Na última década, no panorama mundial, a expectativa de vida de mulheres e homens aumentou em mais de três anos – as mulheres passaram de 67,98 para 71 e os homens, de 63,36 para 66,52 anos. Como isso é possível? Melhorias em assistência médica e redução da mortalidade infantil são parte da explicação, assim como melhorias no grau de escolaridade. O fato é que podemos viver mais e estender a vida ativa. E de jeitos quase improváveis… confira abaixo:

Por LOUISE ATKINSON
  • 1. Discuta com o parceiro

    Não engula mágoas. Pesquisadores da Universidade de Jena, na Alemanha, constataram que quem expressa raiva e outras emoções negativas pode esperar viver até dois anos a mais do que quem reprime os sentimentos e guarda mágoas. Com o tempo, a raiva engolida pode causar hipertensão arterial, insônia, problemas cardiovasculares e aumentar o risco do surgimento de câncer.

    nd3000/iStock
  • 2. Vá dormir mais cedo

    Os pesquisadores acham que a falta de sono afeta a capacidade do organismo de lidar com os hormônios do estresse. O professor Francesco Cappuccio, especialista em sono da Universidade de Nápoles, diz: “Quem dorme menos de seis horas por noite tem mais risco de morrer prematuramente.”

    Basta uma hora a mais na cama por só seis semanas para baixar a pressão arterial. Um estudo da Harvard Business School verificou que, para quem dormia sete horas ou menos por noite, ir se deitar uma hora antes provocou queda na pressão (e no risco de infarto do miocárdio e derrame cerebral).

    millann/iStock
  • 3. Coma vegetais vermelhos

    “Um pimentão vermelho tem mais vitamina C que uma laranja, a beterraba contém nitratos que ajudam a relaxar os vasos sanguíneos, e os tomates são riquíssimos em licopeno (poderoso antioxidante), principalmente quando cozidos, e ajudam a proteger do câncer, da cardiopatia e de outros problemas de saúde”, explica a Dra. Susan Jebb, do Conselho de Pesquisa Médica de Cambridge, no Reino Unido.

    dianazh/iStock
  • 4. Tente ler uma revista de cabeça para baixo

    Todo dia, saia deliberadamente da sua zona de conforto – lendo de cabeça para baixo, por exemplo – para provocar um leve estresse cerebral e danificar neurônios. Ao reparar esse dano, o corpo também repara outros ligados ao envelhecimento, diz o Dr. Marios Kyriazis, da Sociedade Britânica de Longevidade. Ele sugere outras estratégias: escrever com a mão não dominante, defender uma opinião contrária às suas crenças e até ouvir músicas que detesta.

    leolintang/iStock
  • 5. Comece a se mexer

    Estudos mostram que basta uma atividade mínima (como se remexer) para provocar a liberação do fator neurotrófico derivado do cérebro (BDNF), substância química que, de acordo com o psiquiatra John Ratey, da Escola de Medicina de Harvard, reverte a deterioração celular ligada ao envelhecimento. Ele recomenda ajustar o alarme do celular e se alongar, se sacudir ou andar um pouco a cada hora.

    AndreyPopov/iStock
  • 6. Cuide do jardim

    “A jardinagem combina exercícios cardiovasculares com os de flexibilidade, resistência e força muscular – e muitas vezes se obtêm benefícios reais de um jeito muito mais agradável do que passar horas se exercitando na esteira”, diz o Dr. Roger Henderson, clínico geral britânico e especialista em combate ao envelhecimento.

    Basta podar roseiras durante 45 minutos ou cavar 25 minutos para queimar até 150 calorias, de acordo com a Sociedade Nacional de Horticultura da França.

    Zbynek Pospisil/iStock
  • 7. Mantenha-se sexualmente ativo

    Um estudo com homens de 45 a 59 anos no País de Gales verificou que a prática regular do sexo tem efeito protetor; os galeses que atingiam orgasmos frequentes duas vezes por semana tinham risco 50% mais baixo de morte precoce.

    Além de promover a circulação e reduzir o estresse, o sexo libera DHEA, um dos formadores da testosterona que ajuda a reparar e sarar os tecidos; também é um antidepressivo natural, principalmente para as mulheres.

    jacoblund/iStock
  • 8. Fofoque

    Uma boa fofoca entre amigas aumenta o nível do hormônio progesterona, que reduz a ansiedade e o estresse, segundo pesquisadores da Universidade de Michigan. Depois de apenas 20 minutos, eles verificaram que as moças que fofocavam tinham mais progesterona que as outras.

    E não são só as mulheres que se beneficiam. De acordo com o Instituto Karolinska, de Estocolmo, ter boas amizades platônicas e laços sociais fortes reduz bastante o risco de infarto do miocárdio e doença coronariana fatal em homens de meia-idade.

    Tamara Dragovic/iStock
  • 9. Coma menos sal

    Se cada porção corresponde a meio grama de sal, reduzir uma por dia significa uma queda de 3,5 gramas por semana. A maioria de nós consome 9 g de sal por dia, 3 g além do nível saudável. Essa pequena mudança pode bastar para nos pôr na linha e reduzir o risco de acidente vascular cerebral e doenças cardiovasculares.

    Svetlana_Angelus/iStock
  • 10. Pratique ioga

    Um estudo indiano feito com cardíacos constatou que alongamentos prolongados (na prática da ioga) combinados a exercícios aeróbicos moderados e controle da alimentação reduziram o colesterol e reverteram o enrijecimento das artérias (em até 20%).

    Quando não os alongamos, músculos e tendões encurtam; a amplitude de movimentos acaba se reduzindo e a pressão sobre as articulações aumenta.

    Halfpoint/iStock
  • 11. Durma em camas separadas

    Dividir a cama atrapalha o sono e afeta a saúde, diz o Dr. Neil Stanley, que administra os laboratórios do sono da Universidade de Surrey. Sua pesquisa mostra que, quando um parceiro se mexe dormindo, há 50% de probabilidade de o outro também mudar de posição (o sono dos dois é atrapalhado sem que percebam); o ronco piora muito a situação.

    “Muitos dizem que gostam de sentir o parceiro ao lado enquanto dormem. Mas é preciso estar acordado para sentir isso.”

    OcusFocus/iStock
  • 12. Não saia da cama às segundas no inverno

    A probabilidade de morrer na segunda-feira é 18% maior que no domingo (talvez pelo estresse de voltar ao trabalho) e a de morrer no inverno, 25% maior que no verão, diz a Dra. Sarah Brewer, clínica geral londrina e autora do livro Live Longer, Look Younger (Viva mais, pareça mais jovem).

    A culpa é do relógio biológico, que influencia a pressão arterial, o ritmo cardíaco e a atividade cerebral.

    LSOphoto/iStock
  • 13. Tome uma xícara de chá por dia

    Cientistas de Roterdã demonstraram que o aumento da ingestão de chá pode prevenir cardiopatias isquêmicas. Eles verificaram que quem tomava uma ou duas xícaras de chá por dia tinha probabilidade 43% menor de morrer de doença cardíaca do que quem consumia menos de uma xícara.

    rezkrr/iStock
  • 14. Respire por um canudinho

    Reserve alguns minutos por dia para respirar profundamente por um canudo; com esse exercício simples respiramos mais fundo, o que melhora a função e a capacidade pulmonares (que se reduzem com a idade), diminui o ritmo cardíaco e baixa a pressão, diz o Dr. Mike Moreno, autor de O plano dos 17 dias para manter-se jovem.

    MichellePatrickPhotographyLLC/iStock
  • 15. Continue rindo

    O humor aumenta o nível de anticorpos e células do sistema imunológico que combatem infecções, segundo pesquisadores da Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia. Uma análise do riso durante sete anos demonstrou que quem achava o mundo mais engraçado teve probabilidade 35% menor de morrer durante o período do estudo. Quem recebeu diagnóstico de câncer teve probabilidade 70 vezes maior de sobreviver até o fim do estudo quando era adepto do riso e do humor.

    Alife/iStock
  • 16. Tenha amigos saudáveis

    A sociabilidade não protege tanto a saúde quanto se pensa. O segredo é passar bastante tempo com gente saudável, porque já se comprovou que os amigos têm enorme influência inconsciente sobre nosso comportamento.

    A Dra. Consuelo López Nomdedeu, especialista em nutrição do Instituto Nacional de Saúde Pública de Madri, diz que esse padrão também se aplica a casais: “Quando a mulher engorda, é comum o marido engordar junto.”

    DisobeyArt/iStock
  • 17. Pratique tacadas

    Um estudo com 600 mil suecos sugere que jogar golfe aumenta a expectativa de vida em cerca de cinco anos.

    “Uma rodada de golfe significa ficar quatro ou cinco horas ao ar livre, andando de seis a sete quilômetros vigorosamente, algo que faz bem à saúde”, diz o professor Anders Ahlbom, do Instituto Karolinska, de Estocolmo.

    kzenon/iStock

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!