De muitas maneiras, uma escolha saudável no restaurante é quase a mesma coisa que uma escolha saudável em casa: alimentos cozidos no vapor e grelhados em vez de fritos; batatas cozidas no lugar de batas fritas; e molhos à base de tomate ou de vegetais em vez de molhos de queijo ou de creme de leite. A diferença é que em casa você controla a quantidade de ingredientes como sal, creme, manteiga e óleo, ao passo que os chefs usam esses ingredientes generosamente. A preocupação principal deles não é a saúde, mas o sabor. Então, o que comer na rua?

Peça com sensatez

Se você encara com sensatez o ato de comer fora, então pode apreciar sua refeição sem uma porção exagerada e uma sobrecarga de calorias. Ou seja, você está no comando. Peça o que quiser, e exatamente quanto quiser. Decida se comerá rápido ou devagar, e quando comeu o suficiente. Aprecie sua refeição, não se apresse e desfrute os sabores.

Mas, se você não é assim, veja o que comer na rua:

Prefira

Evite

  • Béarnaise – Molho preparado com manteiga e gemas
  • Beurre blanc – Molho de manteiga de cor clara
  • Chateaubriand – Grande porção de filé de carne bovina, para duas pessoas
  • Dijonnaise – Mostarda de Dijon e creme de leite
  • Crumble de frutas – Em sua maior parte, pobre em frutas e rico em cobertura com alto valor calórico

Outras dicas importantes!

  1. Se possível, confira o cardápio antes de se certificar de que será capaz de pedir a refeição com baixo teor calórico que deseja.
  2. Monitore os sinais de fome e saciedade – só coma quando estiver com fome e pare quando não estiver mais com fome. Você não precisa raspar o prato.
  3. Peça uma jarra de água para sua mesa e beba pequenos goles. Grande parte do que pensamos ser fome é na verdade sede.
  4. Escolha pelo método culinário – em geral, opte por alimentos cozidos no vapor, cozidos em água ou em outro líquido, braseados, cozidos em fogo brando, refogados, assados ou salteados. Evite alimentos fritos em bastante óleo e “crocantes”.
  5. Pergunte sobre a porção. Se ela for grande, talvez você possa pedir uma porção menor ou partilhar um prato principal com uma guarnição extra de legumes cozidos no vapor.
  6. Tenha cuidado com os extras: petiscos de entrada, pãezinhos com manteiga, porção de batatas fritas, café com creme, tábua de queijos, balas de menta depois do jantar. Em conjunto, eles podem equivaler a quase uma refeição.
  7. Concentre-se em seus pratos prediletos. Se você gosta de alimentos salgados, coma uma entrada e um prato principal, mas deixe de lado a sobremesa. Se você gosta de doces, exclua a entrada.

Você está na estrada e precisa de um lanche ou refeição rápida? Ignore as lanchonetes e, em vez disso, pare nem um supermercado para comprar algumas frutas, um pote de iogurte, uma salada pronta (evite molhos cremosos) ou alguns sushis.

Não é uma oferta!

Tentado pela oferta da refeição maior pagando um pouco a mais? As pessoas pensam que estão conseguindo uma pechincha quando recebem mais comida por apenas alguns reais a mais. O que não é uma pechincha são as calorias extras e a gordura que vêm com essas refeições.

Em geral, a comida de restaurantes contém 22% mais gordura que a comida consumida em casa, dizem os especialistas. E as porções ficaram fora de controle, principalmente nos restaurantes de fast-food. Um estudo encontrou uma refeição de restaurante com um único prato principal que excedia toda a ingestão média diária de calorias (2.080 kcal).

O Fundo Mundial de Pesquisas sobre o Câncer diz que a indústria alimentícia e das bebidas está contribuindo para a obesidade ao oferecer porções cada vez maiores aos consumidores. Existe um apelo para que a indústria torne mais fácil fazer escolhas saudáveis não promovendo porções “exageradas”.