Faça uma busca
|
Publicado em: 9 de abril de 2022

7 sintomas de diabetes que todo homem deveria saber

Douglas Ferreira
Última atualização: 9 de abril de 2022
Por: Douglas Ferreira

Conheça os sinais de alerta que não é bom ignorar.

7 sintomas de diabetes que todo homem deveria saber Imagem: LightFieldStudios/iStock

Segundo dados do Ministério da Saúde, a diabetes cresceu 54% na população masculina, nos últimos 11 anos. Apesar de a diabetes ser uma doença com sintomas amplamente conhecidos pela população, há alguns sintomas que a população masculina deve ficar atenta.

1. Você fica com muita sede

A sede excessiva é comum no diabetes tipo 2; na verdade, parece que nem toda a água do mundo conseguiria saciá-la. Isso se deve ao aumento do nível de glicose no sangue; o excesso de açúcar se acumula na corrente sanguínea e força os rins a trabalharem mais para filtrá-lo e absorvê-lo; quando não conseguem, eles aumentam a produção de urina. Você vai urinar mais, o que pode causar desidratação e dará ainda mais sede. Se notar que vai ao banheiro toda hora ou sente sede excessiva (ou a boca sempre seca), converse com o médico.

2. Os cortes ao barbear demoram para cicatrizar

“Quando a glicemia sobe, os cortes podem levar mais tempo para fechar”, diz a Dra. Jane Holmes-Walker, endocrinologista de Sydney, na Austrália.“Talvez você note mais bolinhas e espinhas nos folículos da barba. As glândulas sebáceas do rosto também são vulneráveis a infecções de baixo nível quando há diabetes tipo 2.”

3. Pés e mãos ficam dormentes e formigam

Uma complicação mais avançada são as lesões nervosas, a chamada neuropatia periférica diabética. Talvez você sinta formigamento, dor ou dormência nos pés ou a sensação de estar andando em algodão ou em pedras. A Dra. Holmes-Walker diz que essa sensação se apresenta num padrão de meia ou luva. “Acontece primeiro quando se calçam as meias e pode surgir na ponta dos dedos da mão bem mais tarde”, explica ela.

4. A ponta do pênis fica vermelha e inchada

Entre os muitos sinais de alerta do diabetes tipo 2 estão a disfunção erétil e uma doença chamada balanite. “Em geral, ela se deve ao aumento da cândida, uma moradora normal da pele que se multiplica com o nível elevado de glicose do sangue”, explica a Dra. Holmes-Walker. Caso sinta inchaço da glande e do prepúcio ou qualquer dor ou corrimento, consulte o médico. Ele vai recomendar a melhor maneira de limpar a área e talvez receite um creme fungicida ou antibiótico, dependendo da fonte do problema.

Leia também: 5 mitos mais comuns sobre diabetes revelados

5. O humor fica péssimo

De todos os problemas provocados pelo diabetes, os transtornos do humor são famosos. Um estudo australiano constatou que uma em quatro pessoas com diabetes tipo 2 tem depressão e uma em seis, ansiedade. O equilíbrio glicêmico é importante para a estabilidade do humor. Num estudo americano de 2016, o diabetes foi associado ao aumento da probabilidade de depressão em idosos. Quanto maior o período desde o diagnóstico de diabetes, mais provável o surgimento da depressão.

Leia também: Como a glicose pode afetar o seu humor e a sua memória

6. Você vê “moscas volantes”

Embora o diabetes possa prejudicar os olhos, geralmente os sintomas só surgem quando a doença está mais avançada. Com o tempo, a glicemia alta danifica os vasos sanguíneos da retina, provocando hemorragias e causando a retinopatia diabética. Talvez você note “mosquinhas” pretas esvoaçando no campo de visão, talvez sua visão também fique embaçada. É importante fazer um exame com dilatação da pupila, porque o diabetes é uma causa importante de cegueira evitável.

7. As gengivas sangram

A Dra. Holmes-Walker diz que os diabéticos têm o triplo da probabilidade dos não diabéticos de apresentar periodontite, infecção que prejudica a gengiva e pode causar perda de dentes. Gengiva vermelha, inchada e com sangramento é um sintoma comum da doença. É importante consultar o dentista para controlar o problema, porque a infecção também funciona no sentido contrário: os problemas da gengiva podem aumentar a glicemia e provocar diabetes.

Leia também: Diagnosticado com diabetes? Veja como encontrar o médico certo para você!

POR JESSICA MIGALA E KATHY BUCHAMAN