Faça uma busca
|
Publicado em: 3 de julho de 2020

Dicas preciosas para lidar com a depressão na terceira idade

A depressão é uma das doenças que mais afetam os idosos no Brasil.

Imagem: Ridofranz/iStock

A depressão na terceira idade acomete cerca de 11,1% da população entre 60 e 65 anos. Esses dados, recolhidos pela Pesquisa Nacional de Saúde de 2013, indicam que a depressão é um problema sério que prejudica a qualidade de vida dessa parcela da sociedade.

Muitas pessoas pensam que a tristeza vem com o envelhecimento, embora nada possa estar mais longe da verdade. E há indícios de que a depressão pode manifestar-se como insônia, perda de peso, fadiga e sensibilidade à dor física em vez de baixo-astral. 

A perda de foco, a falta de concentração e o raciocínio lento são sinais comuns de depressão em um estágio tardio da vida. Embora os sintomas também sejam vistos na demência, existem algumas diferenças fundamentais. 

Depressão na terceira idade 

Rápido declínio mental, dificuldade de concentração, fala e movimentos mais lentos e consciência aguda de problemas de memória. 

Demência na terceira idade

Lento declínio mental, sensações de confusão e desorientação (incluindo perder-se em lugares conhecidos), problemas óbvios com escrita, fala e movimento, problemas de memória de curto prazo e falta de consciência deles. 

Pesquisadores californianos descobriram que alguns idosos são propensos a vivenciar um tipo de depressão subclínica –  a depressão subsindrômica –, que não é grave o bastante para ser classificada como depressão profunda, mas pode fazer cada dia parecer um esforço árduo e contínuo. Com apoio e o tratamento certo (psicoterapia e medicamentos), você pode superar essas sensações. Quatro itens o farão ajudar a si mesmo:

Dormir o suficiente

Dormir bem é fundamental para recuperação do organismo. Se você tem dificuldades, uma boa solução é usar a valeriana na forma de chá ou comprimido, que você pode encontrar em lojas de produtos naturais. A valeriana é uma planta que induz o sono, mas sem os efeitos colaterais dos medicamentos convencionais.

Exercitar-se regularmente

O exercício libera uma série de hormônios que nos trazem mais bem-estar. Além disso, eles ajudam na respiração, aceleram os batimentos cardíacos e ajudam na perda de peso. Uma boa dica é o exercício aeróbico, que qualquer pessoa pode praticar.

Seguir uma dieta saudável, bem equilibrada

Uma alimentação balanceada pode nos ajudar a viver melhor e ter mais energia. Por isso, se alimentar bem no dia a dia é fundamental para ter mais qualidade de vida. Se você tem dúvidas de como preparar um almoço saudável e saboroso para levar para o trabalho, confira este artigo! Além disso, estudos comprovam que uma alimentação rica em ômega-3 também ajuda no combate a depressão. Por isso, invista no consumo de peixes!

Mantenha-se perto de amigos

Quanto mais perto você estiver de pessoas que te amem, menos solitário você se sentirá. Estabeleça uma rede de comunicação sólida entre seus amigos e parentes, de modo que você possa sempre ter a quem recorrer nos dias mais difíceis. 

Aqui estão mais 6 passos que podem ser úteis na caminhada contra a depressão!

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close