Faça uma busca


|
Publicado em: 1 de janeiro de 2021

Mamoplastia redutora: como é feita, quem pode fazer e riscos

Entenda a cirurgia de redução da mama e para quem ela é indicada.

Imagem: (Imagem: Staras/iStock)

A mamoplastia redutora consiste em uma cirurgia para redução do tamanho das mamas. Esse procedimento é indicado para pessoas cujo tamanho dos seios causam desconforto e/ou problemas de saúde. No entanto, também pode ser feita por razões estéticas.

Leia também: abdominoplastia — o que você precisa saber sobre essa cirurgia estética?

Essa cirurgia pode custar, em média, 10 a 11 mil reais. No entanto, ela também pode ser realizada pelo SUS. Saiba mais sobre a mamoplastia redutora.

O que é mamoplastia redutora?

Cirurgia
(Imagem: iStock/Motortion)

Mamoplastia redutora é a diminuição e remodelamento das mamas através de cirurgias plásticas. Em alguns casos, esta cirurgia pode ser realizada juntamente com a mastopexia, que consiste no levantamento dos seios. 

O procedimento cirúrgico vai além das questões estéticas, podendo ser realizado por motivos graves de saúde e desconfortos devido ao tamanho desproporcional do volume das mamas em relação ao corpo.

Mamoplastia redutora: em quais casos é indicada?

(Imagem: iStock/ Staras)

A cirurgia de redução mamária é indicada em casos em que a paciente sofra com dores constantes na coluna, pescoço e/ou possui o tronco curvado, que pode levar a doenças na coluna vertebral. Ela também é indicada em caso de gigantomastia, que pode causar envergadura da coluna, em função do peso. 

Leia mais: posturas de yoga para aliviar dores nas costas

A idade indicada é inicialmente entre 17 e 18 anos, pois nessa fase já houve o amadurecimento da mama e não há mais crescimento espontâneo. Em caso de realização antes do amadurecimento total das mamas é possível que a pessoa necessite realizar uma nova cirurgia.

Antes da realização da cirurgia são feitos vários exames, dentre eles, uma mamografia e exames de sangue. Além disso, o médico ainda pode indicar uma série de alterações e restrições medicamentosas para um bom pós-operatório.

Outro ponto importante é o tabagismo. Para realizar essa cirurgia é necessário parar de fumar por pelo menos um mês.

Riscos e cuidados pré e pós-cirúrgicos

No pré-operatório, como já foi informado, é necessário realizar alguns exames e o reajuste de medicamentos que sejam usados regularmente. Além disso, é necessária uma avaliação cardiológica antes da cirurgia. 

Os riscos cirúrgicos não são específicos. São os mesmo riscos constantes em qualquer cirurgia. Dentre eles, estão:

  • Hemorragia
  • Reação à anestesia
  • Infecções

Por isso, é necessário conferir bem as credenciais do médico que irá realizar o procedimento, para evitar outros riscos.

Existem algumas fases de cuidados no pós-operatório. A internação para a cirurgia dura em média 24h. Nos primeiros sete dias é preciso manter uma alimentação balanceada, com alimentos leves. Isso se deve ao fato de que o uso de alguns medicamentos pode causar irritação no estômago.

Durante, no mínimo, 30 dias é necessário usar um sutiã específico durante dia e noite. A retirada deve ser feita apenas para o banho. Por isso, o indicado é ter mais de um sutiã cirúrgico.

Leia mais: lipocavitação — conheça o tratamento estético de eliminação de gordura localizada

É necessário, também, atenção à retomada de atividades cotidianas, sempre voltando com calma e atenção. 

Os curativos precisam ser trocados diariamente e a cicatrização final pode acontecer entre 8 meses a 1 ano. As cicatrizes podem ficar mais vermelhas nas primeiras semanas e ir clareando com o tempo. No entanto, há também o risco de queloides

Assine a nossa newsletter e receba nosso conteúdo em primeira mão!

assine a nossa newsletter
Entendo que passarei a receber ofertas de produtos, serviços, informativos e presentes grátis, além de outras promoções de Seleções e de parceiros. Para mais informações, acesse nossa Política de Privacidade e Uso de Dados