Faça uma busca
Já tem cadastro? Faça login aqui.
Cadastre-se para continuar lendo!
Artigo exclusivo para assinantes!
É grátis e você garante acesso a 3 conteúdos exclusivos
devices
Já sou assinante da Revista Impressa

Entendo que, respondendo a esta promoção, serei ingressado nos sorteios aqui oferecidos e passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Conheça também a nossa Política de Privacidade e Uso de Dados

Aproveite e assine o site seleções por apenas R$1,99 no primeiro mês. Clique aqui.
|
Publicado em: 22 de março de 2021

Nutrição ortomolecular aumenta imunidade e protege contra Covid-19

Segundo a Dra. Fernanda Cortez, essa dieta é baseada nos exames de sangue e nas deficiências do indivíduo

Imagem: Crédito: Roxiller\iStock

Você já ouviu falar na nutrição ortomolecular? Baseada no correto equilíbrio de minerais, vitaminas e aminoácidos, a dieta ortomolecular, para além do emagrecimento, tem como objetivo o controle da formação excessiva de radicais livres — substâncias que, em excesso, podem desencadear diversas doenças em nosso corpo.

A dieta foi desenvolvida pelo químico Linus Pauling, ganhador do Prêmio Nobel e pioneiro em estabelecer a relação entre alimentos e o equilíbrio do nosso organismo.

De acordo com a Dra. Fernanda Cortez, nutróloga especialista em nutrição ortomolecular, para além da redução das medidas corporais, essa dieta também tem o intuito de focar no tratamento da saúde como um todo. E assim, tratar e prevenir diversas doenças.

“Diferentemente de uma alimentação focada só na perda de peso ou no ganho de massa muscular, a nutrição ortomolecular consegue focar também no tratamento desse corpo, na prevenção e na suplementação, proporcionando níveis ideais de vitaminas, minerais e aminoácidos para que ele possa atuar da melhor forma possível”, explica.

O que é a nutrição ortomolecular?

como reduzir o colesterol alto
Imagem: Chinnapong/iStock

Como já adiantamos, a nutrição ortomolecular é focada na prevenção e no tratamento de doenças. Em uma dieta ortomolecular, o nutricionista aposta em alimentos naturais e evita o uso de produtos industrializados.

Embora não seja uma regra, como parte do tratamento o nutricionista pode também recomendar suplementações alimentares.

“Diferente de uma dieta normal em que a gente só pensa em um objetivo e pronto, na dieta ortomolecular precisamos de uma suplementação também através de soroterapia endovenosa ou intramuscular, para entrar com a suplementação alimentar através de medicamentos ou outras formas para garantir que esse corpo receba tudo o que ele precisa”, explica a Dra. Fernanda Cortez.

Quais são os benefícios da dieta ortomolecular?

A nutrição ortomolecular confere uma série de benefícios ao corpo. “Com essa dieta conseguimos prevenir e tratar doenças de uma forma mais natural, melhorar a oxidação e a inflamação desse corpo”, explica a Dra. Fernanda Cortez.

Embora não seja o único objetivo, essa dieta também pode provocar um emagrecimento saudável. E isso porque estimula a redução de alimentos ultraprocessados, refinados, ricos em sal e açúcar. E assim, estimula o consumo de alimentos mais naturais e variados.

Como é elaborada uma dieta ortomolecular?

nutricao ortomolecular
Crédito: Prostock-Studio/iStocck

Segundo a Dra. Fernanda Cortez, o primeiro passo para alguém obter uma dieta ortomolecular é realizar uma consulta com uma avaliação completa de seus exames laboratoriais.

Em seguida, é feito um mapeamento do organismo para tratar as deficiências ligadas à falta de vitaminas e minerais que estão presentes no corpo.

“O importante é sempre saber qual a deficiência do organismo, os tipos de nutrientes exatos de que ele precisa para saber como suplementar”, explica.

Segundo a especialista, na dieta ortomolecular há um forte consumo de alimentos anti-inflamatórios e antioxidantes, como gengibre, cacau e cúrcuma, que combatem os radicais livres, impedindo a oxidação celular.

“O radical livre é uma molécula super instável que inflama o corpo todo. Então pode gerar dor de cabeça, inchaço, piorar artrite, artrose, gastrite, e gerar muito mais irritação, dificuldade de sono e queda de cabelo. Diminuindo esses radicais livres, impedimos a oxidação celular, focando na prevenção de doenças, por isso que ela é uma dieta bem completa, por isso fazemos o mapeamento do organismo primeiro e depois introduzimos a alimentação”, acrescenta.

Há contraindicações?

Talvez agora você esteja se perguntando se pode ser um praticante da dieta ortomolecular. Boas notícias: segundo a Dra. Fernanda, não há contra indicação. Todos que queiram podem se beneficiar dela.

“Por ser feita de forma personalizada e individualizada para cada paciente, baseada nos exames de sangue, nas deficiências daquela pessoa e nos sintomas, qualquer indivíduo pode adotar a dieta ortomolecular”, afirma.

Nutrição ortomolecular contra a Covid-19

cuidados com o cabelo
Imagem: iStock

A Covid-19, doença infecciosa que deu origem à pandemia iniciada no ano passado, é responsável por uma série de inflamações no corpo. Cansaço extremo, queda de cabelo e perda de olfato são alguns dos sintomas provocados por essa doença, que já provocou a morte de mais de dois milhões de pessoas por todo o mundo.

Em março do ano passado, cientistas da Academia de Medicina de Turim, na Itália, apresentaram um estudo que relacionava a deficiência de vitamina D com a maior prevalência de casos severos dessa doença.

Atualmente é cada vez maior o número de pessoas com carência de vitamina D, especialmente os idosos. São vários os fatores que contribuem para essa “epidemia” de deficiência da vitamina D, incluindo uma alimentação desequilibrada. E dentro desse aspecto, a nutrição ortomolecular pode ser de grande ajuda, inclusive sugerindo a ingestão das doses recomendadas via suplementos.  

“O corpo inflamado fica muito mais suscetível, e a dieta ortomolecular auxilia exatamente ao consumir diversos alimentos anti-inflamatórios e focar nas necessidades de cada organismo. Os sintomas ainda ficam, então o ideal é sempre prevenir antes de tudo, deixar o corpo forte aumentar e estimular a imunidade para prevenir qualquer tipo de doença ou se o paciente pegar essa ou outras doenças, os impactos serão muito mais leves”, conclui.

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados