O melasma se caracteriza pelo surgimento de manchas escuras na pele, tanto no rosto quanto no corpo, como braço, pescoço e colo. Na maioria dos casos, elas podem ser vistas nas maçãs do rosto, no lábio superior, na testa, nas têmporas e no queixo.

Mas como isso acontece?

Bom, a condição é uma hiperpigmentação da pele, causada pela alta concentração de melanina, proteína responsável pela coloração da pele.

Como dito acima, isso resulta na formação de manchas escuras na pele, de formato irregular e com diferentes tamanhos.

Leia também: Manchas na pele em idosos: o que você precisa saber sobre elas

Imagem: VLG/iStock

Quais são as causas do melasma?

Não existe uma causa definida para a condição, mas o que sabemos é que ela aparece mais em mulheres do que em homens.

Os sintomas estão relacionados ao uso de anticoncepcionais, à exposição ao sol e à gravidez, de acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia.

O que desencadeia a condição?

A grande exposição ao sol e à luz ultravioleta são fatores que desencadeiam o melasma.

Além desses, os fatores hormonais, a predisposição genética, a gravidez, a disfunção da tireoide e o uso de cosméticos que irritam a pele também influenciam para o surgimento da condição.

Leia mais: tireoide — sintomas e tratamentos para os principais distúrbios 

Quais são os tratamentos?

Os tratamentos para essa condição costumam variar, podendo fazer o uso de medicamentos tópicos, procedimentos para o clareamento das manchas e proteção contra raios ultravioleta – sendo este último o mais importante.

Imagem: yuuurin/iStock

O uso de cremes, pomadas e até mesmo ácidos podem fazer parte do procedimento para melhorar a condição.

Mas, para um tratamento adequado voltado para à sua pele, o indicado é consultar um médico dermatologista, para que o procedimento dê resultados positivos.

Como se prevenir do melasma?

Agora, para se prevenir do melasma é necessário estar sempre protegido do sol.

O uso de protetor solar, por exemplo, deve ser feito diariamente, mesmo se o dia estiver nublado ou chuvoso. Inclusive, é necessário que ele seja reaplicado ao longo do dia, para proteção total.

As pessoas com melasma devem fazer o uso de chapéus, bonés, óculos escuros e sombrinhas, por exemplo, para evitar a exposição solar da área comprometida.

Infelizmente o melasma é uma condição que não tem cura, e normalmente é crônica e pode voltar de tempos em tempos. Por isso, o ideal é que você esteja sempre atento, faça o uso correto do protetor solar e se consulte com frequência com um dermatologista.