A proximidade com o verão faz com que muitas pessoas procurem por soluções rápidas para perder peso. E com isso, os remédios para emagrecer são às vezes tidos como opções milagrosas para alcançar a redução das medidas a qualquer custo.

No entanto, apesar da facilidade para adquiri-los, o uso de remédios para emagrecer deve ser feito com acompanhamento médico especializado.

Caso contrário, pode gerar uma série de efeitos colaterais — incluindo o tão temido efeito sanfona.

Desse modo, se por um lado esses medicamentos têm importante papel no auxílio contra a obesidade, por outro têm gerado uma onda de uso indiscriminado, extremamente prejudicial à saúde.

Confira, a seguir:

  • Indicações e contraindicações de uso de remédios para emagrecer;
  • Remédios para emagrecer liberados pela Anvisa;
  • Efeitos colaterais dos principais remédios para emagrecer;

Quando é indicado o uso de remédios para emagrecer?

remedio para emagrecer
Imagem: Visivasnc/iStock

Se você está com uns quilinhos a mais, saiba que os remédios para emagrecer não são recomendados para você.

De acordo com o Ministério da Saúde, esses medicamentos só são indicados para adultos com Índice de Massa Corporal (IMC) igual ou superior a 30.

Ou então, com IMC maior que 27 em pessoas com comorbidades associadas, como por exemplo:

Além disso, os remédios para emagrecer devem ser vistos como aliados complementares de uma rotina de exercícios. Somado também a uma mudança no estilo alimentar e de acompanhamento terapêutico, se necessário.

Desse modo, não devem ser vistos como a única opção para o emagrecimento, mas sim como parte de um programa de gerenciamento de peso, receitado e acompanhado por um médico.

Geralmente, esses remédios são receitados quando o paciente não responde bem somente à conciliação de dietas e exercícios.

E assim, precisam de um estímulo temporário para que a perda de peso possa ocorrer de forma saudável.

Contraindicações dos remédios para emagrecer

obstrucao das arterias
Imagem: monkeybusinessimages/iStock

Além de ter de respeitar o IMC necessário para o seu uso, os remédios para emagrecer também não são recomendados para:

  • Pessoas com alergia aos componentes das fórmulas;
  • Crianças e adolescentes;
  • Grávidas e lactantes;

Os principais tipos de remédios para emagrecer liberados pela Anvisa

remedio para emagrecer
Imagem: AndreaObzerova/iStock

Os remédios para emagrecer atuam de formas distintas. Há aqueles que agem provocando a interferência na entrada de energia. Isto é, diminuindo o consumo de alimentos pela diminuição da fome.

Mas além desses, há também os termogênicos, que agem na interferência do gasto energético; e aqueles que dificultam a absorção das gorduras dos alimentos.

Atualmente, os quatro principais remédios para emagrecer liberados pela Anvisa são:

  • Liraglutida (saxenda)
  • Orlistat
  • Sibutramina
  • Locarserina

Remédios para emagrecer: efeitos colaterais

pilula do dia seguinte
Imagem: iStock.com

Saxenda (liraglutida)

Liberado pela Anvisa em 2016, o Saxenda é um medicamento injetável que tem como um dos principais componentes a liraglutida. Essa substância age no hipotálamo, região em que ocorre a sensação de saciedade.

E assim, provoca a diminuição da fome e a consequente redução do número de calorias ingeridas.

Atualmente, é um dos remédios que apresenta os melhores resultados em termos de perda de peso. De acordo com dados do fabricante, o emagrecimento pode ser de até 20% da composição corporal do indivíduo.

O medicamento deve ser aplicado uma vez ao dia, no abdômen.

Efeitos colaterais do Saxenda: náusea, diarreia, prisão de ventre e perda de apetite.

Principais nomes comerciais: Victoza, Xultophy

Orlistat

Diferentemente dos outros remédios para emagrecer, o Orlistat não inibe o apetite. E isso porque seus componentes não atuam no cérebro ou no sistema nervoso, e sim na absorção intestinal.

Ao bloquear as lipases gastrointestinais, que são enzimas que absorvem as gorduras, cerca de 30% da gordura ingerida deixa de ser absorvida pelo intestino.

E assim, aliado a uma boa alimentação, pode provocar um expressivo emagrecimento.

Como esse medicamento pode interferir na absorção de certas vitaminas, mediante recomendação médica também é importante ingerir um multivitamínico diário.

Efeitos colaterais do Orlistat: erupção cutânea, urticária e diarreia.

Principais nomes comerciais: Xenical, Lipoclin, Lipiblock, Lystate, Lipoxen.

Sibutramina

Em forma de cápsulas, a sibutramina é um dos remédios para emagrecer mais vendidos no Brasil. E é, também, o único a atuar no sistema nervoso.

Seu funcionamento deve-se por meio da inibição da recaptação da serotonina, noradrenalina e dopamina.

E assim, ao fazer com que estas substâncias permaneçam por mais tempo no cérebro, provoca uma maior sensação de saciedade no corpo.

Desse modo, o consumo de alimentos é reduzido e ocorre a perda de peso.

Mas atenção: pessoas com problemas cardíacos devem evitar a sibutramina. E isso porque esse remédio para emagrecer pode aumentar a pressão arterial e a elevação cardíaca.

Efeitos colaterais da sibutramina: boca seca, insônia, náusea e constipação.

Principais nomes comerciais: Reductil, Biomag, Grece, Nolipo, Vazy, Sibus.

Locaserina

Liberada pela Anvisa em 2017, a locaserina destacava-se por sua maior segurança, sobretudo por agir nos receptores de serotonina presentes no hipotálamo — e não nos receptores de serotonina presentes no coração.

Desse modo, os estudos apontavam que o uso de locaserina evitava possíveis alterações nas válvulas cardíacas.

No entanto, em fevereiro deste ano a Anvisa apontou o risco deste medicamente provocar neoplasias. E assim, fez uma recomendação aos médicos para que parem de prescrever esse medicamento aos seus pacientes.

Por isso é preciso ter cautela (e se possível evitar) esse remédio para emagrecer.

Principais nomes comerciais: Belviq

Efeitos colaterais da Locasertina: dor de cabeça, zumbido no ouvido e náuseas.

Outros remédios para emagrecer

Além desses remédios, também é possível encontrar outros disponíveis no mercado. No entanto, a grande maioria desses medicamentos inibidores de apetite (chamados de anorexígenos) reúnem anfetaminas.

Essas substâncias provocam uma sensação de saciedade, mas para isso aumentam a noradrenalina e da dopamina — duas substâncias que hiperestimulam o sistema nervoso central.

E assim, podem provocar problemas cardiopulmonares e complicações no sistema nervoso central.

De forma geral, como já comentamos, todos os remédios para emagrecer devem ser utilizados com acompanhamento médico.

Como tratar a obesidade?

remedio para emagrecer
Imagem: vadimguzhva/iStock

É preciso entender que os remédios para emagrecer visam o tratamento de uma doença: a obesidade. Desse modo, sua ingestão não deve ser por motivos estéticos, e muito menos sem prescrição médica.

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Ministério da Saúde, mais da metade da população (55,7%) está acima do peso. E 19,8% sofrem com obesidade. 

Além de aumentar o risco de doenças cardíacas, diabetes e câncer, a obesidade também provoca outra série de mazelas — como perda da audição, Alzheimer e transtornos gastrointestinais.

Desse modo, é importante buscar um tratamento adequado para essa doença, aliando sempre exercícios regulares e mudanças nos hábitos alimentares.

E, se for o caso, também fazendo uso de remédios para emagrecer.

Leia mais: Obesidade pode diminuir eficácia da vacina contra Covid-19