No período que precede a menstruação, quando a TPM acontece, inegavelmente, cerca de 95% das mulheres,  sentem pelo menos uma variação psicológica ou física. As mais comuns são: alterações das mamas, que se tornam mais firmes, pesadas e doloridas; retenção de líquido; inchaço nas mãos e tornozelos; leve diarreia; ganho transitório de peso; falta de energia; cefaleia; irritabilidade; transtornos de sono e abatimento. Contudo, segundo especialistas, existem mais de 150 sintomas para essa fase.

Enfim, cerca de uma em cada três mulheres apresenta distensão abdominal, sensibilidade nas mamas, insônia, dor de cabeça e outros sintomas da tensão pré-menstrual (TPM) cinco a sete dias antes da menstruação. Outras 3% a 8% experimentam uma versão mais grave, o transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM). Cada mulher tem, em média, 451 ciclos menstruais na vida, e sentir-se péssima durante quatro ou cinco dias antes de cada ciclo representa mais de seis anos de sofrimento. Fuja desse desconforto com as dicas a seguir.

Causas da TPM

É provável que haja uma relação entre as mudanças hormonais durante o ciclo menstrual e as substâncias químicas do cérebro relacionadas ao humor, chamadas neurotransmissores, particularmente a serotonina e as endorfinas. Há evidências de que o sistema nervoso autônomo, responsável pelos processos involuntários, como a respiração e a frequência cardíaca, também desempenhe função importante.

O que há de novo

Entretanto, uma TPM grave pode ser um sinal de um sistema nervoso permanentemente deprimido. Pesquisadores japoneses propuseram essa teoria no fim de 2007, após determinarem a frequência cardíaca e os níveis hormonais de 62 mulheres e avaliarem seus sintomas físicos, emocionais e comportamentais antes e durante a menstruação. As mulheres com TPM mostraram quedas significativas na variação da frequência cardíaca, um sinal do funcionamento do sistema nervoso autônomo.

Assine nosso conteúdo exclusivo

Medicamentos que previnem a doença

Nos Estados Unidos, dois medicamentos foram aprovados para evitar a forma mais grave da TPM conhecida como transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM). No entanto, muitos médicos também os prescrevem para quem tem TPM. O primeiro é uma dose baixa do antidepressivo fluoxetina. Além disso, em vários estudos, ele aliviou os sintomas da TPM/TDPM de 60% a 75%. Entretanto, existe uma versão cíclica da fluoxetina prescrita para TDPM que deve ser usada durante os 14 dias anteriores à menstruação. O segundo medicamento é um contraceptivo oral que combina estrogênio e uma nova forma de progestina. Ele alivia os sintomas pré-menstruais, e alguns estudos concluíram que diminui consideravelmente os sintomas do TDPM.

Mesmo os anticoncepcionais orais comuns, tomados por 24 dias, com 4 dias de pausa, em vez dos 21 dias típicos, com 7 dias de pausa, reduzem os sintomas da TPM. Converse com seu médico.


Você tem o gene?

No fim de 2007, pesquisadores identificaram a primeira ligação genética da TPM com seu “primo” mais grave, o transtorno disfórico pré-menstrual (TDPM). O gene em questão afeta a maneira como as mulheres reagem às mudanças nos níveis de estrogênio; nas mulheres com TPM, as mutações no gene fazem com que elas reajam de forma anormal. Contudo, as mutações também reduzem os níveis de dopamina, uma substância química no cérebro relacionada ao humor.


Principais estratégias de prevenção

Siga uma dieta para fortalecer os ossos, por exemplo. Ou seja, tenha uma alimentação rica em cálcio e vitamina D, que ajuda o corpo a absorver o cálcio. Ninguém sabe ao certo por que essa combinação funciona – é possível que a TPM seja justamente causada por uma deficiência de cálcio –, mas um grande estudo feito com cerca de 3 mil mulheres descobriu que aquelas que ingeriam cerca de 1.200 mg de cálcio e 400 UI de vitamina D originados dos alimentos eram três vezes menos propensas a ter TPM do que aquelas que ingeriam bem menos.

O leite desnatado é uma grande fonte dos dois nutrientes, assim como o suco de laranja enriquecido. Embora a ingestão de cálcio dos alimentos ofereça os melhores benefícios , sem dívida, também há evidências de que os suplementos ajudam. Tanto para evitar a TPM quanto para manter a saúde dos ossos. Um estudo feito com 248 mulheres concluiu que as que tomaram suplementos de 1.200 mg de carbonato de cálcio por três meses tiveram a intensidade da TPM reduzida quase à metade em comparação com as que tomaram placebo.

Recorra ao agnocasto

Vários estudos comprovaram que o uso de um extrato do fruto da árvore vítex evita os sintomas da TPM. Em um estudo feito com 170 alemãs, 86 receberam o extrato seco de vítex , enquanto 84 tomaram placebo. Os pesquisadores examinaram seis sintomas da TPM – irritabilidade, oscilações de humor, raiva, dor de cabeça, dor nas mamas e distensão abdominal – e descobriram que eles melhoraram em mais de 50% na maioria das mulheres que tomaram o extrato em comparação a nenhuma melhora no grupo das que tomaram placebo.

Segundo especialistas, existem
mais de 150 sintomas para essa fase.

Reforços para a prevenção da TPM

Coma, sobretudo, menos gordura e mais vegetais. Um estudo com 33 mulheres saudáveis descobriu que a redução na ingestão de gordura diminuiu a duração e a intensidade da dor. De 40% para 20%, seguiram uma dieta vegetariana. Aliás, melhorou a concentração e reduziu as oscilações de humor e o inchaço anteriores à menstruação.

De modo geral, de fato, a incidência de distensão abdominal caiu de quase 3 dias para 1,3 dia. As oscilações de humor de 1,7 para 1,1 dia, e os problemas de concentração, de cerca de 2 dias para menos de 1 dia. A explicação pode estar nessa dieta que equilibra as oscilações hormonais ao diminuir os níveis de estrogênio no sangue.


Como a alimentação pode te ajudar nesse período?

– Nesses dias é melhor controlar o consumo de cafeína, álcool e evitar comidas muito salgadas.

– Ingira mais cálcio: o cálcio ajuda a reduzir os distúrbios do humor. As melhores fontes são os produtos derivados do leite, bebidas à base de soja, salmão ou sardinha enlatada e folhas verdes.

– Invista em uma alimentação rica em magnésio: sementes de girassol, nozes, amêndoas, lentilha, legumes, soja e vegetais verdes ajudarão no combate à dor de cabeça e depressão que são causadas pela TPM.

– Vitamina B6: alimentos como carne bovina e suína, frango, peixes, cereais à base de farelo de trigo, banana, abacate e batata estimularão a produção de serotonina e reduzirão os sintomas de depressão e, sem dúvida, a ansiedade.

– Óleo de prímula: Esse óleo, disponível em cápsulas, contém um ácido graxo essencial chamado ácido gama-linolênico. Enfim, esse ácido bloqueia as prostaglandinas inflamatórias que contribuem para cólicas e sensibilidade dos seios.


Considere os suplementos

Vários estudos sugerem que tomar 100 mg de vitamina B6 ou de 200 a 360 mg de magnésio por dia (em três doses diárias, começando depois de 15 dias do início da menstruação), como resultado, alivia os sintomas da TPM. Em suma, fale com seu médico antes de usar qualquer um desses suplementos por longos períodos.


Uma ajudinha fitoterápica

Algumas ervas podem ajudar no tratamento da TPM, sabia?

Sálvia Esclareia – Para dores durante a menstruação e transtornos emocionais. O óleo essencial da sálvia esclareia é muito utilizado no tratamento de aromaterapia no combate à tensão pré-menstrual.

Árvore da Castidade – seus extratos têm mostrado uma grande capacidade de aliviar os principais sintomas da TPM.

Peônia Branca – Comumente usada na China e no Japão para tratar cólicas menstruais, sangramentos excessivos, miomas uterinos e outros problemas.


IMPORTANTE

Mas essas ervas não podem ser tomadas junto com pílulas anticoncepcionais. Sobretudo, com terapia de reposição hormonal ou outros tratamentos que afetem o equilíbrio hormonal. Todo tratamento, INCLUSIVE os fitoterapêuticos, portanto, devem ter supervisão médica.