A adoção de apenas um hábito saudável é capaz de prevenir ou retardar casos de mal de Alzheimer, diz o psiquiatra Dr. Gary Small, diretor do Centro de Longevidade da Universidade da Califórnia (UCLA). No livro The Alzheimer’s Prevention Program (O programa de prevenção do Alzheimer, editora Workman), ele afirma que as pesquisas ainda não provaram que mudanças de estilo de vida possam afastar a doença, “mas, nas entrelinhas, os indícios são convincentes”.

Perguntamos a ele quais as mudanças mais importantes para os maiores de 60 anos, época em que o risco de mal de Alzheimer começa a aumentar, confira:

Faça exercícios

É claro que essa sempre é a “solução para tudo”, mas os estudos mostram que, quando pessoas sedentárias iniciam um programa para entrar em forma, não são só os músculos de pernas e braços que se fortalecem; porções importantes do cérebro também. “É possível aumentar a musculatura cerebral”, diz o Dr. Small. “Ninguém precisa virar triatleta; basta estacionar o carro um pouco longe do seu destino. Suba escadas. Comece devagar e vá aumentando.”

Administre o estresse

Um estudo verificou que quem se estressa facilmente tem o dobro da probabilidade de desenvolver Alzheimer num período de cinco anos. Meditar ajuda; os estudos comprovam que a meditação aumenta o tamanho
das partes do cérebro que controlam a memória. O tai chi também,
assim como massagens e passeios depois do jantar com um amigo.
Não importa o que faça; não se estresse com o plano de prevenção
da doença de Alzheimer, aconselha o Dr. Small. Pequenos passos nos levam longe.

Alongue a mente

Segundo o Dr. Small, qualquer tipo de desafio mental ajuda a afastar a doença de Alzheimer. Faça um curso ou converse sobre assuntos diversos com amigos. Desde que evitem brigar, o benefício será duplo, já que os estudos indicam que ter uma rede de amigos pode baixar o risco de demência em até 60%.

Alimente o cérebro

Quer manter todos os parafusos no lugar? Coma bem, mas não demais: “Em quem está gordo na meia-idade, o risco de demência dobra”, afirma o Dr. Small. “Em quem é obeso, o risco quadruplica.” Uma alimentação rica em hortifrutigranjeiros, cereais integrais e peixe é boa porque reduz o risco de diabetes, grande aliado da doença.