Estamos em plena campanha de vacinação contra a gripe promovida anualmente pelo Ministério da Saúde. A meta para este ano de 2019 é imunizar 58,6 milhões de pessoas até o dia 31 de maio, quando se encerra a campanha. Contudo, todos os anos surgem diversos mitos sobre a vacina da gripe. Confira abaixo as 7 mentiras mais comuns e acabe com elas!

Mito 1: Você não precisa tomar, porque já foi vacinado

“Novos vírus da gripe aparecem a cada ano”, afirma Caroline Sullivan, enfermeira e professora assistente de enfermagem da Universidade Columbia. “Estudos mostram que a imunidade do corpo à gripe, quer por meio da infecção natural, quer por meio da vacinação, diminui com o tempo.”

Mito 2: Você está velho demais para tomar a vacina

A vacinação é especialmente importante para pessoas que tenham 65 anos ou mais, porque elas correm um alto risco de complicações decorrentes da gripe. Pergunte ao seu médico sobre duas vacinas desenvolvidas especificamente para essa faixa etária. A “vacina de alta dose” contém quatro vezes a quantidade de antígeno da vacina comum contra a gripe e resultou em uma redução de 24% nas infecções por influenza em um estudo clínico. A “vacina contra a gripe com adjuvante” desencadeia uma resposta imune mais forte; um estudo observacional comprovou que ela foi 63% mais eficaz do que as doses regulares de vacina sem adjuvante contra a doença.

Mito 3: A vacina vai fazer você pegar uma baita gripe

As vacinas contra a gripe são feitas com vírus não ativos (portanto, não infecciosos) ou até sem nenhum vírus. Algumas pessoas apresentam febre e dores após a vacina, quando a resposta imune do corpo entra em ação, mas essas reações costumam durar apenas um dia ou dois e são muito menos graves do que os sintomas reais da gripe.

É bom ressaltar que a vacinada gripe protege o corpo contra a gripe mas não contra resfriados. Por isso, é importante se cuidar. Mas se você já estiver resfriado não se preocupe, confira 8 maneiras simples de vencer o resfriado.

Mito 4: Você já teve gripe este ano, então a vacina é inútil

Você tem certeza de que não foi outro vírus? “Muitos vírus provocam sintomas semelhantes aos da gripe”, diz Ali Mileski, enfermeira sênior de um hospital de Nova York. E pegar a cepa de uma gripe não o mantém protegido das outras. A vacina típica pode proteger você contra três ou quatro cepas previstas para atingir o país no próximo ano.

Leia também: Confissões de um vírus da gripe

Mito 5: Você não deve se exercitar no dia em que tomar a vacina

Exercitar-se antes ou depois de tomar a vacina pode ajudar seu corpo a produzir mais anticorpos contra a gripe. Em um estudo da Universidade Estadual de Iowa, estudantes que correram ou pedalaram por 90 minutos depois de tomar a vacina contra a gripe tiveram quase duas vezes mais anticorpos que os que não se exercitaram.

Mito 6: É tarde demais para se preocupar agora

A gripe não é exclusiva de um período do ano. Assim, mesmo que você tenha perdido a campanha de vacinação – que este ano no Brasil foi de abril a junho –, ainda é recomendável tomar a vacina contra a gripe.

Mito 7: A vacina tem de doer

Uma pesquisa da Target/Harris Interactive mostrou que 23% dos adultos não tomam a vacina por ter medo de agulhas. Mas, para evitar o tormento da gripe, uma picadinha vale a pena. “Enrijecer o músculo faz doer mais, então tente deixar o braço relaxado e se concentrar na respiração”, aconselha a Dra. Amy Baxter, fundadora e CEO da MMJ Labs.

POR JENN SINRICH

Começa hoje, quarta-feira (10), a primeira fase da campanha de vacinação contra a gripe. Esta primeira fase é voltada para crianças e gestantes. Já a segunda fase que será voltada para trabalhadores de saúde, idosos, indígenas, professores e pessoas com doenças crônicas, começa a partir do dia 22 de abril. O ‘Dia D’, mutirão para todos os grupos de risco, será no dia 04 de maio.

Agora que você já acabou com os mitos sobre a vacina, não tem mais desculpas. Caso você se encaixe em um dos grupos citados acima não deixe de se vacinar! 

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteudo em primeira mão!