Localizada na frente do pescoço, a tireoide é uma glândula em forma de borboleta cuja principal função, aliás, é regular o metabolismo.“É como o acelerador do carro”, explica o Dr. Ashley Grossman, professor de endocrinologia da Universidade de Oxford. “A tireoide nos mantém funcionando regularmente.”

No entanto, quando esse sistema se desregula, as consequências são sentidas no corpo inteiro. As mulheres têm cinco a oito vezes mais chances de apresentar transtornos da tireoide. Na maioria dos casos, não há prevenção, mas depois de identificado, o problema pode ser tratado com eficácia.

Transtornos

O transtorno mais comum, o hipotireoidismo (“hipo” significa “menos”), acontece quando a tireoide não produz hormônios suficientes para manter o metabolismo funcionando com boa velocidade. Geralmente ocorre porque o sistema imunológico ataca a glândula. Os sinais de alerta são cansaço, ganho de peso, depressão e prisão de ventre. A pessoa pode não apenas ficar muito sensível ao frio como notar que a pele e o cabelo estão secos.

Sintomas

Como os sintomas tendem a se desenvolver aos poucos, nesse ínterim, podem ser confundidos com sinais de envelhecimento. Pois é comum o hipotireoidismo passar anos sem ser diagnosticado. Quando os exames de sangue indicam a baixa atividade da tireoide como a fonte dos problemas, é possível compensar os hormônios faltantes com medicação diária. Dependendo do nível, seu tratamento pode exigir monitoramento constante, mas aos poucos você começa a se sentir melhor.

Às vezes, em vez de desacelerar, a tireoide acelera o metabolismo. A causa mais comum, por exemplo, é a doença de Grave, um transtorno autoimune. Mas, entre os efeitos pode haver ansiedade mudança de humor, dificuldade para dormir, aumento do apetite, mais sensibilidade ao calor, taquicardia, emagrecimento e sensação de inchaço no pescoço por causa do aumento do tamanho da glândula. O hipertireoidismo (“hiper” significa “mais”) pode ser tratado com medicamentos, radiação (para lesionar a glândula e reduzir sua eficácia) ou, em casos extremos, remoção da tireoide – e, depois comprimidos para hipotireoidismo a fim de repor os hormônios.

A tireoide instável pode voltar a funcionar normalmente por conta própria, ainda mais se o problema for causado por medicamento ou vírus, mas os transtornos duradouros, quando não tratados, podem causar complicações.

➽ HIPOTIREOIDISMO

Alimentos prejudiciais
Nozes
Farinha de soja

Alimentos benéficos
Cenoura
Batata-doce
Mamão
Melão-cantalupo
Espinafre
Folhas de nabo


CUIDADO!

INTERAÇÃO MEDICAMENTOSA
Se você está tomando um hormônio tireóideo sintético, limite a ingestão de fibras. Alguns alimentos (nozes, farinha de soja), suplementos (ferro, cálcio) e medicamentos (certos antiácidos, antiulcerosos e hipolipemiantes) podem ter o mesmo efeito. Por isso, para evitar essas interações, o hormônio tireóideo deve ser ingerido em jejum.


Sem dúvida, um exame de sangue solicitado pelo médico determina se a tireoide está funcionando bem. A princípio, o tratamento demanda reposição hormonal por toda a vida.

Conexão nutricional

Estas medidas podem ajudar:

Coma mais alimentos ricos em betacaroteno
A tiroxina, hormônio usado para tratar o hipotireoidismo, acelera a conversão do betacaroteno em vitamina A no organismo. Dessa forma, quem sofre de hipotireoidismo precisa ingerir mais betacaroteno para satisfazer as necessidades de vitamina A. De fato, as melhores fontes: frutas e legumes amarelos ou laranja de cor viva e verduras verde-escuras.

Cozinhe o brócolis 
Algumas hortaliças, sobretudo repolho, brócolis e outras verduras crucíferas, contêm substâncias bociogênicas, que bloqueiam os efeitos dos hormônios da tireoide. Dessa forma, o cozimento inativa as substâncias bociogênicas.

Além da dieta

Não bagunce a medicação
Mesmo quando os sinais e sintomas desaparecem, é preciso manter a medicação para que os níveis dos hormônios permaneçam adequados e permitir que seu médico monitore a efetividade do remédio. Isto é, consulte-o antes de fazer qualquer alteração em sua medicação.

Vigie as calorias e exercite-se
Os distúrbios da tireoide e os medicamentos podem causar ganho de peso; fique atento para limitar os quilinhos indesejáveis.

13,5 milhões de pessoas têm hipotireoidismo, mas não sabem.

Quem é afetado? 

• Pessoas com alguma doença hepática, como hepatite, cirrose ou câncer
• Pessoas com distúrbios sanguíneos, como anemia hemolítica
• Portadores de síndromes genéticas, como síndrome de Gilbert
• Pessoas com obstrução dos dutos biliares
• Recém-nascidos

ζ

➽ HIPERTIREOIDISMO

Alimentos prejuciais
Bebidas cafeinadas (café da manhã não precisa ter cafeína)

Alimentos benéficos
Laticínios
Produtos de soja
Couve
Folhas de mostarda

Conexão nutricional

Embora mudar a alimentação não evite nem reverta o hipertireoidismo, alguns dos sinais e sintomas podem ser aliviados pelas seguintes medidas:

Evite cafeína 
A última coisa que alguém com hipertireoidismo precisa é de mais estimulantes.

Mantenha uma ingestão adequada de cálcio e vitamina D 
Como o hipertireoidismo pode contribuir para a osteoporose (saiba o que é e como se prevenir), é importante ingerir bastante cálcio todos os dias (1.000 mg a 1.200 mg) e vitamina D (600 a 800 unidades internacionais, UI). Boas fontes alimentares incluem laticínios, produtos de soja e verduras folhosas verde-escuras. Como, por exemplo, couve e folhas de mostarda. Conheça também 6 alimentos que fortalecem os ossos.

Além da dieta

Para abordar preocupações com o hipertireoidismo, siga estas dicas:

Consulte um oftalmologista
Quando o hipertireoidismo provoca exoftalmia (protrusão dos globos oculares) e, por isso, é fundamental que seja feito um acompanhamento por um oftalmologista. Por outro lado, um exame de vista pode revelar muitas coisas.

Evite remédios para resfriados
Já que muitos remédios contra resfriados contêm estimulantes, eles podem superestimular as pessoas com hipertireoidismo.

Quem é afetado? 

• Mulheres, especialmente durante seis meses após engravidar ou ter um bebê
• Pessoas entre 30 e 60 anos
• Pessoas com história familiar de doenças da tireoide
• Pessoas com doenças autoimunes

Faça exames de sangue regularmente e peça a seu médico que inclua uma pesquisa sobre a sua tireoide.