confusas, impacientes e sob pressão”, afirma.

As sessões mediadas por uma pessoa neutra, o psicólogo, dão a chance de cada parte do casal expressar o que sente e ser escutada pelo outro. “O que nem sempre acontece no dia a dia, porque as conversas acabam virando briga ou sequer há diálogo”, acrescenta.

Motivos para fazer terapia de casal? Decisões, brigas, filhos, sexo, comunicação, família de origem, prevenção, trabalho, ciúmes e dinheiro. Alguns estudos indicam que muitos casais esperam pelo menos seis anos para buscar ajuda quanto a problemas conjugais sérios. Isso aumenta a chance de o problema ficar tão arraigado e o casal tão angustiado que o aconselhamento será menos eficaz.

Desse modo, como você dificilmente esperaria alguns anos para consultar o médico sobre uma dor forte, é necessário usar a mesma abordagem de “buscar ajuda imediatamente” para o seu relacionamento.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados