Faça uma busca
|
Publicado em: 4 de janeiro de 2022

Demência: 13 sinais que você não deve ignorar

Anualmente, há 350 mil casos de demência precoce no mundo.

Imagem: ThitareeSarmkasat/iStock

Todo ano, estima-se que 350 mil indivíduos no mundo inteiro desenvolvem demência precoce (antes dos 65 anos de idade). Como relatado na conferência internacional de 2021 da Alzheimer’s Association, também se prevê que, dos estimados 57,4 milhões de casos no mundo todo, a demência aumente para 152,8 milhões de casos em 2050, por conta principalmente do crescimento e do envelhecimento populacional. 

Leia também: 5 descobertas sobre a demência que você precisa conferir

A detecção precoce da demência é importante para que a pessoa com esse diagnóstico e seus familiares consigam tomar providências a fim de retardar e mitigar os efeitos da doença com mudanças do estilo de vida. 

O ideal seria consultar um clínico geral, fazer exames específicos e receber o diagnóstico formal de seis meses a um ano depois de percebidos os sintomas. Mas, de acordo com um estudo australiano, as pessoas levam em média dois anos para marcar a consulta médica e mais de três para obter o diagnóstico conclusivo.

Um caso real

Stephen Chow percebeu que havia algo errado em 2010, quando começou a cometer mais erros de ortografia em seus e-mails profissionais. O especialista em TI de Toronto, de 51 anos, tentou ignorar os erros, mas a situação ficou mais óbvia quando ele digitava sua senha e errava. Aos poucos, Chow achou mais difícil se concentrar e realizar tarefas simples e conhecidas, como fazer contas ou assinar documentos. 

“Tudo estava confuso, e eu não sabia o que fazer para resolver”, diz ele. Como não queria que a mulher, Eva, e os dois filhos adultos se preocupassem, Chow guardou segredo, na esperança de continuar trabalhando.

Mas, nos anos seguintes, surgiram sintomas mais alarmantes. Na viagem diária de 90 minutos para ir e voltar do trabalho, Chow tinha dificuldade de ver a faixa central da rua e os carros ao lado. No início de 2014, a visão ruim quase o matou: ele caiu na vala durante uma nevasca. Não se machucou, mas a ansiedade cresceu, e ele decidiu consultar o médico da família.

Quando Chow descreveu as dificuldades com a digitação e a direção, ambas ligadas a habilidades motoras, o médico o encaminhou a um especialista em doença de Parkinson.

Essa doença foi descartada. Em maio de 2014, Chow consultou a Dra. Carmela Tartaglia, neurologista cognitiva do Toronto Western Hospital, especializada em demência precoce. 

Ela desconfiou de que os sintomas de Chow eram problemas de processamento visuoespacial, um sinal de alerta da doença de Alzheimer. Semanas depois, uma ressonância revelou o encolhimento do tecido cortical na parte de trás do cérebro, na região envolvida no processamento do que vemos e de como vemos. Dali a 18 meses, os biomarcadores identificados no líquido cefalorraquidiano confirmaram, seis anos depois de Chow notar os primeiros sintomas, que ele tinha Alzheimer precoce.

Perda de memória é um indicativo de demência?

Frequentemente, a demência está associada à perda de memória, mas é comum não ser esse o primeiro sintoma. A doença afeta diversas áreas do cérebro, e hoje os cientistas entendem que os sintomas diferem com base no local das alterações. É por isso que, atualmente, os médicos usam ferramentas avançadas, como exames de neuroimagem e biomarcadores proteicos, para obter mais cedo um diagnóstico mais específico.

Chegar a esse estágio, no entanto, exige notar que há algo errado – e contar a alguém. “A primeira vez que soube que Stephen tinha um problema foi quando ele me ligou do consultório da Dra. Tartaglia”, conta Eva. Depois do diagnóstico, ela percebeu que havia pistas. Só que ela não sabia o que procurar.

Sintomas de demência

Aqui estão 13 sintomas que indicam que você (ou alguém que você ama) deve ser avaliado:

1. A personalidade muda

O comportamento inadequado é um sintoma precoce de lesão no lobo frontal do cérebro, que regula nossa capacidade de avaliação social. 

“As pessoas podem se despir em público, falar das partes íntimas ou dizer que alguém é burro”, explica o Dr. Robin Hsiung, neurologista e professor associado da Clínica Hospitalar de Doença de Alzheimer e Transtornos Afins da Universidade da Colúmbia Britânica, em Vancouver, no Canadá. “Elas perdem a elegância social e esquecem que o que dizem ou fazem não está certo.” 

Esses sintomas são frequentes na demência frontotemporal, mas também quando o Alzheimer ou a demência vascular afetam os lobos frontais.  

2. Você vê coisas que não existem

Alucinações visuais recorrentes podem ser um sintoma precoce da demência de corpos de Lewy ou da doença de Parkinson, embora pessoas com Alzheimer também possam apresentá-las. Podem ser simples como luzes piscando ou complexas como encontrar pessoas e animais que não são reais. 

“Às vezes, as alucinações são bem assustadoras, como ver um lobo ou urso tentando entrar pela janela”, diz Hsiung. “Outras vezes, são mais positivas, como a avó que olha pela janela e vê os netos brincando, mas não há ninguém ali.” 

Os pesquisadores acreditam que as alucinações visuais podem ser causadas por danos no sistema de processamento visual do cérebro, combinados à desorganização do ciclo do sono provocada pela doença, de modo que as visões podem ser sonhos que entram na consciência em vigília.

3. Dificuldades com o vocabulário 

Um sinal comum e precoce da demência é ter dificuldade de encontrar as palavras certas em conversas ou ao citar objetos, às vezes com o uso de uma palavra errada. As pessoas afetadas dessa maneira param no meio da fala, trocam palavras ou, com frequência, dizem “isso” em vez de dar o nome específico da coisa. Pesquisadores da Universidade de Wisconsin-Madison constataram que essa dificuldade de encontrar as palavras aumentou de forma significativa durante apenas dois anos para as pessoas que desenvolviam demência.

A linguagem pode ser afetada antes mesmo que surjam problemas de memória. Um estudo da Universidade Estadual do Arizona analisou as entrevistas coletivas do ex-presidente americano Ronald Reagan e encontrou mudanças de fala mais de uma década antes de seu diagnóstico de Alzheimer

Para avaliar se a dificuldade de encontrar palavras está ligada ao encolhimento das áreas da linguagem no cérebro, preste atenção em quando e com que frequência isso acontece com você. Pode ser apenas o resultado de cansaço ou estresse – ou ser causada por ansiedade, depressão, AVC e delírio.

médicos analisando imagens de cérebro
70% dos casos de demência são diagnosticados como doença de Alzheimer. (Imagem: gorodenkoff/iStock)

4. A visão fica irregular

Os problemas de consciência espacial podem ser causados por catarata ou glaucoma, mas também são um sinal precoce de demência. Foi o que aconteceu com Chow, cujos primeiros sintomas de Alzheimer foram resultado do encolhimento da área do cérebro fundamental para a capacidade de perceber com exatidão o mundo tridimensional. Tartaglia observa que os problemas de processamento de visões-parciais são muito prevalentes como sintoma da demência de corpos de Lewy, que afeta uma área semelhante do cérebro.

“O paciente com atrofia cortical posterior vê o mundo com um campo visual irregular”, explica Hsiung. “Caso se concentre na frente enquanto dirige, a pessoa não consegue ver as coisas nas laterais. E, quando muda de pista, não vê os carros a seu lado.” No caso de Chow, quando cometia erros digitando era por ter dificuldade de ver o teclado.

5. Você tem dificuldade em manter a concentração

O problema de concentração de Chow se devia ao encolhimento do lobo frontal. “Isso dificultou ler, escrever e dirigir e afetou a capacidade de cumprir tarefas de alto nível como especialista em TI”, conta Tartaglia.

Além do Alzheimer, qualquer outra demência pode afetar essa área do cérebro; mas observe que a incapacidade de se concentrar também pode ser causada por ansiedade, depressão e medicação.

6. Você esquece onde pôs as coisas

Não é raro esquecer onde deixamos as chaves. Quase todo mundo passa por isso. Mas, se isso acontece regularmente ou se você vive deixando o fogão aceso ou esquecendo fatos e conversas recentes, pode ser um sinal de alerta. Em geral, diz Hsiung, as pessoas com esse tipo de perda de memória farão a mesma pergunta várias vezes às pessoas próximas. “A família pode ajudar muito a reconhecer esses sintomas iniciais”, alerta ele.

Leia também: A perda da memória na velhice é inevitável?

A perda da memória de curto prazo é o sintoma mais comum da doença de Alzheimer, que pode afetar o hipocampo – a área do cérebro envolvida em formar, armazenar e recuperar lembranças. É menos frequente como sintoma precoce das demências vasculares e de corpos de Lewy e raro na DFT. Dito isso, medicamentos e depressão também afetam a memória, e seu médico pode pedir exames.

7. Você não sabe mais lidar com o dinheiro

Um padrão de más decisões financeiras nada típicas deveria fazer soar o alarme. “Em caso de lesão do lobo frontal, perde-se a capacidade de avaliação e pode haver decisões financeiras arriscadas e impulsivas”, adverte Tartaglia. “Uma pessoa simples começa a distribuir mais dinheiro ou a comprar coisas de que não precisa, como cosméticos ou aparelhos eletrônicos de um vendedor de porta a porta.” Ela já atendeu pacientes que causaram dano significativo às finanças da família, assim como presidentes de empresas que perderam milhões.

A combinação de declínio da capacidade de tomar decisões e perda da memória também pode causar lapsos financeiros. Um estudo publicado em 2020 na revista JAMA Internal Medicine constatou que pessoas com demência começavam a esquecer de pagar as contas até seis anos antes do diagnóstico.

8. Você não se emociona

De acordo com um estudo de 2020 da Universidade de Cambridge, a falta de interesse ou motivação pode prever o início da demência anos antes de outros sintomas cognitivos, principalmente em pessoas com DFT, que podem receber o diagnóstico com apenas 45 anos.

No entanto, Hsiung adverte que a apatia às vezes é confundida com depressão. Em geral, é preciso uma avaliação psiquiátrica para diferenciá-las. A principal diferença é se o estado de espírito da pessoa muda. Quando alguém chora ao ouvir uma história triste, pode ser depressão, mas é apatia se a pessoa não demonstra reação emocional – o que, segundo Hsiung, pode ser o início de doença de Alzheimer, DFT ou demência vascular.

9. Você já não se movimenta bem

A dificuldade de realizar atividades físicas na sequência correta pode ser um sinal precoce de dano ao lobo parietal, ligado à habilidade motora. É um sintoma que Eva acha que deixou passar no marido. Três anos antes do diagnóstico, o casal começou a participar de corridas de barco-dragão. Chow sempre foi bem coordenado como atleta e uma pessoa habilidosa, mas no treino ele teve dificuldade de aprender a técnica básica do remo.

Os problemas motores também são comuns na demência de corpos de Lewy, mas outras doenças neurodegenerativas, como a de Parkinson e a esclerose múltipla, devem ser levadas em consideração.

10. Você não entende mais conceitos conhecidos

Os problemas com tarefas que exigem pensamento abstrato, como entender números ou ler a planta de uma casa – principalmente se antes esse era um ponto forte –, são sintomas precoces que podem ser causados por danos nos lobos frontal e parietal. Em Chow, isso se apresentou como a incapacidade de fazer contas simples e também impediu seu antigo papel de gestor das finanças da família. 

11. Você fica insensível

De acordo com um relatório de 2016 da Neuroscience Research Australia, a perda de empatia é um sintoma central de algumas pessoas diagnosticadas com DFT. Ela se relaciona com a perda de matéria cinzenta do “cérebro social” (as partes envolvidas com o comportamento social). Esses pacientes não percebem o impacto que seu comportamento causa nas pessoas e perdem tanto a capacidade de entender as emoções dos outros quanto de compartilhar seus sentimentos.

“Talvez você não se preocupe mais com a família”, diz Tartaglia. “Ou, quando um membro da família chora, você não percebe que a pessoa está triste.”

12. Você fica mais ansioso

As mudanças de humor, como depressão e ansiedade, podem ser sintomas precoces de demência que surgem bem antes que as pessoas sintam a perda de memória, de acordo com um estudo publicado em 2015 na revista Neurology. Tartaglia observa que, principalmente na demência de corpos de Lewy, os não ansiosos podem ficar ansiosos. Podem exibir preocupação persistente, medo ou agitação, em geral provocados por sair de casa ou se separar de um membro da família.

13. Você se perde com mais frequência

Perder a capacidade de se orientar e de criar um mapa mental do ambiente pode ser um dos primeiros sintomas de demência. Na verdade, em 2019 pesquisadores da Universidade de Cambridge desenvolveram em realidade virtual um teste de orientação que se mostrou melhor para identificar o Alzheimer precoce do que alguns dos melhores testes de diagnóstico neuropsicológico.

Para lidar melhor com esse sintoma específico, a família de Chow construiu uma pista de corrida no quintal. Assim, “Stephen pode correr todo dia em segurança sem se perder”, diz Eva.

Depois de receber o diagnóstico adequado, a ansiedade de Chow com a saúde diminuiu. “Eva é a cuidadora modelo, porque quer o melhor para Stephen e o incentiva a fazer coisas”, diz Tartaglia. Isso inclui participar de grupos de apoio para pessoas com demência precoce, praticar meditação diariamente e fazer exercício aeróbico com regularidade.

O mais importante, porém, talvez seja que, incentivado por Eva, Stephen começou a falar do diagnóstico. “Eu me senti melhor depois de contar à família e aos amigos”, revela ele. “Todos me deram muito apoio, e isso me tirou um peso dos ombros. Aprendi que devemos contar logo aos outros o que notamos e não guardar tudo só para nós.”

Tipos de demência

A palavra demência descreve um grupo de sintomas causados por transtornos que afetam o cérebro.  Há mais de uma dúzia de tipos, que incluem doenças raras e as que se  desenvolvem a partir de outros transtornos cerebrais, como a doença de Parkinson. Eis as cinco formas mais diagnosticadas:

Doença de Alzheimer

A doença de Alzheimer é o tipo mais comum, responsável por 70% de todos os diagnósticos de acordo com a Organização Mundial da Saúde. Em geral, o Alzheimer afeta mais áreas  do cérebro e envolve mudanças de memória, linguagem, solução de problemas, humor e comportamento.

Demência vascular

A demência vascular, a segunda mais comum, acontece quando há obstrução do suprimento de sangue do cérebro, o que priva os neurônios de oxigênio e os mata. AVCs e doença vascular são causas comuns, e várias áreas do cérebro podem ser afetadas.

Demência de corpos de Lewy

A demência de corpos de Lewy é causada por depósitos anormais dentro dos neurônios do cérebro de uma proteína chamada alfa-sinucleína. Ela destrói as células e também se encontra em pessoas com Parkinson. As áreas cerebrais envolvidas em pensamento, movimento e processamento visual são mais afetadas.

Demência frontotemporal

A demência frontotemporal afeta principalmente as áreas frontais e temporais do cérebro e é responsável por cerca de 20% dos casos de  demência precoce. As mudanças de personalidade e comportamento  são mais visíveis no estágio inicial,  enquanto o declínio da memória só acontece mais tarde.

Demência mista

A demência mista ocorre quando a pessoa tem pelo menos dois tipos  de demência, em geral doença de  Alzheimer e demência vascular.  Estudos revelam que isso é muito mais comum do que se pensava.

por Mark Witten

Gostou dessa matéria? Ela faz parte da edição de janeiro da Revista Seleções. Confira esse e outros artigos dessa edição em nossa Biblioteca Digital!

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados


Cadastre-se GRÁTIS para continuar lendo


Você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos

Já tem cadastro? Faça login aqui.

Já sou assinante da Revista Impressa

close