Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 25 de julho de 2020

Gatilho emocional: entenda o que é e como lidar com ele

Para quem cai na "armadilha", é muito mais do que apenas um sentimento ruim; Entenda.

Imagem: AntonioGuillem/iStock

O termo “gatilho emocional” entrou no vocabulário dos mais jovens recentemente por causa de um post no Twitter. O que muitos não sabem é que a maioria das pessoas possuem o tal gatilho, apesar de ser difícil identificá-lo.

Provavelmente, você já se sentiu mal ao ouvir algum comentário; ou até mesmo o contrário, você acabou deixando alguém “pra baixo”, sem querer, ao fazer algum comentário ou uma brincadeira.

Para evitar esse tipo de situação, vamos explicar melhor o que são gatilhos emocionais e como reconhecê-los.

O que é gatilho emocional?

Gatilhos podem ser bons ou ruins. Na psicologia, “gatilho” significa qualquer evento capaz de acionar novos comportamentos. Por exemplo, quando vemos um programa de culinária e ficamos com fome automaticamente. Esse seria um exemplo positivo, certo?

(Imagem: fizkes/iStock)

Porém, imagens de violência física, abuso sexual, crimes ou situações estressantes podem gerar gatilhos negativos e causar desconfortos, crises de choro e ansiedade, possivelmente ligados a um trauma pessoal. Esse tipo de gatilho pode piorar a saúde emocional de uma pessoa já traumatizada.

Como reconhecer e tratar gatilhos

Reconhecer gatilhos é importante para tratá-los e evitar crises. Para isso, é fundamental encontrar a fonte do problema, seja um trauma de infância ou eventos específicos que tenham dado início aos desconfortos emocionais.

Tratar o ponto principal dos gatilhos faz eles perderem força. Se for preciso, conte com a ajuda de um psicólogo ou psicoterapeuta para facilitar o processo. Profissionais qualificados auxiliam em um tratamento completo e ajudam a melhorar a saúde mental como um todo.

(Imagem: Prostock-Studio/iStock)

Compartilhe seus gatilhos com amigos e familiares. Dessa forma, eles terão mais atenção antes de fazer um comentário ou mostrar alguma imagem. Além disso, fica mais fácil de lidar com o problema com o apoio de pessoas de confiança.

É fundamental gerar um sentimento de compreensão e autoestima consigo mesmo. Ser gentil com os próprios sentimentos e pensar positivo enfraquece os gatilhos negativos.

Cuidados na Internet

É importante repensar os conteúdos postados na Internet como um todo, e ter alguns cuidados antes de compartilhar imagens ou vídeos. Algumas redes sociais, como Instagram e Twitter, já possuem configurações específicas para fazer um alerta de um post que possui conteúdo sensível. Mas, ainda assim, algumas publicações não passam pelo filtro e ficam expostas.

Por esse motivo, é importante que os posts possuam um “alerta de gatilho” para atentar sobre conteúdos delicados que podem gerar desconforto ou o início de alguma crise.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados