Cólera. Peste bubônica.Tifo. Gripe. Poliomielite. Varíola. Tuberculose. Elas podem parecer distantes hoje, mas são apenas algumas das doenças que causaram terror ao longo da história, atacando silenciosamente e deixando milhões de corpos para trás.

As primeiras vacinas ocidentais surgiram no século 18, quando o médico e cientista britânico Edward Jenner foi pioneiro em desenvolver uma contra a varíola. Mas foi somente em meados do século 20 que as enfermidades tomaram outro rumo. Isso graças ao advento dos antibióticos e a um aumento no programa de vacinação contra doenças como tuberculose, poliomielite, sarampo, caxumba e rubéola, entre outras. As pessoas não precisavam mais se preocupar com o pior desde o início. Se a tosse do filho era tuberculose, ou que uma febre alta e dor de garganta fossem sintomas da poliomielite. Naquela época, elas confiavam na sabedoria absoluta dos médicos.

Quem são os antivacinas

Nas últimas duas décadas, como as doenças desapareceram graças à vacinação disponível, indivíduos e vários grupos têm participado de um retrocesso. São os os antivacinas, como são conhecidos, que tentam convencer o público de que as vacinas têm consequências terríveis. Alguns antivacinas são contra as vacinas em geral. Ou porque acreditam que o natural é sempre melhor. Ou porque fazem parte de grupos religiosos que proíbem injetar uma substância estranha no corpo. Outros acreditam que a ciência está errada, chamando a atenção para casos individuais assustadores. Esses casos são apresentados de uma forma inteligente na internet, invocando estudos falhos, refutados diversas vezes.

A maioria dos países do mundo ocidental luta contra surtos de doenças que há muito se acreditava terem sido erradicadas.

Talvez o mais notório desses estudos tenha sido o liderado por Andrew Wakefield, gastroenterologista britânico agora desacreditado. Ele causou furor ao ser publicado em 1998 na respeitada revista médica The Lancet. O estudo relacionou a vacina MMR (tríplice viral) com o surgimento de doenças gastrointestinais e autismo. Ao recolher o documento 12 anos depois, a The Lancet observou que as 12 crianças do estudo de Wakefield foram cuidadosamente selecionadas para apoiar suas teorias. Além disso, algumas de suas pesquisas foram financiadas por advogados que representavam pais que estavam processando fabricantes de vacinas. O Conselho Geral Britânico descobriu que Wakefield foi antiético e mostrou “desrespeito às crianças do estudo realizando testes invasivos”.

Mesmo assim, o mito “vacina tríplice viral e autismo” persiste até hoje, com taxas de vacinação ainda inferiores ao que eram antes. Wakefield perdeu seu registro médico por causa do dano que causou. Além do medo da tríplice viral, os questionamentos das pessoas vão de mitos diversos a alegações fraudulentas. Inclusive a de que as vacinas são feitas com tecidos de fetos abortados. E de que a Gardasil, vacina que combate o papilomavírus humano, causador de câncer, realmente é um coquetel assassino tóxico.

A resposta é não e não

Todos esses fatores levaram muitos países ocidentais, inclusive quase toda a Europa, a surtos perigosos de doenças que há muito se acreditava erradicadas. Principalmente o sarampo, que pode ser fatal.

Em um povoado com mil habitantes, por exemplo, são necessárias apenas duas crianças sem vacinação para causar um surto. As duas podem contaminar centenas e, em seguida, milhares de pessoas se o surto ultrapassar os limites do povoado. É por isso que a Organização Mundial da Saúde (OMS) determina que 95% de uma população deve ser vacinada para ganhar o que é conhecido como “imunidade de grupo”. O propósito é proteger os mais vulneráveis: bebês, idosos e pessoas com o sistema imunológico comprometido. No Brasil, em 2017, a cobertura vacinal ficou em apenas 77%.

A Dra. Heidi Larson, antropóloga da Escola de Higiene & Medicina Tropical de Londres, diz que há uma preocupação genuína com a segurança das vacinas. No entanto, os efeitos colaterais geralmente se resumem a dor no local da injeção ou dor de estômago, que dura uma noite. Não justificam o risco de não ser vacinado.

A questão da confiança

A Dra. Heidi lidera o Projeto de Confiança nas Vacinas, uma ação gigantesca de monitoramento. Em 2016, a pesquisa do projeto com 65.819 pessoas em 67 países descobriu que a maioria acredita que as vacinas são importantes. Mas a confiança delas nas vacinas é pouca, principalmente na Europa. Surpreendentes 41% dos entrevistados na França e 36% na Bósnia e Herzegovina contestaram sua segurança, comparados com uma média global de 12%.

“Toda vez que você toma um remédio, existe um risco”, continua a Dra. Heidi. “Mas a questão é mais complexa quando se trata de ser espetado por uma agulha em um momento em que não há provas concretas de ameaças de doença.”

Os antivacinas suspeitam que a ciência por trás das vacinas seja ruim. E acreditam que as indústrias farmacêuticas estão nisso apenas pelos lucros. Uma rápida vasculhada na internet traz notícias e estudos novos, como “Novas Investigações no Controle de Qualidade das Vacinas: Micro e Nanocontaminação”. Escrito por dois cientistas italianos, Antonietta Gatti e Stefano Montanari, ele foi publicado no Journal of International Vaccines and Vaccination. Esta parece uma publicação oficial. No entanto, dê alguns cliques a mais no site e você verá que a revista é publicada por um grupo chamado MedCrave. O grupo se autodescreve como “deslumbrado com a ciência e suas maravilhosas formas e que agora traz esta beleza para você”.

Ida Milne é historiadora da Universidade Maynooth em County Kildare, na Irlanda, e autora de Empilhando os caixões. O livro trata da guerra, da revolução e da epidemia de gripe espanhola de 1918-1919. Ida afirma, assim como outros especialistas, que esses sites são perigosas armadilhas nas quais as pessoas podem cair.

O problema europeu

Só nos primeiros seis meses deste ano, mais de 41 mil crianças e adultos na região europeia da OMS foram infectados pelo sarampo. Isso corresponde a 70% a mais do que durante todo o ano de 2017. Pelo menos 37 pessoas morreram este ano por causa do sarampo.

Em 2017, grandes surtos ocorreram em 15 dos 53 países na região europeia; os piores na Romênia, com 5.562 casos, na Itália, com 5.006 casos e na Ucrânia, com 4.767. Trinta pessoas morreram. Na França, este ano, um surto de sarampo na região de Nouvelle-Aquitaine viu mais de 500 novos casos só em fevereiro e a morte de uma mulher de 32 anos na cidade de Poitiers. Em um comunicado à imprensa, a autoridade regional de saúde declarou que essa morte deve lembrar às pessoas que verifiquem se foram vacinadas. E, se não, que o façam rapidamente porque essa é a única maneira de deter uma “epidemia”. Aqui no Brasil já são mais de mil casos de sarampo confirmados em 2018.

 

Saiba como se proteger do sarampo, clicando aqui.

 

Em todo o continente, histórias sobre perda e sofrimento são ao mesmo tempo desoladoras e um apelo à ação. Na Romênia, Ion Pravatat, prefeito de Valea Seaca, cidadezinha na parte centro-oriental do país, revelou que uma bebê de 10 meses morreu em decorrência do sarampo em fevereiro. Seus pais se recusaram por escrito a vacinar os filhos depois de verem reportagens na TV mostrando que as vacinas matam. “A comunidade ficou chocada com essa tragédia, e em seguida a taxa de vacinação aumentou para 85%”, diz ele.

A reação dos governos

Mas como mudar a opinião das pessoas? Confrontados com essas mortes desnecessárias, alguns governos decidiram que a situação é uma epidemia em potencial, se não uma pandemia. E é tão terrível que nem vale a pena tentar persuadir as pessoas a vacinar seus filhos voluntariamente. Em vez disso, eles tornaram 10 vacinas infantis obrigatórias. Ponto final.

Em novembro passado, a Itália foi a primeira a seguir esse caminho, tornando as vacinas pré-requisito para as crianças entrarem na escola. No entanto, o novo governo populista eleito em março rapidamente enfraqueceu essa regulamentação. Eles eliminaram a exigência de que os pais forneçam um atestado médico como prova de que seus filhos foram protegidos. É um retrocesso perigoso, dizem especialistas.

“O que me surpreende como médico é que para uma criança ser matriculada em uma aula de natação, um médico precise assinar um atestado de boa saúde. No entanto, uma criança não vacinada pode ir para a pré-escola com uma simples declaração dos pais”, diz o Dr. Roberto Burlioni, professor de microbiologia e virologia da Università Vita-Salute San Raffaele em Milão. Ele é autor do livro Vacinas não são uma opção. “Uma criança não vacinada pode infectar outras, como estamos vendo na atual epidemia de sarampo. A maior incidência é em crianças com menos de um ano. Elas são pequenas demais para serem vacinadas e só podem ser protegidas por meio da imunidade coletiva.”

A Romênia está considerando medidas obrigatórias semelhantes às do antigo governo italiano.

A França assumiu a linha mais dura de todos. Ao anunciar a decisão na Assembleia Nacional Francesa, o primeiro-ministro Édouard Philippe disse: “Crianças estão morrendo de sarampo hoje na França, na terra natal de Louis Pasteur (pioneiro da vacina). Isso é inaceitável.”

Crianças com menos de 1 ano são pequenas demais para serem vacinadas. Elas só podem ser protegidas por meio da imunidade coletiva.

A reação ao movimento tem sido dividida. Alguns grupos de pais o aprovam com base no fato de que a saúde e a segurança dos filhos superam a liberdade de escolha. Outros afirmam que as pessoas não gostam de receber ordens, principalmente de autoridades nas quais elas tendem a não confiar mais.

“Não sou fã de medidas mandatórias”, diz a Dra. Heidi Larson, do Projeto de Confiança nas Vacinas. “Acho que as pessoas devem agir por vontade própria, porque acreditam que é bom para elas.” Para a Dra. Heidi, a questão está em encontrar maneiras mais positivas de envolver o público. Isso inclui profissionais da saúde dedicando mais tempo em ouvir os medos dos pacientes e responder em uma linguagem compreensível, e campanhas de imunização que atinjam as próprias crianças.

Acima de tudo, isso requer contar histórias que lembrem as pessoas de como era antigamente e como pode ser no futuro, de epidemias e pandemias que dizimaram milhões de pessoas de uma vez, até civilizações inteiras. “As pessoas esquecem”, diz a historiadora Ida Milne. “É por isso que escolhi esse trabalho. Não podemos esquecer.”

 

O caso do pequeno Micha

Era uma noite úmida de sexta-feira em fevereiro e o fim de uma longa semana de trabalho. Nicole Gommers terminou de acomodar seu alegre  bebê de oito meses, Micha, no berço, e depois colocou o filho mais velho na cama. Então, seu celular tocou.

antivacinas

Bebês, como Micha, idosos e pessoas com o sistema imunológico comprometido estão sob maior risco.

 

“Nicole, tenho más notícias”, disse uma voz familiar. Era o diretor da creche que os dois meninos frequentavam, na esquina depois do apartamento da família em Haia, nos Países Baixos. Uma menina mais velha, que participava do programa de atividades da creche depois do horário escolar e não tinha sido vacinada contra sarampo, estava com a doença. Agora, pais de crianças que podiam ter tido contato com a garota estavam sendo avisados. “Não é o Ben”, disse o diretor. “É com Micha que você precisa se preocupar.”

Micha? Mas ele estava no berçário da creche, proibido às crianças mais velhas porque os bebês ainda eram muito novos para serem vacinados. Parece que a menina infectada levou um brinquedo para os bebês. O vírus do sarampo pode sobreviver no ar ou em superfícies por até duas horas.

Os Países Baixos passavam por um longo surto de sarampo que tinha começado em maio do ano anterior em seu “Cinturão Bíblico”, comunidades de protestantes calvinistas ultraconservadores que vão da província de Zelândia, no sul, à província de Overijssel, no nordeste. Por fim, o surto se espalharia até a Colúmbia Britânica, no Canadá, a 7.500 km de distância, quando um turista exposto ao vírus voltou para casa. Mas, certamente Micha seria poupado, Nicole pensou.

Primeiros sintomas

A febre surgiu alguns dias depois. Em seguida ele ficou letárgico e começou a vomitar. Por fim, a erupção cutânea reveladora. Da noite para o dia, Micha tornou-se uma estatística: uma das 2.700 pessoas que tinham a doença.

Para Nicole e o marido, Jörgen, um arquiteto, os números não seriam capazes de contar sua história de medo. Quatro anos e meio depois, as imagens e os sons ainda passam pela cabeça de Nicole. Micha, mole e apático, deitado em um leito de hospital, o corpinho coberto por linhas intravenosas que transportavam fluidos, suplementos e antibióticos para combater a pneumonia dupla que ele desenvolvera; médicos e enfermeiros com máscaras entrando e saindo do lugar; o bipe-bipe lento do monitor rastreando seus sinais vitais.

Mesmo quando o corpo de Micha  finalmente respondeu aos antibióticos, os médicos explicaram que ainda havia um risco de ele desenvolver outras enfermidades ligadas ao sarampo. Uma infecção de ouvido, que poderia deixá-lo surdo; encefalite secundária, na qual seu sistema imunológico imaturo poderia atacar células saudáveis no cérebro; ou – o mais assustador de tudo – meningite, uma inflamação nas membranas que envolvem a medula espinhal e o cérebro.

Tudo porque um casal decidira que não era necessário vacinar a filha?

O destino de Micha

Depois de mais de um mês de altos e baixos, Nicole cochilava ao lado do berço de Micha quando ouviu uma risadinha familiar. Abrindo os olhos, ela viu uma mãozinha se aproximando para pegar seu cabelo encaracolado. Nesse momento soube que o filho ficaria bem. Ela, no entanto, também sabia que queria impedir que outra pessoa passasse pelo mesmo pesadelo. Depois de contar a história para um jornal, Nicole de repente se viu como um para-raios de pessoas de ambos os lados de um debate amargo e comovente. Alguns eram de apoio, mas a maioria era mordaz.

“Eles disseram que vacinar ou não é uma escolha de cada um”, lembra ela. “Mas o direito do meu filho de viver é mais importante do que isso.”

antivacinas

Micha, hoje com 5 anos, e sua mãe, Nicole.

 

Hoje, Micha tem 5 anos e é um menino muito carinhoso. Recentemente, quando Nicole comprou um sorvete para o filho, ele cuidadosamente o lambeu, então falou:

– Mãe, eu tenho uma vida linda.

– Você tem – disse Nicole, pensando o quanto esteve perto de isso não acontecer. – Ah, Micha, você tem sim.

Por Lisa Fitterman