Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 1 de outubro de 2020

Aspirina: aliado milagroso contra ataques cardíacos

Um comprimido tomado imediatamente após um ataque cardíaco reduz o risco de morte em 23%

Imagem: Garsya/ Istock

A aspirina é, para muitas pessoas, um fiel componente de qualquer armário de remédios. Mas além de sua função analgésica, muito usada para curar dores de cabeça, a aspirina é também uma arma de primeira linha contra ataques cardíacos.

Origem da aspirina

Suas origens datam de 400.a.C. Hipócrates aliviava as dores e febres dos seus doentes com um pó extraído da casca do salgueiro, a salicina. Em 1987, um químico alemão descobriu uma forma eficiente de fabricar um composto semelhante, o ácido acetilsalicílico, ao qual a empresa onde trabalhava, deu o nome de aspirina. Atualmente, o consumo anual em todo o mundo é de cerca de 58 bilhões de comprimidos.

Ajuda ao coração

Embora muita gente tome aspirina para aliviar dores e baixar a febre, a inflamação ou o inchaço, certos estudos sugerem que duas em cada cinco doses do medicamento destinam-se a prevenir doenças cardíacas. De fato, em questões do coração os humildes comprimidos brancos têm-se revelado preciosos.

Um a três comprimidos de 100mg por dia parecem contribuir para a redução do risco de um segundo ataque cardíaco em cerca de 20% dos pacientes. Segundo pesquisas atuais, tomar diariamente 75mg, ou uma dose pediátrica, é o suficiente.

Pesquisadores relacionam infarto a cristais de colesterol

Investigações preliminares sugerem que, dos homens pertencentes a grupos de alto risco – incluindo os fumantes, os fisicamente inativos, hipertensos e os que sofrem com colesterol alto ou diabetes – mesmo aqueles que nunca tiveram um ataque cardíaco beneficiam-se com o uso do medicamento.

Inclusive, a aspirina pode ser benéfica mesmo durante um ataque cardíaco. Por isso, alguns médicos recomendam que as pessoas tomem um comprimido de 500mg aos primeiros sinais de um ataque cardíaco.

“Verificou-se que um comprimido tomado imediatamente após um ataque cardíaco e nos 30 dias seguintes reduz o risco de morte em 23%”

Claro que a aspirina ainda é usada no combate às dores e febres. E, embora anti-inflamatórios não esteróides, como o ibuprofeno, tenham expulsado a aspirina de alguns armários caseiros de medicamentos, ela continua popular entre as vítimas de artrite.

De que modo atua a aspirina?

A aspirina atua principalmente evitando que as células do corpo produzam prostaglandinas, substâncias semelhantes a hormônios, que regulam muitas atividades do organismo. Um grupo de prostaglandinas sensibiliza os receptores da dor, outro provoca vermelhidão e febre e outro ainda determina a rapidez com que ocorra agregação plaquetária. Isto é: que as plaquetas de sangue formem coágulos para estancar a hemorragia.

Quando as células deixam de fabricar prostaglandinas, a dor e a febre abrandam e as plaquetas perdem a capacidade de formar coágulos, possíveis causadores de ataque cardíaco ou de acidentes vasculares.

Veja também: Casca de salgueiro-branco – o AAS natural

Além disso, as prostaglandinas podem ser elas próprias causadoras de danos. O tecido canceroso do cólon contém um nível alto e suspeito de prostaglandinas. Assim, estas podem contribuir para a inflamação dos vasos sanguíneos, responsável pela criação de tecido novo nas paredes das artérias.

Este crescimento pode restringir o fornecimento de sangue ao coração ou ao cérebro. E, assim, elevar o risco de ataque cardíaco ou acidente cardiovascular. Assim, doses elevadas de aspirina podem controlar esta inflamação.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados