Não é segredo que a exposição ao sol sem proteção, ter pele mais clara e sardas aumenta a suscetibilidade ao câncer de pele. No entanto, há outros fatores que também aumentam a probabilidade de apresentar a doença, que ataca 1 em cada 5 pessoas.

Suco de laranja no desjejum

Quem tomou suco de laranja ou comeu grapefruit pelo menos uma vez por dia teve risco de câncer de pele 36% maior do que quem consumiu essas frutas duas vezes por semana, segundo estudo publicado na revista Journal of Clinical Oncology, que acompanhou mais de 100 mil adultos por 25 anos. As frutas cítricas contêm compostos que deixam a pele mais fotossensível. Mas não é preciso reduzir o consumo, diz o Dr. Abrar Qureshi, diretor do Departamento de Dermatologia da Escola de Medicina da Universidade Brown e principal autor do estudo; basta diminuir a exposição ao sol, principalmente nas horas seguintes à ingestão dessas frutas.

Uso de viagra

Em um estudo da revista JAMA Internal Medicine, os homens que tomaram o medicamento tiveram probabilidade 84% maior de ter melanoma num período de dez anos. São necessárias mais pesquisas para provar a ligação. Contudo, os homens com mais de 50 anos têm o dobro da probabilidade das mulheres de desenvolver e morrer de câncer de pele; quer usem Viagra, quer não – e precisam tomar muito cuidado com a proteção da pele.

Doenças autoimunes

Quando o sistema imunológico enfraquece, o risco de câncer de pele pode disparar. Essa é uma preocupação para os milhões de pessoas no mundo com artrite reumatoide, lúpus, doença de Crohn e outras moléstias em que o corpo se ataca.

Os medicamentos que suprimem a reação imune, usados nessas doenças, podem piorar o problema. Num estudo, por exemplo, os inibidores do fator de necrose tumoral utilizados no tratamento da artrite reumatoide aumentaram em 50% o risco de melanoma. Em outros dois estudos, quem tomou drogas imunossupressoras chamadas tiopurinas para controlar a síndrome do intestino irritável ficou mais suscetível ao câncer de pele não melanoma. Esse é um grande problema, diz a Dra. Mona Gohara, professora-assistente de Dermatologia na Escola de Medicina da Universidade de Yale. Eis a solução: “O câncer de pele é fácil de tratar quando descoberto cedo. Portanto, faça autoexames mensais e consulte o médico de seis em seis meses”, diz a Dra. Gohara.

Mais de uma dose por dia

Uma análise de 16 estudos constatou que ingerir bebida alcoólica em excesso aumenta em 20% o risco de melanoma. A explicação é que talvez compostos do álcool deixem a pele mais sensível. E a pessoa fica mais descuidada com a proteção ao sol; os que consumiram mais de quatro drinques ou algumas cervejas por dia tiveram 55% de aumento do risco de melanoma.

Mais de 11 sinais no braço

Mulheres com essa quantidade de sinais apresentaram probabilidade nove vezes maior de ter mais de cem sinais espalhados pelo corpo inteiro, um fator de risco do melanoma, dizem os pesquisadores do King’s College, em Londres.

Por Karyn Repinski

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!