Faça uma busca


|
Publicado em: 10 de outubro de 2020

Aterosclerose: entenda o que é e como a alimentação pode ajudar

Descubra como o cuidado com sua alimentação pode ajudar a prevenir a aterosclerose.

Imagem: Shidlovski/iStock

À medida que envelhecemos, nossas artérias perdem parte da elasticidade e ficam mais rígidas. Isso pode evoluir para uma condição progressiva, conhecida como arteriosclerose ou endurecimento (esclerose) das artérias. A aterosclerose é o tipo mais comum de arteriosclerose. É causada pelo acúmulo de placas gordurosas nas artérias.

Coágulos sanguíneos tendem a se formar nas placas gordurosas de aterosclerose, levando a alto risco de infarto do miocárdio ou acidente vascular cerebral (AVC). O colesterol é o principal componente da placa aterosclerótica. E vários estudos correlacionam níveis sanguíneos elevados de colesterol e triglicerídeos à aterosclerose.

A maioria dos homens por volta dos 50 anos apresenta algum grau de aterosclerose. Nas mulheres, o processo demora mais, presumivelmente graças aos efeitos protetores do estrogênio durante a fase reprodutiva. Após a menopausa, a probabilidade de obstrução importante das artérias das mulheres é igual a dos homens.

A causa precisa da aterosclerose não é conhecida. Entretanto, a maioria dos especialistas concorda que a suscetibilidade genética e uma combinação de fatores ligados ao estilo de vida aceleram o processo: alimentação rica em gordura e colesterol, tabagismo, excesso de estresse e sedentarismo. Diabetes e hipertensão mal controlados também podem contribuir.

Pesquisadores concordam que a alimentação tem um papel crucial, tanto no desenvolvimento quanto no tratamento da aterosclerose. Leia estas orientações para retardar ou prevenir seu surgimento:

1. Limite o consumo de gorduras

A ingestão total de gorduras não deve exceder 20% a 35% das calorias, e as gorduras saturadas (encontradas principalmente em produtos de origem animal) não devem ultrapassar 10% das calorias totais. Algumas estratégias incluem:

  • reduzir as porções de carne
  • trocar manteiga e margarina por azeite de oliva
  • usar laticínios semidesnatados ou desnatados
  • aumentar o consumo de hortaliças

Além disso, especialistas sugerem reduzir o consumo de ácidos graxos trans e gorduras hidrogenadas. As gorduras trans são resultado de hidrogenação e aumentam comprovadamente os níveis do colesterol “ruim”. São encontradas em alimentos industrializados, como biscoitos doces e salgados, e petiscos, como batatas fritas.

Leia também: Não corte totalmente a gordura! Saiba o quanto consumir em cada idade

2. Cuidado com o colesterol

Embora não se acredite que a alimentação rica em colesterol seja tão prejudicial quanto uma dieta rica em gordura, em algumas pessoas a primeira eleva os níveis de lipídios sanguíneos.

Você está com o colesterol alto? Saiba como evitar e tratar esse problema!

3. Opte por gorduras saudáveis para o coração

Os ácidos graxos ômega-3 do salmão, da sardinha e de outros peixes de água fria reduzem os níveis de triglicerídeos. E também diminuem a tendência à formação de coágulos sanguíneos. As gorduras monoinsaturadas do azeite de oliva, das amêndoas e do abacate, ao substituírem gorduras saturadas, ajudam a reduzir o LDL-colesterol.

4. Coma fibra

Farelo e cereais de aveia, leguminosas, cevada, goma de guar, psyllium e frutas que contêm pectina (como pera, maçã e frutas cítricas) são ricos em fibras solúveis que reduzem o colesterol no sangue, provavelmente por interferirem na absorção intestinal de ácidos biliares e forçarem o fígado a usar o colesterol circulante para produzir mais bile.

Confira 21 maneiras de incluir mais fibras na alimentação.

5. Inclua na alimentação o máximo possível de alimentos ricos em antioxidantes

Frutas e hortaliças coloridas contêm betacaroteno e vitaminas C e E, que, conforme indicam estudos, evitam o acúmulo de LDL-colesterol nas placas ateroscleróticas. A proteína da soja ainda ajuda a aumentar os níveis de HDL-colesterol (o “bom” colesterol) e fornece proteção antioxidante.

Além da dieta

Além de medicamentos como niratos, betabloqueadores e estatinas, mudanças no estilo de vida podem ajudar:

Praticar exercícios

Estudos mostram que exercícios suaves a moderados podem proteger contra a doença.

Parar de fumar

O cigarro prejudica a estrutura dos vasos sanguíneos.

Fazer checkups regulares

Um médico deve monitorar a pressão e a glicemia.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados