Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 8 de novembro de 2019

Bateu com o carro? E agora? Descubra o que fazer!

Quando automóveis batem, você sabe como reagir? Tire as suas dúvidas e evite problemas maiores.

Imagem: Pattanaphong Khuankaew/iStock

O carro à sua frente para de repente. Você pisa no freio mas simplesmente não consegue parar a tempo. Seu para-choque dianteiro encontra a traseira do outro carro. Crash!

Não aprece ter havido danos, e o motorista no qual você bateu concorda que não vale a pena recorrer ao seguro e arriscar um aumento no prêmio. Então, depois de trocarem endereços, vocês seguem seus caminhos separados.

Imagine sua surpresa algumas semanas mais tarde ao receber uma carta do advogado da “vítima” exigindo dez salários mínimos para cobrir os reparos do carro, a dor e o sofrimento. Aparentemente o agradável motorista decidiu fazer um boletim policial culpando você pelo acidente.

Quando automóveis batem, você sabe como reagir? Aqui estão dez dicas práticas que podem ajudá-lo a evitar custos legais e corrida às seguradoras.

1 . Pare

Não importa quão pequeno seja o acidente, pare imediatamente. Especialistas aconselham: se possível, remova o carro para o acostamento quando estiver interrompendo o trânsito. No entanto, se a batida ocorrer em via de pouco movimento, o ideal é não alterar a cena do acidente. Se alguém tiver sido ferido, não o movimente. O carro também não deve ser mexido.

Há exceções. Se, por exemplo, você está encurralando à noite, numa área insegura, pode ser sábio continuar seguindo e notificar a ocorrência à polícia o mais breve possível. Em certos casos, pessoas foram roubadas quando saíram dos carros.

2 . Feche a boca solta

Fale o mínimo necessário porque tudo o que disser poderá ser usado contra você. Mesmo um inocente pedido de desculpas pode, mais tarde, ser considerado admissão de erro. Procure não acusar o outro motorista de causador do acidente. As pessoas estão nervosas, estressadas, o trânsito anda ruim, há buracos nas ruas, excesso de veículos e carros em péssimo estado que provocam acidentes. Além disso, há muita gente armada e disposta a atirar durante briga de trânsito. Você não sabe como um estranho reagirá. Portanto, quanto menos atrito, melhor.

Lembre-se: não cabe a você decidir de quem foi o erro. Mesmo que você pense ter causado o acidente, pode estar errado.

3 . Dê informação

Se você está envolvido num acidente, deve dar seu nome, endereço, telefone e dados do veículo a: qualquer pessoa machucada no acidente; ao dono, motorista ou passageiro de qualquer carro danificado no acidente; ao policial que estiver no local. Mas atenção: essas informações precisam ser fornecidas na presença de testemunhas que concordem em assinar uma declaração detalhada sobre o ocorrido. A declaração deve ser redigida por você no local do acidente. Se você não é o dono do carro, dê o nome e o endereço do proprietário.

Forneça as informações mesmo que não haja feridos ou danos aparentes e mesmo que você não tenha causado o acidente. Também é boa ideia informar o nome de sua companhia de seguro. Entretanto, não discuta o valor de sua cobertura – isso pode inspirar a outra pessoa a exagerar os ferimentos.

O que você deve fazer se bater num carro estacionado cujo dono não está por perto? Deixe um recado com seu nome e as outras informações identificadoras num local seguro no carro. Imediatamente, contate a polícia. Assim, você se livra de futuras acusações que podem ser feitas por eventuais testemunhas. Comunicando o ocorrido à polícia o quanto antes, o próprio motorista relatará os fatos e o estado dos dois veículos.

4 . Pegue informação

Você deve obter dos outros envolvidos no acidente as mesmas informações que você lhes deu. Se o outro motorista se recusar a cooperar, anote o número da placa e o modelo do carro, para ajudar a polícia a identificar o proprietário.

5 . Chame a polícia

Se for um acidente sério no qual alguém se feriu, a polícia de ser chamada imediatamente. Mas e se o acidente parece não ser grave? Digamos que outro carro encoste na traseira do seu. Se ambos os motoristas concordarem que não há danos ou ferimentos, cada um pode seguir seu caminho. Mas especialistas concordam: é importante ter uma referência do outro motorista, seja o telefone, o modelo do carro, a cor ou o número da placa.

Normalmente você deve chamar a polícia para registrar o ocorrido. Na maioria das cidades um guarda de trânsito irá até a cena, mesmo em acidentes menores. Caso contrário, você e o outro motorista devem ir à delegacia para registrar a ocorrência. Peça a um policial que verifique os dois carros.

Descubra também como a fúria ao volante pode ser um problema que precisa de atenção.

Se você acha que não errou, tenha cuidado em aceitar a sugestão do outro motorista de deixar a polícia fora do caso e partir para um acordo privado. Se a polícia não esteve no local, você pode não ter um meio legal para se resguardar diante da Justiça, tendo em vista ser imprescindível um laudo técnico. Mesmo que você tenha errado, é boa ideia envolver a polícia. Um policial anotará a extensão dos danos do outro motorista no boletim, limitando sua responsabilidade. Sem a presença da polícia, o outro motorista tem a oportunidade de aumentar os danos. Nos acidentes menores, os envolvidos podem chamar a perícia para obter laudo oficial de danos (que é cobrado).

6 . Identifique testemunhas

Pegue os nomes e endereços de quaisquer testemunhas, para o caso de futura batalha judicial. Pergunte a espectadores ou outros motoristas que pararam se viram o acidente. Se a resposta for sim, pegue informações identificadoras. Anote o nome, o número de registro e o batalhão policial no local, mesmo que eles dêem o caso por encerrado.

7 . Vá ao hospital

Quando há feridos, a primeira providência é prestar socorro. Quando há morte no local, o próprio policial deve chamar o Instituto de Criminalística do Estado, órgão responsável pelas perícias. Se você estiver machucado, vá à emergência de um hospital (todos os hospitais públicos têm policiais de plantão para registrar as ocorrências de trânsito) ou ao seu médico. Quanto mais você espera, além de estar arriscando a saúde, sua queixa pode se tornar mais complicada.

Leia também: 7 erros perigosos em primeiros socorros

8 . Registre a ocorrência

Todo motorista envolvido em acidente em que ocorra morte ou ferimento deve reportar o fato à polícia. Mesmo se o prejuízo do proprietário for algo em torno de 50 ou 1.000 reais, a maioria dos estados requer um boletim de ocorrência preenchido em 24 horas. Esse é o prazo oficial, mas na prática, em caso de morte, o registro tem de ser feito imediatamente porque o cadáver só pode ser removido do local do acidente depois da perícia. No caso de haver ferido atendido em hospital público, o mesmo acontece. Os formulários podem ser preenchidos por policiais no local do acidente ou na delegacia de polícia mais próxima.

9 . Determine como pagar

Fale com seu corretor de seguro o mais breve possível depois do acidente. Ele poderá ajudá-lo a decidir se deve recorrer ao seguro ou pagar do próprio bolso.

Leia também: Descubra como funciona o DPVAT e não caia em golpes!

10 . Evite um acordo rápido

Se o outro motorista estiver errado e houver probabilidade de você estar machucado, não aceite logo o acordo proposto pela companhia de seguro daquela pessoa. Você pode não saber a extensão dos ferimentos por algum tempo e, uma vez aceito o acordo, talvez seja difícil melhorá-lo. Quando você não se machuca e recebe oferta justa para cobrir os danos de seu carro, pode aceitar o acordo, desde que seja testemunhado por escrito, por pessoas que viram o acidente.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados