A gravidez ectópica é um distúrbio grave que consiste na formação do embrião fora do útero. Embora, possa parecer algo incomum, no Brasil são notados mais de 150 mil casos de gravidez ectópica por ano. A tuba uterina é, sem dúvida, o local mais comum da gravidez ectópica, mas ela pode ocorrer no colo do útero, no ovário ou (muito raramente) no abdome. O distúrbio é considerado grave, pois, ao crescer, o embrião rompe a parede da tuba e provoca hemorragia fatal.


Atenção: Para ter o diagnóstico correto dos seus sintomas e fazer um tratamento eficaz e seguro, procure orientações de um médico ou farmacêutico.


gravidez ectopica
(Ace2020/iStock/Seleções)

Quais são as causas da gravidez ectópica?

De acordo com estudos realizados, acreditasse que, embora todas as mulheres possam ter uma gestação ectópica, alguns fatores contribuem para a ocorrência do caso, como ter realizado cirurgia ou apresentar uma deformidade na estrutura das tubas uterinas – o que poderia impedir o óvulo fertilizado de chegar até o útero. Outros fatores de riscos são: ter doenças inflamatórias pélvicas e endometriose, além de ser fumante. O uso inadequado do DIU, também pode contribuir para a ocorrência do problema. 

Quais são os sintomas da gravidez ectópica?

mulher sentindo dor
dragana991/iStock

Os sintomas da gravidez ectópica variam e talvez possam aparecer somente após o rompimento da estrutura que abriga a gravidez. Em geral, a mulher sente dor na parte inferior do abdome, às vezes unilateral, e/ou sangramento vaginal (com frequência marrom-escuro e em menor volume do que na menstruação normal).

A menstruação pode estar atrasada quando esses sinais surgem. Algumas mulheres não sabem que estão grávidas. A ruptura da gravidez ectópica causa dor abdominal intensa e difusa.

Leia mais: Miomas uterinos: saiba os sintomas e como se prevenir

Além disso, outro sintoma é a dor no ombro, decorrente de irritação dos nervos abdominais que também inervam o ombro. A mulher pode desmaiar em razão da hemorragia de grandes proporções e apresentar sudorese e pele pegajosa.

Como é feito o diagnóstico?

Além do exame ginecológico, faz-se um teste de gravidez, seguido por ultrassonografia. A gravidez ectópica pode não ser detectada por esses métodos nos casos iniciais, e assim é necessária uma laparoscopia para exame direto das tubas uterinas.

Quais são as opções de tratamento?

(Imagem: peakSTOCK/iStock)

O tratamento habitual é a retirada cirúrgica da gravidez ectópica tubária. Além disso, muitas vezes, a tuba também é retirada. Se houver ruptura, a operação é uma emergência. Em alguns casos, é possível usar medicamento, no lugar da cirurgia.

O medicamento – administrado em uma única injeção – interfere em uma vitamina essencial (folato), necessária para o tecido em rápido crescimento da gravidez ectópica.

Qual é o prognóstico da gravidez ectópica?

(Imagem: Blue Planet Studio/iStock)

Várias mulheres têm uma gravidez normal posterior; mas a fertilidade é reduzida e, em alguns casos, há recorrência do distúrbio. Por isso, talvez haja necessidade de fertilização in vitro e acompanhamento médico constante.

Leia mais: Entenda o que é infertilidade e conheça os principais tratamentos