Eu sinto tudo.

Meus Divertidamente estão todos doidos.

Sinto Saudade. Com S maiúsculo.

Saudade dos avós que já se foram.

Dos Natais quando eu tinha 5 anos.

Saudade da mousse de chocolate que eu comi ontem depois do almoço.

E choro, como choro com tudo.

Choro ouvindo música.

Choro com as crianças abandonadas.

Sofro assistindo filmes de drama.

E também vendo meu cãozinho dormindo.

Choro com vídeos de superação e empatia.

Esses aí eu choro cataratas.

Dizem que sentir pena é uma coisa ruim, mas de tudo?!

Tenho pena de acordar minha irmã, por exemplo.

E tenho pena até dos meninos que eu já dei fora na vida.

Até dos que mereciam.

Sinto amor também.

Por cada pessoa que entra na minha vida.

Por cada pessoa que me tira um sorriso.

Sinto amor por pessoas gentis.

Queria gritar TE AMO pros motoristas que param para eu atravessar a rua.

E quem trabalha cedo com alegria?

Amo num nível que meu coração vira brigadeiro de paçoquita.

Sinto amor até pelas minhas covinhas.

Geralmente, elas conquistam pessoas antes mesmo de eu abrir a boca.

Obrigada, Covinhas.

Amor pela mousse que eu comi ontem.

Que mousse!

Ela poderia se chamar Michael B. Jordan, de tão maravilhosa e sexy.

Ódio, por sua vez, não sinto.

O ódio, quando invade, faz estrago.

Não por fora, por dentro mesmo.

Se ele se alastra, é igual fogo.

E aí, só os outros Divertidamente pra conter esse sentimento.

E aquela mousse, claro.

Marina Estevão
Marina Estevão
Formada em Jornalismo pela PUC-RJ, sua paixão é escrever sobre o que vive, o que vê e o que sente. Afinal, toda história tem vários lados, o que muda é a forma de contá-la – sempre de bom humor.