A psoríase é uma doença comum na pele. Crônica e não contagiosa, ela pode estar relacionada ao sistema imunológico ou ter outras razões de fundo. Saiba mais sobre a doença, qual é o risco de complicações pelo novo coronavírus e como evitar novas ocorrências a seguir.

Quem tem psoríase faz parte do grupo de risco?

A consultora da Sociedade Brasileira de Infectologia e professora da Unicamp, Raquel Stucchi, explica que as doenças autoimunes têm diferentes perfis e que as mais graves podem agravar um quadro de Covid-19. Outro fator que pode afetar a defesa do corpo é o tratamento para essas doenças, feito com drogas anti-inflamatórias e corticóides em altas doses.

Em relação à psoríase, Stucchi afirma que a doença tem formas muito leves, que não levam a alteração no sistema imune, e outras que exigem mais atenção.

O fator de risco surge, explica ela, “nos casos em que há acometimento articular, em que preciso de drogas imunossupressoras potentes”.

Entenda a doença

Na psoríase, as células da pele envelhecem quase 10 vezes mais depressa que o normal. Elas se sobrepõem, criando escamas prateadas e placas de pele espessas, vermelhas e escamosas nos cotovelos, joelhos, perna, couro cabeludo, região lombar, rosto, palmas e solas. Com menos frequência, aparecem nas unhas das mãos e dos pés, nos genitais e no interior da boca.

Alguns genes aumentam o risco de psoríase, mas os especialistas não
sabem o que estimularia o mau funcionamento do sistema imunológico, causando essa doença. A psoríase começa quando as células T da pele,
que lutam contra infecções, se tornam ativas demais, estimulando o supercrescimento das células epidérmicas.

As orientações abaixo ajudam a evitar a psoríase e, caso você já sofra com a doença, a diminuir a frequência das ocorrências:

Texto feito a partir de matéria de Géssica Brandino via Folhapress

LumineImages/iStock

Pare de fumar

Pesquisadores suecos afirmam que o tabaco triplica o risco de psoríase em placa, o tipo mais comum dessa condição. Quando pesquisadores perguntaram a 104 pessoas se a psoríase tinha abrandado, 77% dos não fumantes disseram “sim”, em comparação com apenas 9% dos fumantes.


GeorgeRudy/iStock

Pense antes de beber

Cientistas finlandeses descobriram que, para as pessoas que já têm psoríase, as regiões da pele afetadas aumentaram conforme a ingestão de álcool. Numa crise, abstenha-se. Se a psoríase estiver sob controle e você achar que um drinque de vez em quando não piora sua pele, beba com moderação.


vadimguzhva/iStock

Mantenha um peso saudável

Ganhar alguns quilos aumentou em 40% o risco em um estudo da Escola de Medicina de Harvard feito com mais de 78 mil mulheres. Os médicos não sabem como o excesso de gordura contribui para a psoríase, mas estão certos de que a gordura excedente pode agravar os problemas de pele já existentes.


macniak/iStock

Hidrate-se

Lubrificar a pele todos os dias também pode ajudar a diminuir a chance de eventos provocados pela pele seca. Escolha um creme oleoso ou um unguento. Até mesmo óleos comestíveis e gorduras vegetais são eficazes.