Faça uma busca
|
Publicado em: 21 de agosto de 2021

Menopausa precoce: por que ocorre e como tratar?

A menopausa precoce é aquela que atinge mulheres antes dos 51 anos, mas médico explica que há tratamentos que podem ajudar

Imagem: fizkes/iStock

A menopausa é a transição da fase reprodutiva para a não reprodutiva. Neste período, o ovário para de funcionar e interrompe a produção dos óvulos e dos hormônios, afetando a fertilidade. Na menopausa precoce, esta etapa ocorre antes do previsto.

"A menopausa precoce é aquela que acontece anos antes da idade habitual. No Brasil, a média de entrada na menopausa é de 51 anos. Por isso, qualquer idade anterior já é considerada como menopausa precoce. Antes dos 40 é pouco comum e é rara antes dos 30 anos", explica Dr. Fernando Boldrin, ginecologista e obstetra.

Menstruação irregular, com hiatos de até 3 meses, e ondas de calor – os chamados fogachos – são alguns dos principais sintomas.

Qual é a causa?

A menopausa precoce ocorre quando a mulher já nasce com uma reserva menor que a esperada de folículos ovarianos ou quando essa reserva de folículos acaba de forma mais rápida que o habitual ao longo de sua vida.

"A principal causa é genética. Quanto mais cedo a menopausa precoce acontecer, mais o médico terá de averiguar a possibilidade de alterações genéticas nessa paciente", afirma Dr. Boldrin.

Segundo o Ministério da Saúde, estudos mostram que:

  • 0,1% das mulheres entram na menopausa antes dos 30 anos.
  • 0,25% das mulheres entram na menopausa antes dos 35 anos.
  • 1,0% das mulheres entram na menopausa antes dos 40 anos.

Fatores de risco

Além da influência genética, o médico também aponta outros fatores de risco que influenciam o surgimento da menopausa antes da idade cronológica da paciente. São eles:

  • tabagismo;
  • hábitos de vida;
  • exposição a metais pesados e poluição ambiental;
  • exposição à quimioterapia e radioterapia devido a tratamentos de câncer.

Sintomas da menopausa precoce

tratamentos para menopausa precoce
As ondas de calor é um dos sintomas da menopausa precoce. (Imagem: fizkes/iStock)

Os sintomas da menopausa precoce são os mesmos sintomas que acontecem na idade habitual. "Esses sintomas estão relacionados à deprivação do estrógeno, o principal hormônio feminino do corpo da mulher", explica o especialista.

São eles:

  • ondas de calor, com sudorese e vermelhidão na pele;
  • ausência de menstruação por mais de 3 meses;
  • ressecamento vaginal;
  • alterações no envelhecimento normal de pele e cabelo;
  • osteoporose;
  • Alzheimer.

Algumas mulheres têm poucos sintomas na menopausa precoce. Já outras, não chegam a apresentar nenhum. As escolhas alimentares podem ajudar bastante nesse período.

Tratamento para menopausa precoce

tratamentos para menopausa precoce
A reposição hormonal é um tratamento eficaz e seguro. (Imagem: fizkes/iStock)

Uma vez que os ovários param de funcionar, os níveis de estrogênio e progesterona da mulher caem drasticamente. Por isso, o tratamento é feito com uma reposição hormonal.

"O tratamento é feito com o estrogênio e, se a mulher ainda tiver útero, associado também à progesterona. A tática, seja na idade habitual ou na menopausa precoce, é usar sempre hormônio bioidêntico e na menor dose possível", esclarece Boldrin.

Além disso, o especialista explica que mulheres que estão recebendo hormonioterapia devem ficar atentas à sua saúde.

"Deve haver uma vigilância sobretudo com os seus níveis de açúcar, colesterol, tireoide e mama. Uma vez por ano fazer um ultrassom de mama e a mamografia. Enquanto a mama estiver do nosso lado, pode seguir a reposição hormonal", conclui.

Vale destacar que a reposição hormonal ajuda a prevenir o surgimento de osteoporose nas mulheres, e, mediante recomendação médica, pode-se ser sugerida a reposição de vitamina D também.

Gravidez na menopausa precoce

Outra dúvida bem comum entre as mulheres é se na menopausa precoce é possível engravidar. De acordo com Dr. Fernando, a mulher não poderá engravidar pelo método de gestação natural, usando seus próprios óvulos.

No entanto, o médico explica que a paciente, caso deseje, poderá engravidar, desde que seja submetida a um tratamento usando óvulos doados.

"Será feita uma fertilização in vitro, em um laboratório de reprodução humana, usando o espermatozoide de seu marido e o óvulo de uma doadora. Será procurada uma doadora com tipagem sanguínea, cor de cabelo, olhos e ascendência racial compatível com os pais. E assim, a mulher poderá gerar e realizar o seu sonho de maternidade", completa.


Fonte: Dr. Fernando Boldrin. Ginecologista e obstetra. CRM SP 101444.CRM SP 101444

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


close