Faça uma busca
|
Publicado em: 24 de novembro de 2020

Como o uso indiscriminado de antibióticos cria superbactérias

Saiba como o mundo está se preparando para lidar com as superbactérias e suas consequências

Imagem: ilkaydede/iStock

Uma nova pandemia pode surgir em breve, mas dessa vez causada por superbactérias. O motivo? O uso indiscriminado de antibióticos. O hábito de prescrever desnecessariamente esse tipo de medicamento, e seu uso equivocado por parte dos pacientes, tem gerado mutações mais resistentes.

Atualmente, as infecções bacterianas têm sido as maiores causadoras de mortes pelo mundo. E com a perda de eficácia no combate por meio de antibióticos essa situação tende a se agravar nos próximos anos.

Antibióticos podem criar superbactérias

As bactérias fazem parte da nossa vida e da nossa constituição humana. No nosso corpo, carregamos bactérias que são benéficas para o funcionamento adequado dos nossos órgãos. Entretanto, existem algumas bactérias que nos causam doenças e precisam ser exterminadas.

superbactérias
Imagem: Manjurul/iStock

Para que isso ocorra é necessário recorrer aos antibióticos. Porém, existem bactérias fracas, que são facilmente eliminadas com remédio, e fortes, que resistem aos medicamentos. As que não morrem permanecem no nosso organismo e podem até mesmo proliferar e gerar novas infecções.

Mas por que isso acontece? Existem alguns motivos para esse diagnóstico, mas o principal é o uso descontrolado de antibióticos, tanto em hospitais quanto pela população.

Para adquirir um antibiótico é necessário ter uma receita controlada. A farmácia retém a segunda via da prescrição com o objetivo de gerar um relatório de controle para a Anvisa e demais vigilâncias sanitárias da venda desses produtos. No Brasil, mais de 120 substâncias estão inseridas na lista de antimicrobianos sujeitos à retenção.

Se o uso é interrompido antes do período estipulado, por exemplo, pode acarretar na resistência das bactérias consideradas fortes; tornando-as superbactérias. Se um antibiótico é receitado sem necessidade, também.

Portanto, é muito importante seguir corretamente o uso dos antibióticos e utilizá-los somente quando houver prescrição médica. Já os profissionais de saúde precisam avaliar cautelosamente se é indispensável ou não o seu uso.

Principais ações de controle

Órgãos de saúde do mundo todo já estão cientes desse cenário. Em 2015, durante a Assembleia Geral das Nações Unidas, foi assinada uma declaração para coordenar os países-membros na busca por antibióticos mais eficientes.

pesquisa científica
Imagem: AlexRaths/iStock

Além disso, em 2017, o Brasil lançou o Plano de Ação em Resistência aos Antimicrobianos. Entre as principais medidas estão o incentivo de pesquisas na área - na busca por um medicamento mais potente - e o aumento no controle de prescrições e de uso de antibióticos sem receita médica.

Empresas de medicamentos também estão envolvidas nessa missão. Recentemente, mais de 20 empresas farmacêuticas e de biotecnologia criaram o Fundo de Ação contra a Resistência a Antimicrobianos (AMR). O objetivo é desenvolver de 2 a 4 novos antibióticos até 2030.

Todos esses esforços têm uma grande motivação. O aumento de superbactérias resistentes precisa ser freado, pois projeções mostram que, se nada for feito, mais de 10 milhões de pessoas poderão morrer até 2050. A boa notícia é que ainda dá tempo evitar o pior.

Por Thaís Garcez

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close